'Choque de ordem' põe dezenas de trabalhadores no olho da rua

A- A A+

No mês de março, os tratores do 'choque de ordem' atacaram nas favelas do Rio, deixando dezenas de famílias sem ter para onde ir. Em duas operações, nos morros da Cotia e da Babilônia, 13 construções foram reduzidas a pó. Elas eram habitadas por um total de 93 pessoas, sendo 42 crianças e 14 idosos, que nem sequer foram avisados com antecedência e tiveram que ir para os obscuros abrigos da prefeitura. E não pára por aí. No final de fevereiro, em Madureira, os cães de guarda do 'choque de ordem' deflagraram o maior assalto aos camelôs desde o início do gerenciamento fascista de Eduardo Paes. Somente nesta ocasião, sete toneladas de mercadorias foram roubadas dos trabalhadores.


Cães de guarda da prefeitura assistem ao ataque do Choque de Ordem no morro da Cotia

No final do mês de fevereiro e início do mês de março, Eduardo Paes extravasou todo o seu ódio ao povo, intensificando as ações do 'choque de ordem'. Somente no morro da Babilônia, zona Sul da cidade, seis casas foram atropeladas pelos tratores da prefeitura, deixando dezenas de pessoas na rua da amargura. As famílias reclamam que não receberam sequer um aviso prévio e depositaram seu pouco dinheiro e suas maiores esperanças na nova moradia, reduzida a entulho por mais de 100 guardas municipais sob o comando do secretário de 'ordem' pública, Rodrigo Bethlem, braço direito de Eduardo Paes.

— Não tenho outro lugar para ir com o meu marido. Não quero ir para um abrigo. Também não é justo pagar aluguel, sendo que eu moro nessa casa há 12 anos — protestou ao jornal O Globo a dona de casa Fabiana Monteiro, que já morava no local com o marido e os quatro filhos.

A operação foi realizada no dia 10 de março pela manhã e recebeu total apoio da Unidade de Polícia Pacificadora, imposta aos moradores da favela em junho do ano passado pelo gerente estadual Sérgio Cabral.

Na operação que destruiu as casas de vários trabalhadores, Bethlem admitiu que "depois da inauguração da UPP nos morros do Chapéu Mangueira e Babilônia, o acesso da prefeitura para as ações da Seop nessas comunidades ficou mais fácil". Graças a essa facilidade, o canastrão prometeu demolir outras 10 casas no morro da Babilônia nos próximos meses.

Tanta casa aí prestes a ser derrubada e ninguém faz nada. Gastei mais de 30 mil reais na minha. Íamos nos mudar daqui a três meses. Uma tragédia dessas sem nenhum aviso ou explicação — lamentou a balconista Betânia Ximenes.

"Vamos morar aonde?"

Uma semana antes, no morro da Cotia, às margens da estrada Grajaú-Jacarepaguá, outras sete moradias e um quiosque comercial foram perversamente atacados pelo 'choque de ordem'. A reportagem de AND esteve no local e conversou com um dos trabalhadores que perderam suas casas. Segundo o operário da construção civil Leandro Maciel, de 30 anos, os guardas e agentes, coordenados de perto por Rodrigo Bethlem, chegaram pela manhã intimidando os trabalhadores e retirando todos de dentro de casa.

O choque de ordem chegou aqui 10h da manhã. Não avisaram ninguém antes e querem que a gente tire tudo de dentro de casa hoje. E as famílias que moram aqui, vão morar aonde? No total, além dos adultos e idosos, temos 27 crianças, mas não tem negociação. Disseram que vai todo mundo para abrigos e que vão levar as nossas coisas lá pra Ilha do Governador. Não deram nenhuma notificação, não avisaram nada antes. Tem gente que já mora aqui há mais de 20 anos. Eu moro aqui há 5 anos. Se avisassem, pelo menos a gente corria atrás de algum lugar decente para morar antes de ter que sair daqui. Eles já chegaram aqui intimidando a gente com o GAT (Grupo de Apoio Tático da PM) dizendo para todo mundo ficar quieto e não resistir. Ninguém está aqui para ser humilhado, somos todos trabalhadores — diz o operário, cercado por guardas municipais, com os cassetetes em punho.

Quando a equipe de AND chegou ao local, sob forte chuva, dezenas de pessoas — incluindo mulheres, crianças e idosos — observavam com muita tristeza suas casas sendo devastadas pelos tratores da prefeitura.

— A minha sensação é de muita revolta. A gente luta para ter uma moradia, por mais que seja um barraco e agora é humilhado, perde tudo e tem que ir pra um abrigo. E como vamos resistir, com um monte de criança no meio e esses PMs e guardas municipais querendo um motivo pra descer pancada em todo mundo? Eles já chegaram com arma de choque para intimidar. E não nos deram nenhum comprovante de nada, ainda disseram que nós é que vamos ter correr atrás de algum amparo — denuncia Leandro, muito revoltado, enquanto mais de cem homens da prefeitura destruíam sua casa à marretadas.

— Eu não voto mais em ninguém. Inclusive já rasguei meu título de eleitor. Eu tenho problema no pulmão e fico um dia inteiro no posto de saúde esperando para fazer apenas uma nebulização. Você compra remédio, você paga imposto, você compra um feijão e está pagando imposto e onde está sendo investido esse dinheiro? Na vida do povo que não é. Para pagar camarote para a Madonna assistir o carnaval, o Eduardo Paes tem dinheiro, mas para dar uma moradia e um emprego digno para a gente, não tem dinheiro. Muito pelo contrário, o dinheiro que é investido só serve para nos atacar, fazendo covardias como essa que você está vendo aí — protesta o operário.

"Se insistir, apanha"

Leandro conta também, que já fora atacado pelo 'choque de ordem' em várias outras ocasiões, quando fazia 'bico' de camelô para complementar a renda de sua família.

Eu sou operário, mas quando não tem serviço eu vendo bebidas em torno do Maracanã para complementar a renda da minha família e já fui, por diversas vezes, reprimido pelo choque de ordem. Nessa operação têm guardas que já roubaram minha mercadoria em dia de jogo. Eu sempre me preocupo em vender no limite definido pela polícia, mas isso não os impede de nos atacar. Já chegam apontando armas e dizendo que se correr vão dar tiro na cara — conta Leandro, referindo-se ao apoio dado pela PM às ações criminosas do 'choque de ordem' no entorno do estádio Maracanã.

— Da última vez eu perdi mais de dez caixas de cerveja. Se é proibido cerveja, você poderia vender pelo menos uma água ou um refrigerante, mas não, nem isso eles deixam. E nós vamos fazer o quê? Eles têm armas e são ignorantes. Já me levaram carrinho, bicicleta, vários isopores, além da mercadoria e agora estão levando a minha casa. Na hora eles falam para ir ao portão 18 do Maracanã que vão nos dar o lacre e contar a mercadoria apreendida, mas quando você chega lá, já está tudo misturado e eles mandam você para casa. Se insistir apanha de cassetete. Isso tudo me revolta. Não tem emprego e mesmo assim a gente tenta sobreviver honestamente, mas nem assim temos paz. Você vai fazer o quê? Vai roubar? Se você roubar você está agindo errado e se você trabalhar também está agindo errado. Não temos mais o quê fazer — lastima o operário e camelô, desolado pela dura realidade imposta por este Estado parasitário, inimigo dos trabalhadores.

Sanha contra os camelôs

Assim como Leandro, milhares de camelôs são atacados todos os dias pela ferocidade da guarda municipal de Eduardo Paes. Somente na operação realizada no bairro de Madureira, no final de fevereiro, mais de sete toneladas de mercadorias foram roubadas de camelôs que trabalham na região. Dentre o material apreendido estavam DVDs, CDs, óculos, carregadores de celular, facas, ferramentas, aparelhos eletro-eletrônicos, mochilas, bolsas e peças de vestuário. Este foi o maior assalto da prefeitura contra os camelôs, desde o início do sádico gerenciamento de Paes e Bethlem, em 2009.

No dia seguinte, a equipe de AND esteve no local e conversou com alguns dos comerciantes que foram roubados. Nossa reportagem registrou o evidente sentimento de revolta entre os trabalhadores, que perderam tudo que tinham, enquanto alguns foram agredidos e humilhados pela guarda municipal.

Não tem nenhum aviso. Eles já chegam de armadura, revólver de choque e spray de pimenta, levando tudo, sem se preocupar em falar por que. Eu fui à delegacia e registrei ocorrência, porque sou idoso e apanhei com o cassetete na perna só porque entrei na frente quando iam levar a minha mercadoria. Eu queria saber por que, mas nem isso eles podiam me dizer. É muita ignorância. Dizem que o camelô atrapalha a vida do pedestre. Pare aqui na minha frente uma hora e perceba quantas pessoas compram minha mercadoria, quantas dessas moças que passam aqui são minhas clientes. Trabalho aqui há 29 anos. Eu vivi na época da ditadura militar e vi meu irmão apanhando dentro de casa só porque era líder comunitário lá da Serrinha, onde eu moro. Para mim, hoje está pior, porque nem precisa protestar pra apanhar. Sem contar que, ficar sem trabalhar, sem ter como levar dinheiro para casa, vendo seu neto com fome e não poder fazer nada é mais que uma tortura — lamenta o comerciante Charles Balbino de Souza, de 62 anos.

Ano passado, já perdi tudo quando o choque de ordem veio aqui e levou mais de 200 barracas da gente [Ver AND 59 Choque de Ordem — Mais roubos e demolições]. Agora que eu estava conseguindo me recuperar, depois de passar o final de ano sem nada, acontece a mesma coisa, sendo que dessa vez foi pior, porque levaram também o que a gente tinha no depósito da Praça Magna, aqui do lado. Vão me dar um emprego? Ou senão, vão dar de comer para os meus três filhos enquanto eu estiver desempregado? Enquanto eu me recuperava da primeira apreensão, meus filhos só comiam na escola e esse ano não tivemos condição de comprar material escolar pra eles estudarem. Não é possível um governo que acha isso certo. Isso tudo deprime a gente meu amigo, faz a gente ficar sem esperanças — protesta o camelô Alessandro Rodrigues Redondo, de 34 anos.

UPP e PAC também atacam favelas

E não é só o choque de ordem que anda expulsando trabalhadores de suas casas. No Cantagalo, ao invés de construir um prédio para abrigar a nova Unidade de Polícia Pacificadora — como aconteceu nas outras favelas militarizadas — Sérgio Cabral preferiu retirar 26 famílias de um prédio no alto do morro para transformá-lo em outra fortaleza policial e incrementar o regime de terror na favela. As famílias receberam propostas de indenizações irrisórias, ou senão uma habitação provisória em outra localização do morro do Cantagalo.

O apartamento que elas ocupariam fica no suspeito prédio construído pelo Programa de Aceleração do Crescimento, o PAC de Luiz Inácio. Segundo denúncias, alguns apartamentos estariam em nome de pessoas que nem ao menos moram no Cantagalo e estariam alugando as habitações por preços que variam entre 400 e 500 reais.

Em um dos casos o técnico-hidráulico Josué Thiago Caetano, que mora em uma cobertura na Ladeira Saint Roman, em Copacabana, tem um dos apartamentos em seu nome e, além disso, aluga-o por 500 reais a Thiago de Oliveira Vieira, que mora com a mãe, a diarista Marilene de Oliveira, e paga o valor com muita dificuldade.

Além disso, o número 207 do prédio B estaria ocupado por uma turista austríaca, chamada Anita. Outro beneficiado, José Airton Gomes da Silva, teria alugado seu apartamento e viajado para o Maranhão. Muitos moradores disseram que ele é um empresário de Copacabana que, suspeitamente, recebera o benefício.

Segundo as denúncias, ao menos 10% dos apartamentos construídos pelo PAC estão na mesma situação. Enquanto Luiz Inácio presenteia turistas austríacos, maranhenses e moradores de Copacabana, dezenas de famílias são expulsas de suas casas e despejadas em abrigos da prefeitura, que não possuem segurança ou mínimas condições sanitárias.

Nos prédios construídos pelo PAC em outras favelas, moradores reclamam das péssimas condições estruturais que, nos apartamentos de Manguinhos, por exemplo, causaram o alagamento de vários andares após as chuvas do dia 5 de março.

Meu apartamento no segundo andar alagou e fui para o de um amigo. Aqui, a água entrou pelo basculante da cozinha, que não fecha. Nos vizinhos, a água brotou por rachaduras nas paredes e pelos buracos das lâmpadas — afirmou o síndico do bloco 1, Thiago da Silva, de 25 anos, que mora há alguns meses nos prédios construídos pelo PAC de Manguinhos, orçado em 235 milhões.

Nos prédios do Cantagalo, moradores reclamam das contas de luz, que em apartamentos com apenas uma TV e uma geladeira, chegam a 200 reais. Outras habitações, segundo os moradores, apresentam infiltrações e perigosos vazamentos de gás, o que muitos, frente à inoperância dos gerenciamentos de turno, têm que resolver com a sua famigerada renda familiar.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja