Minas Gerais - Levante na educação contra arrocho

A- A A+
Pin It

O piso salarial (real) de um professor de nível médio de escolaridade (chamado P1) é de 336 reais. Jà o professor com formação superior (P3) tem como piso salarial 500 reais.


Trabalhadores da rede estadual de ensino de BH votam: greve da categoria

Rede municipal: o estopim para o levantamento geral

No dia 18 de março, os trabalhadores da rede municipal de ensino de Belo Horizonte deflagraram a greve reivindicando 22,41% de reajuste salarial e a melhoria das condições de trabalho.

Milhares de trabalhadores atenderam ao chamado da greve participando ativamente das mobilizações e protestos, mantendo com combatividade o movimento durante 27 dias. Por quase um mês, enfrentaram a intransigência da prefeitura municipal, que se recusou a atender a maior parte das reivindicações dos trabalhadores.

A greve foi marcada por massivas passeatas e assembleias. Durante as mobilizações, estudantes apoiaram o movimento e participaram da maior parte das atividades da greve. No dia 13 de abril a greve foi encerrada. A prefeitura acedeu em reajustar os salários em 4,11% — que será pago a partir do mês de maio — e em não descontar os dias parados durante a greve.

Rede privada de portas fechadas

No dia 4 de abril, os professores da rede privada de Belo Horizonte também paralisaram o as aulas reivindicando reajuste salarial. A greve afetou os níveis fundamental, médio e superior e contou com a adesão de cerca de mil e quinhentos professores.


Trabalhadores em educação bloqueiam rodovia em Minas

Os donos das instituições de ensino privadas propuseram o reajuste da inflação, porém com a perda do adicional por tempo de serviço, do adicional extraclasse, das férias coletivas em janeiro para professores do ensino superior e também a não garantia de emprego durante o ano letivo.

Os trabalhadores responderam a contraproposta patronal com uma combativa manifestação até a Superintendência Regional do Trabalho de Minas Gerais, no centro da capital, onde foi realizada uma reunião entre o sindicato e representantes das escolas. O movimento estendeu-se por três dias e foi encerrada com vitórias parciais dos trabalhadores: a manutenção da atual Convenção Coletiva de Trabalho e uma recomposição salarial de 4,36% (correspondente à inflação), a manutenção dos atuais direitos da categoria e o reajuste serão retroativos a 1º de fevereiro.

Greve por tempo indeterminado

No dia 8 de abril, mais de 5 mil servidores estaduais deflagraram a greve. As sucessivas assembleias e mobilizações demonstraram a firme determinação dos trabalhadores em levar a luta até a conquista de suas reivindicações.

O valor do piso salarial para os professores que vigora no país, desde 1º de janeiro 2010, é de 1.204 reais. A Secretaria Estadual de Educação, por sua vez, afirma que o menor salário dos professores em Minas Gerais é de 850 reais, para jornada de 24 horas semanais. Porém, não é isto que se percebe nas denúncias da categoria. Contracheques lidos pelos trabalhadores durante as manifestações revelam vencimentos irrisórios: uma professora magistrada recebe R$ 369,00; um professor com nível superior, R$ 481,00 e um auxiliar de educação, R$ 315,00.


Professores da rede particular apoiam a greve

Enquanto a gerência de turno Aécio, do PSDB, recusava-se mesmo em reconhecer o movimento grevista, a combatividade dos protestos aumentava e as mobilizações avolumaram-se, chegando a somar 10 mil trabalhadores em um só protesto.

Uma medida autoritária tomada pelo Tribunal de Justiça de Minas decretou a ilegalidade da greve e impôs o pagamento de uma multa milionária ao sindicato no caso da sua continuidade. Em resposta, mais de dois mil trabalhadores foram às ruas e paralisaram o trânsito no centro da capital mineira.

No dia 21 de abril, mais de 10 mil professores estaduais provenientes de todas as regiões de Minas Gerais, concentraram-se em São João Del Rei, interior do estado, em um grande protesto por salários dignos e melhores condições de trabalho. No dia 23 de abril os trabalhadores das escolas estaduais de Uberaba, no triângulo mineiro, promoveram um ato público por melhores salários e condições de trabalho.

Já no dia 28 os trabalhadores em educação bloquearam uma das principais estradas do estado, a rodovia Fernão Dias (SP-381), que liga as cidades de Belo Horizonte (MG) e São Paulo (SP). O protesto durou duas horas e fechou o trecho da estrada próximo ao trevo de Carmo da Cachoeira, no km 722,5.   No mesmo dia outros protestos fecharam a BR-50, no Triângulo Mineiro; a BR-381, no Vale do Aço e a BR-116, na Zona da Mata, ocorreram protestos no centro de Montes Claros, no norte de Minas e bloqueio da rodovia MG-10, em frente à sede do gerenciamento de Minas Gerais, na cidade de Vespasiano. No dia 30 de abril, cerca de 300 professores fizeram um protesto na BR-050, km 63. Os trabalhadores colocaram fogo em pneus e fizeram agitação com um carro de som explicando o motivo do protesto aos motoristas.

A greve da rede estadual já dura mais de 6 semanas e representa um novo momento na luta de classes dos trabalhadores na educação do estado.

A categoria ergue a cabeça
Rômulo Radicchi*

Há mais de uma década sem uma recomposição salarial digna, aos trabalhadores em educação de MG vem sofrendo com os baixos salários, a precarização crescente de sua condição de vida e trabalho. Tudo isso empurrou os trabalhadores para a luta.

A direção do Sind-Ute é cutista e serve como correia de transmissão do governo Luiz Inácio. Nos últimos anos ela traiu todas as bandeiras de luta dos trabalhadores em educação. Ao deflagrar a greve, os oportunistas só têm propósitos eleitoreiros e se a luta se radicaliza isso se deve exclusivamente à disposição dos trabalhadores da base.

A participação da categoria tem sido grande e maior ainda é a demonstração de firme disposição de luta dos trabalhadores, inclusive para ações mais radicais.

O Governo Aécio/Anastasia diz não negociar com categoria em greve e lança mão das atitudes mais reacionárias como ameaça do corte de pagamento, ameaça de demissões, etc.. A direção oportunista do Sind-UTE, por sua vez, já sinalizou sua determinação de acabar com a greve e só não o fez ainda porque não encontrou ambiente favorável no comando da greve, que conta com trabalhadores decididos em lutar.

É preciso aguardar e manter todos os sentidos apurados, prosseguir na luta e fortalecer a organização mais combativa, que se manifesta nos núcleos classistas e organizações regionais, onde a categoria ainda encontra lugar para tomar decisões e articular suas ações rompendo com a crosta oportunista da direção majoritária do Sind-UTE.

Em suma, a greve tem sido positiva do ponto de vista político, pois tem recuperado a autoestima da categoria, que tem levantado a cabeça e se apresentando firmemente na luta contra o arrocho, a exploração e a opressão.

*Rômulo Radicchi é Professor da rede estadual de ensino e membro do Moclate – Movimento Classista dos Trabalhadores em Educação.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja