Carioca mineira do samba

A- A A+
Pin It

Carioca criada em Minas Gerais, Aline Calixto, cantora e compositora, se destaca em meio à nova geração do samba. Professora de Geografia, Aline abandonou as salas de aula para cantar samba com artistas como Monarco e Martinho da Vila e agora viaja pelo país divulgando seu primeiro disco.

— Desde cedo tive uma convivência muito forte com a música, apesar de ser a única da família na profissão. Consta em meus boletins escolares que quando terminavam minhas atividades eu já subia nas mesas e começava a cantar. E era um problema porque desviava a atenção do resto da turma, que logo queria entrar na 'onda' também (risos). Mas naquela época eu não pensava que poderia dedicar minha vida à música — fala Aline.

—Minha primeira composição musical surgiu aos nove anos de idade. Mas eram 'aquelas coisas de criança' ainda, historinhas de passeios, e algo que marcou o momento. Porém, desde aquela época o samba tinha uma representação muito grande para mim, porque ouvia os clássicos com o meu pai— comenta.

Aline compôs seu primeiro samba em 2003, aos 22 anos de idade, com um parceiro amigo da faculdade.

— Na época eu estudava geografia em Viçosa, interior do estado, e com esse meu samba participei e venci um festival universitário. A partir daí não parei mais de compor. E paralelamente aos estudos desenvolvia umas rodas de samba no 'Bar do Leão', em Viçosa, na companhia de outros amigos da universidade — lembra com alegria.

— Fazíamos esse movimento todas as quintas-feiras, apresentando música inéditas e clássicos do samba. Todos os parceiros que chegavam por lá, já iam mostrando os seus trabalhos. Foi um espaço muito bacana e importantíssimo para mim, dentro da minha formação musical — acrescenta.

— Essas rodas acabaram tomando uma abrangência muito grande, porque na época não existiam esses movimentos de samba por lá, e acabamos criando uma verdadeira 'cena musical de samba' na cidade, e todas as quintas-feiras as pessoas iam até lá curtir. E a movimentação ia a noite toda — continua.

Em 2006 Aline percebeu que sua carreira de cantora estava ganhando corpo e exigia dedicação exclusiva. À época já trabalhava como professora de geografia, o que fez durante dois anos.

— Abandonei tudo e fui viver de música. Em 2007, de volta a Belo Horizonte, onde resido até hoje, participei de um projeto que considero um marco em minha carreira, que foi uma temporada com três grandes nomes do samba. O primeiro show foi com Nelson Sargento, o segundo com o Monarco, e o terceiro com o Luiz Carlos da Vila — relata.

A partir daí o público, de um modo geral, passou a prestar atenção no seu trabalho, que até então estava concentrado somente no interior.

— Não pararam mais os convites para shows e participações. Recebi propostas para projetos importantes de Belo Horizonte, como: 'stereoteca', 'música independente', 'cantoras daqui'. Em 2008 participei e fui vencedora do Concurso 'Novos bambas do velho samba', no Rio de Janeiro, em uma das casas mais tradicionais da Lapa, o Carioca da Gema — conta.

— Como prêmio fiz uma temporada de três meses na casa, o que acabou rendendo um contrato com uma gravadora que resolveu produzir o meu primeiro CD. Considero que um disco é um registro muito importante para o artista, e um dos principais materiais de divulgação do seu trabalho — acrescenta.

Sambista do velho e bom samba

Aline se declara uma sambista de coração, amante do samba tradicional, e diz que 'samba é samba em qualquer parte do país'.

— Digamos que maioria da minha produção de composição é samba. Não componho somente samba, mas ele é o carro chefe do meu trabalho, das minhas inspirações. Vejo-o como algo que não tem fronteiras, porque é samba em todos os estados brasileiros. Ele tem variações sim, de acordo com a vivência e com os valores culturais do povo de cada região, mas é, em sua essência, o nosso samba, a música do nosso povo brasileiro — explica Aline.

— O que acontece é que em determinadas regiões, ele se apropria de alguns elementos presentes na cultura local. Por exemplo, o samba do recôncavo baiano tem a presença forte da viola, que por ser um instrumento tradicional naquela região, acaba sendo utilizado ou o influenciando; já o samba mineiro tem a presença dos batuques, das percussões, e assim por diante. Mas gosto de ficar rotulando: samba baiano, samba carioca, samba paulista, samba mineiro, etc. — acrescenta.

Atualmente Aline está trabalhando 'duro' na divulgação do seu disco através da internet e de shows pelas capitais e interiores.

— Consegui o patrocínio para doze shows pelo Brasil, e vamos seguindo em frente, tralhando com muito afinco para chegar onde estamos almejando. No final de 2009 recebemos o prêmio de melhor CD do ano pela Associação Paulista de Críticos da Arte, e isso foi um incentivo muito grande para nós. Tenho uma banda que me acompanha desde o início da minha carreira, e sinto que vamos nos fortalecendo, crescendo juntos — fala.

— Este ano estou participando de projetos muito bacanas e igualmente importantes. Em um deles tenho a honra de dividir uma faixa com o Martinho da Vila no CD produzido por ele em homenagem ao Noel Rosa. Trabalhos assim mostram que o caminho pode ser difícil, mas o retorno nos impulsiona e mostra que estamos no caminho certo — conclui Aline, acrescentando que o CD de Martinho da Vila deverá ser lançado em breve.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja