Unidades de Polícia Pacificadora: Mentiras no rastro da militarização

A- A A+

Na terça-feira, dia 2 de março, cerca de dez pessoas incendiaram um microônibus no entorno da Cidade de Deus, zona oeste do Rio de Janeiro, que desde o início do ano passado encontra-se ocupada pela Unidade de Polícia Pacificadora, a UPP. O veículo, que se encontrava ocupado por dezenas de passageiros rapidamente foi tomado pelas chamas, ferindo 13 pessoas, sendo que seis delas ainda encontram-se internadas, três em estado grave. Rapidamente, o monopólio dos meios de comunicação se prontificou em divulgar um conjunto de informações contraditórias, veementemente desmentidas pelos moradores da Cidade de Deus.


Após o ataque ao micro-ônibus, o Bope invadiu a favela da Cidade de Deus impondo um regime de terror contra o povo pobre

Uma semana após o episódio, a redação de AND esteve na Cidade de Deus para saber dos moradores o que aconteceu, de fato, naquela noite de terça-feira. Muitos deles, por medo de represálias, não quiseram ser gravados ou identificados e outros preferiram não falar sobre o episódio, amplamente noticiado pelo monopólio dos meios de comunicação. Apenas um rapaz contou a nossa equipe de reportagem, sob a condição de não ter sua identidade divulgada, o que realmente ocorreu antes e depois do ataque ao ônibus, que deixou 13 pessoas feridas.

— Quando atearam fogo no ônibus, o pessoal da comunidade saiu de casa e ficou parado na esquina. Então os policiais começaram a dizer que todos os moradores são bandidos e que nós íamos ter que dar conta de quem tacou fogo no ônibus. Falam que foi tudo uma represália do tráfico pela prisão do Leandro, que é parente de traficante. Mas ele é parente de 5° ou 6° grau. Isso não quer dizer que ele é traficante. Forjaram que ele estava com papelotes de cocaína, mas não era nada dele. Ele confessou porque o forçaram a confessar. Usaram-no para dar ibope pra UPP. Ele fazia supletivo e jogava futebol todos os dias. Isso não apareceu na TV. Todo mundo sabe que quem ajudou a pegar os garotos que queimaram o ônibus foi o povo da comunidade. Muita coisa do que estão divulgando na televisão é mentira pra dar ibope para a UPP — conta o rapaz.

O BOPE ataca

Ainda segundo ele, após o episódio, policiais do Batalhão de Operações Especiais da PM foram ao local para incrementar o clima de medo, apreensão e revolta entre os moradores, com agressões e humilhações a todos que cruzassem o caminho da tropa de elite de Cabral.

— Depois que o BOPE chegou aqui foi pior. Já chegaram mandando todo mundo colocar a cara na parede, gritando e dando tapa em todos. Mesmo sabendo que aqui não tem mais tráfico, nem armas, nem drogas, eles fazem isso. Essa é a 'inteligência' da PM — protestou.

Nosso entrevistado também denunciou o regime de terror imposto pelos policiais da UPP, instalada na Cidade de Deus há quase um ano. Desde a instalação da unidade policial na favela da zona oeste e em outras da zona Sul, que AND traz, mês a mês, depoimentos de moradores desses bairros pobres, sobre a rotina de medo instalada pela PM após o início do processo fascista de militarização levado a cabo por Sérgio Cabral.

— Nós denunciamos as revistas que a PM impõe aqui e as pessoas acham que são simples revistas, mas não. Eles [PMs] chegam gritando para deitar no chão se não ‘vai para a vala'. Poucos são os que não apanham. Isso sem fazer nada, porque se você for pego na infração é capaz de morrer de tanto apanhar. Eles já andam com um porrete ou uma barra de ferro para fazer essas maldades. E não tem diferença entre os policiais. Falam que a UPP recebe treinamento especial. Mentira. Tanto os policiais da UPP, quanto os do 18° batalhão agem da mesma forma. Seu filho não pode ir jogar bola na rua, seu filho não pode ir a uma praça, então você fica preso dentro de casa com medo da PM. Nem com o tráfico era assim — denuncia o rapaz.

PM atira para matar

Mas não é só na Cidade de Deus que as polícias deste Estado semicolônial estão intensificando o processo de criminalização e extermínio. Apenas na segunda semana de março, 13 homens foram mortos em apenas quatro operações das tropas assassinas de Cabral e Beltrame.

No dia 8 de março, um homem foi morto pela PM, em invasão deflagrada na favela do Jacarezinho. Exatamente um mês antes, a polícia promoveu uma chacina na favela da zona norte, que deixou ao menos nove pessoas mortas.

Três dias depois, PMs do 15º BPM (Duque de Caxias) foram a Favela do Lixão, na Baixada Fluminense, com o pretexto de reprimir o tráfico de drogas. Na operação, três homens foram mortos, acusados de trocar tiros com a polícia, versão prontamente reproduzida pelo monopólio dos meios de comunicação.

No dia seguinte, foi a vez da favela Vila Joaniza, na Ilha do Governador, receber a desagradável visita de policiais do 17º BPM, que mataram três homens e, como manda o protocolo deste Estado em decomposição, registraram o caso na 37ª DP como "auto de resistência".

Em outra operação, no dia 11 de março, policiais mataram sete homens e feriram uma menina de 13 anos na favela da Rocinha. A invasão ao maior bairro pobre do Brasil aconteceu pela manhã, em um horário onde boa parte dos 200 mil habitantes saia para o trabalho ou para a escola. A ação contou com 200 policiais de quatro delegacias especializadas, além de três helicópteros e dois veículos blindados. O objetivo da polícia era prender o chefe do tráfico na favela, que conseguiu fugir. Mesmo assim, o secretário de segurança pública, José Mariano Beltrame, afirmou que a operação foi um sucesso, graças ao número de pessoas que foram mortas. O tiro que acertou a menina de 13 anos, não identificada, pelo visto fez parte do sucesso deste gerenciamento fascista que, há tempos, já revelou — pela maneira sádica como trata o povo — seus objetivos obscuros, levados a cabo por uma das polícias mais violentas e corruptas do planeta.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja