Greve geral nas universidades estaduais

A- A A+

Os trabalhadores da USP iniciaram o movimento em 29 de abril e rapidamente a greve se estendeu por quase todas as unidades. Vários campi da Unesp aderiram à greve, seguidos pela Unicamp, onde trabalhadores decidiram pela greve por tempo indeterminado a partir do dia 13 de maio. Assim vem se desenvolvendo um movimento unificado com os estudantes em defesa dos direitos dos trabalhadores e de uma universidade pública, democrática e autônoma.

No dia 29 de abril, mais de 800 trabalhadores da Universidade de São Paulo — Usp aprovaram a deflagração da greve, iniciada no dia 5 de maio.

As principais reivindicações da greve são:

  • Isonomia salarial. O funcionários reivindicam 6% de reajuste correspondentes ao último reajuste concedido aos professores;
  • A soma de R$200 ,00 fixos mais 16 % de reajuste para todos os trabalhadores;
  • O fim das perseguições contra os trabalhadores da universidade e a reincorporação do funcionário demitido e dirigente sindical Claudionor Brandão*.

USP, Unesp e Unicamp paradas

No dia 13 de maio ocorreu uma expressiva assembleia dos trabalhadores na USP. Várias unidades da universidade se incorporaram à greve, com a participação de diversos setores. Até mesmo o transporte de ônibus foi interrompido em certas unidades. Em diversas ocasiões o movimento estudantil engrossou o protesto dos trabalhadores que ganhou volume e combatividade.


Trabalhadores das universidades estaduais paulistas em freve enfrentam repressão

No dia 17 de maio uma assembleia conjunta de funcionários e professores cumpriu importante papel para o fortalecimento da luta. Foi votada a continuidade da greve.

No dia seguinte houve nova negociação entre o Fórum das Seis — entidade que reúne representantes dos professores, funcionários e estudantes das universidades estaduais paulistas (USP, UNICAMP e UNESP) e o Conselho de Reitores dessas universidades —, marcada pela intransigência das reitorias que rejeitaram a proposta dos trabalhadores oferecendo 6% de reajuste e mantiveram a quebra da isonomia salarial.

A contraproposta foi rejeitada pelos trabalhadores. A greve continua e atos unificados e novas mobilizações têm sido convocados diariamente pelo Sindicato dos Trabalhadores da USP — Sintusp e outras organizações de trabalhadores e estudantes.

___________________
* Funcionário da USP e dirigente sindical, demitido da universidade por sua postura combativa e intensa atuação política na mobilização e organização dos trabalhadores da Universidade desde 2008

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja