Cinema do povo nas ruas

Apresentado nas ruas de Belém, PA — onde surgiu —, na ilha de Marajó, na Marambaia e em toda região amazônica, o "cinema de rua" reúne o povo e realizadores comprometidos com o cinema nacional, com perfil diferenciado dos de circuitos dos shoppings , 'enlatados', considerado por Francisco Weyl, idealizador e coordenador do projeto, como 'cinema pipoca'.


Nas ruas de Pacajá, Pará, o povo experimenta um cinema que fala de sua cultura e realidade

— O cinema de rua é uma intervenção artística e social, com uma dimensão necessariamente histórica. Essa prática remonta os anos de 1970, quando diversos cineastas brasileiros utilizavam essa ferramenta criadora para registrar as greves operárias, as greves metalúrgicas no ABC. Alguns desses filmes ficavam prontos a tempo de serem exibidos nas assembléias seguintes, o que fortalecia em demasiado a luta política daquele período — explica Francisco Weyl.

— A imagem em movimento tem um poder fabuloso, e essa dimensão histórica do cinema de rua já acontecia na União Soviética, quando operadores de câmera dirigidos pelo Dziga Vertov chegavam aos rincões mais distantes para captar as imagens da revolução em seu processo emergente, ou seja, o cinema de rua se relaciona com o cinema de guerrilha, de resistência, de enfrentamento — acrescenta.

Francisco é poeta e realizador de filmes. Formado em cinema, com especialização em semiótica, se intitula "carpinteiro de poesia e cinema", tendo seu maior prazer nas exibições gratuitas em ruas e praças de Belém, assim como muitas outras cidades que tem projetos considerados parceiros.

— Quando montamos o 'circo' na rua, instalando o projetor, a caixa de som, o telão, etc, naturalmente chamamos a atenção dos transeuntes, tendo eles sido ou não previamente comunicados daquela ação. Imediatamente há uma ruptura com o conjunto de estruturas subjacentes que estão no ciclo do grande cinema, o cinema industrial, que limita a criatividade humana, como simples expectador — explica Francisco.

— A cidade com seus cidadãos passa a compor o cenário do filme ao mesmo tempo em que se desenha um novo cenário desse mesmo filme, feito desde e neste encontro confronto/convergência. É o cinema chegando até as gentes para as quais a arte deve ser direcionada — continua.

Criar e exibir bons filmes

Para Francisco "cinema na rua" quer dizer "cinema do povo", motivo pelo qual a responsabilidade de quem desenvolve essa prática é muito grande.

— Diariamente nós aqui da região somos bombardeados por um conjunto de imagens, através da televisão, da publicidade, ou dos grandes cinemas. Então nos interessa discutir esteticamente se a nossa produção está de acordo com uma nova linguagem ou se estamos apenas reproduzindo esses padrões, que afinal de contas têm nos usurpado culturalmente — declara.

— Particularmente na qualidade de realizador que sou, tenho um compromisso com a minha cultura, com o meu país, com a minha cidade, com a periferia, de cinema para o povo, com compromisso ético, com perfil bem diferenciado do grande cinema narrativo, do puro entretenimento, 'enlatados', o que chamo de 'cinema pipoca'. Levamos para as ruas filmes feitos com critérios que não é o do lucro financeiro — continua.

O cinema de rua exibe filmes de realizadores da região, ligados aos projetos de outros locais e também de grandes nomes do cinema nacional.

— Mostramos Gláuber Rocha, Eduardo Coutinho, Nélson Pereira dos Santos, e outros sensacionais. Também apresentamos obras como: Brasil para trás, documentário sobre o golpe militar em que registrei o ex-preso político e torturado, Humberto Cunha; Contra corrente filme que fiz com o jornalista Luís Carlos Pinto sobre liberdade de expressão; Patativa do Assaré, do Rosemberg Cariry; Chama Verequete, do Luís Arnaldo, sobre o mestre Verequete, considerado o rei do carimbó, entre muitos outros. No final de cada sessão realizamos debates — relata.

Francisco, que também coordena o Cineclube Amazonas Douro e sempre está ligado a movimentos de resistência cultural, tem como parceiro vários outros grupos que seguem a mesma linha de lutas, dentro e fora de Belém.

— Levo para os locais todo o maquinário, meu projetor, os filmes, os cabos, minha câmera de filmar e de fotografar e vou registrando tudo e colocando para circular na internet. E vamos abrindo essas fontes em um abraço com comunidades em favor da nossa cultura. Recentemente realizamos sete oficinas de cinema e tivemos como resultado nove obras audiovisuais coletivas — comenta com alegria.

— Nossa proposta é trabalhar com a organização de coletivos, visando desaparecer a figura individualista do realizador, colocando na cabeça da moçada que qualquer cidadão pode ser artista, realizador de filmes. E não é porque nossa região é praticamente excluída de verbas do Ministério da Cultura que não produzimos arte. Temos uma grande e rica produção literária, cênica e fílmica aqui na nossa região amazônica — expõe.

Esse trabalho é considerado como vocacional por Francisco e seus companheiros, que o fazem com muita dedicação e coração.

— Sem nenhum tipo de apoio, por exemplo, o realizador Márcio Barradas já fez dois longas e cerca de cinco curtas. Também um professor de Marambaia fez uma pesquisa sobre a cabanagem, o que resultou em um filme falando da revolução cabana, com a participação de 65 alunos, sem um centavo de instituição alguma. Enquanto querem submeter a todos ao 'cinema pipoca' tem um grupo de pessoas realizando um trabalho sério e lutando bravamente para preservar nossos valores — conta.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: comitedea[email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin