UPP da Providência: "Essa é a realidade da UPP que não aparece na TV"

A- A A+
Pin It

Cada dia mais o monopólio dos meios de comunicação empenha-se para servir de assessoria de imprensa às UPPs, noticiando uma suposta paz nas favelas, ilustrada por fotos forjadas de policiais com crianças e séries de reportagens anunciando uma obscura ‘democracia' nesses bairros pobres.


Invadir e matar: secretário de segurança Beltrame discursa para soldados do Bope

A equipe de reportagem de AND foi ao morro da Providência — último a ser invadido pela unidade policial — para saber, de fato, qual é o tratamento dado pela polícia aos moradores da recém-militarizada favela do centro da cidade. O resultado foi uma extensa lista de denúncias da população contra a PM por invasões de propriedade, furtos, agressões e até mesmo escutas telefônicas não-autorizadas.

Logo que chegou ao morro da Providência no final de março, abrindo caminho para a instalação da sétima UPP, a primeira iniciativa do BOPE, a "tropa de elite" da PM assassina de Sérgio Cabral, foi convocar uma palestra com os moradores, para informar-lhes como seria a rotina no morro, nos 40 primeiros dias de ocupação militar. O auditório do Grupamento Especializado em Áreas Especiais (Gpae) ficou pequeno para as cerca de 50 pessoas que compareceram ao local, entre moradores e lideres comunitários. Obviamente, o evento foi organizado pela PM apenas para informar ao povo o que seria feito a partir de então, não para perguntar a eles o que achavam e muito menos o que queriam.

Dentre as diversas falas dos mais reacionários oficiais da PM de Cabral, o tenente-coronel do BOPE, Paulo Henrique de Moraes, disse aos moradores que nos 40 dias seguintes em que o BOPE permaneceria na favela, casas seriam invadidas e vasculhadas sem que fosse necessária qualquer autorização judicial, interrogatórios seriam feitos indiscriminadamente, assim como qualquer outra medida discricionária contra a população. Isto dito assim, claramente, pelas "autoridades policiais".

UPPs e O Globo

Na palestra também foram usadas pelos policiais matérias do jornal O Globo louvando as UPPs, algumas com fotos de policiais brincando de pipa com crianças, outras de projetos assistencialistas promovidos por ONGs aliadas de Cabral nas favelas até então ocupadas. O show de mentiras exibido aos moradores e ilustrado por essas inventivas reportagens mostra a compatibilidade estratégica e a estreiteza na relação entre as organizações Globo e a criminalização da pobreza empreendida pelos sucessivos gerenciamentos de turno no Rio de Janeiro.

Além disso, cartazes foram espalhados pelos policiais do BOPE por todo o Morro da Providência com os dizeres "Um novo tempo de paz começa agora"; ilustrado com uma montagem na qual uma pequena imagem representando o povo é quase imperceptível perto das grandes figuras de policiais do BOPE e do Cristo Redentor.

Mas de acordo com moradores, este "novo tempo de paz" está longe de chegar. De acordo com o povo que ocupa as estreitas vielas da Providência, depois da chegada do BOPE a comunidade vive tomada pelo terrorismo da mais sanguinária tropa de Cabral e Beltrame. Muitos preferem nem sair de casa. Outros já foram roubados ou agredidos. Mas o medo de sofrer represálias faz com que a maioria dos casos não seja denunciada.

O medo é lei

A equipe de reportagem de AND esteve na Providência e conversou com Mário dos Santos Bragança, garçom de 38 anos, que mora a pouco menos de dois anos na favela e diz já perceber o quão dura é a vida do povo por lá. Desde a chegada do BOPE, Mário diz ter sofrido todos os tipos de abusos, dando destaque à humilhação que fora sujeito no dia 30 de março, uma semana após a chegada da UPP e do BOPE ao local.

— Eu trabalho de 18h até as 4h da manhã. Aí, pra você ter idéia, eles [policiais do BOPE] chegaram à minha casa 10h da manhã, quase derrubando a porta da minha casa. Eu acordei assustado e fui abrir a porta, já escutando gritos "abre, abre, a polícia está vindo". Quando abri a porta eram os próprios policiais que estavam gritando. Já me puxaram para fora me acusando de acobertar o tráfico, dizendo que se eles fossem traficantes, eu teria aberto a porta. Porque eles não sabem o que os traficantes fazem, se baterem na sua porta e você não atender. Eu sou trabalhador, não tenho nada a ver com o tráfico. Sempre trabalhei. Já fui operário, gari, vendedor, hoje sou garçom — denuncia o trabalhador.

Em seguida, Mario complementa dizendo que, mesmo depois da humilhante abordagem que sofreu, policiais ainda reviraram a sua casa e roubaram o pouco dinheiro que ele tinha guardado.

— E eles ainda me questionaram se era hora de trabalhador dormir. Eles não podem nos tratar assim, como se todos lhes devessem alguma coisa. Só depois que revistaram a minha casa, me deixaram entrar. Pedi para acompanhar a revista e eles disseram que não. Perguntei se tinham um mandado e eles disseram que não também. Só porque é favela o Estado acha que pode fazer o que quer? Quando entrei em casa estava tudo de cabeça para baixo e ainda haviam sumido 70 reais que estavam em cima da mesa. Agora aqui é assim, entram na sua casa, sem mandado, te tratam como animal, fazem uma zona na sua casa e ainda roubam seu dinheiro. Essa é a realidade da UPP que não aparece na TV. Se isso é paz, eu realmente não sei mais o significado das palavras — questiona o trabalhador, bastante indignado.

O músico Sérgio Ferreira, de 34 anos, também do morro da Providência, complementou dizendo que vários outros moradores já tiveram objetos como jóias, celulares e até um computador furtados pelos policiais dentro de suas próprias casas.

Quando a equipe de reportagem de AND deixava a favela, uma senhora de 62 anos, queixava-se de um policial que, debruçado em uma escada, instalava escutas telefônicas nas linhas dos moradores e cortava a linha de outros como a senhora Maria Aparecida.

— Já liguei para a Telemar, mas não adianta. Todo dia esse sujeito coloca a escada na porta da minha casa, se debruça no poste, corta a minha linha e fica bisbilhotando a conversa de outros moradores. È muito abuso — reclama a aposentada.


Após rebeliões, Cabral treina a PM para usar novas armas


Ladeira dos Tabajaras: protestos após arbitrariedade de UPP

Depois que o povo da Ladeira dos Tabajaras se revoltou no final da noite do dia 23 de março com o espancamento público de três rapazes por policiais das UPPs, Sérgio Cabral decidiu treinar seus policiais para o uso de novas armas, ditas não-letais.

Na ocasião, moradores se rebelaram depois que três homens foram presos após serem surrados por policiais. Eles foram conduzidos à delegacia com várias escoriações, autuados por desacato e ameaçados pelos policiais civis para não registrarem ocorrência contra os PMs. Em seguida, moradores fecharam a rua Tonelero com barricadas feitas de lixeiras para protestar. A polícia militar rapidamente chegou dando tiros para o alto e prendendo outras 15 pessoas, que em seguida foram liberadas.

Dois dias depois, o operário Gilson da Silva Júnior, de 23 anos, um dos três homens abordados pela PM anteriormente, foi preso pela polícia civil acusado de comandar a rebelião popular. O episódio revoltou tanto os moradores, que no dia 3 de abril, o povo se reuniu em uma movimentada praça no alto da Ladeira dos Tabajaras e malhou um boneco representando Judas, com frases de repúdio à UPP coladas em seu rosto.

— Aqui na Ladeira ninguém está gostando da UPP. A nossa vida aqui está ficando mais cara, porque a PM está fazendo de tudo pra cobrar da gente que nem a "milícia". Minha cunhada mora em Belford Roxo, em uma favela de "milícia", e falou que é igualzinho aqui. Como é que pode? Nem o tráfico, que a gente também não apoia, extorque a gente que nem essa UPP. Ainda querem fazer igual fizeram com o Gilson, com todo mundo que entrar no caminho deles — disse a cozinheira e moradora da Ladeira dos Tabajaras, Maria Alice Albuquerque da Silveira, de 42 anos.

Desde 2008, quando foi inaugurada a primeira UPP no morro Santa Marta, inúmeras revoltas já foram registradas em todas as comunidades ocupadas, o que fez Cabral iniciar o treinamento de policiais das UPPs com novas armas de baixa letalidade como sprays de pimenta, revólveres Taser (arma que dispara uma descarga elétrica paralisando a vítima) e balas de borracha.

As armas servirão para incrementar os espancamentos e as torturas levadas a cabo pelos policiais nas favelas militarizadas, onde os crimes da polícia já são ocultados pelas lentes do monopólio dos meios de comunicação.

Os "serviços" da polícia nas favelas

Nas favelas ocupadas pelas UPPs os militares não são somente encarregados de atemorizar a população pobre, mas também de criar rondas escolares, resolver problemas de saneamento, monitorar projetos assistencialistas, filtrar eventos culturais e até mesmo agenciar a ligação de TV a cabo e a distribuição de gás. Moradores e lideranças dessas favelas não participam de nenhuma decisão e não existem fóruns onde os militares não centralizem as decisões.

A maior parte das favelas ocupadas fica na Zona Sul da cidade e em bairros como Copacabana, Ipanema e Leblon, onde se concentra o fluxo de turistas e os hotéis de luxo da cidade. No final de março, um dos subsecretários da Casa Civil do município, Ricardo Rottemberg, deixou escapar em uma reunião do Fórum Urbano Mundial uma lista com as próximas 14 comunidades que serão militarizadas. São elas o morro Cerro-Corá, em Laranjeiras, o morro São Carlos, no Estácio, o morro dos Prazeres, do Fogueteiro e do Fallet, em Santa Teresa; o morro dos Macacos e do Andaraí, em Vila Isabel; o morro do Salgueiro, da Formiga e do Borel, na Tijuca, o Complexo de São João e o morro da Matriz, no Engenho Novo, o Parque Alegria, no Caju e o morro da Mangueira, em São Cristóvão.

Além disso, ele revelou que o mapeamento foi feito exclusivamente com base na realização dos jogos olímpicos e da Copa do Mundo. O anúncio fez cair a máscara de Cabral e Beltrame, que insistiam em esbravejar que o mais fascista de seus projetos tinha o único objetivo de "levar a paz para as comunidade dominadas pelo tráfico".

Cabe lembrar que em todas as favelas visitadas pela equipe de reportagem de AND desde 2008, com exceção da Cidade de Deus, todos os entrevistados disseram que o tráfico continua funcionando normalmente, apenas sem armas e pagando propinas mensais para as UPPs. Em 5 de abril, mesmo com a presença de PMs da UPP, uma moradora da Ladeira dos Tabajaras, em Copacabana, foi expulsa da favela por traficantes. A mulher tinha um bar na Rua Euclides da Rocha, nº 426 e sua expulsão permanece sem explicação.

Segundo a moradora da Ladeira dos Tabajaras, Maria Alice Albuquerque da Silveira, de 42 anos, as UPPs também estão expulsando moradores da favela, pois o encarecimento da vida do povo está fazendo com que muitos vendam suas casas para morar em lugares mais baratos, na maioria das vezes, em outras favelas.

— Tem muita gente saindo daqui, por causa desse encarecimento. Já tem muito bacana reformando casa para morar no alto do morro. Porque, se você reparar, a vista daqui poucos lugares do Rio têm — contou a cozinheira.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja