As múltiplas tragédias dos monopólios

Desde o último dia 22 de abril jorra nas águas do Golfo do México uma quantidade indefinida de petróleo, naquele que pode ser o maior desastre ambiental causado pela corrida monopolista em toda a história da humanidade. A quantidade de óleo que flutua sobre o oceano é indefinida porque os números divulgados não tem compromisso com a realidade, mas sim com o esforço para minimizar a perda de valor de mercado da petrolífera British Petroleum (BP).

http://www.anovademocracia.com.br/67/17-a.jpg

À medida que vai-se escancarando a real magnitude do que está acontecendo no Golfo do México, com a "maré negra" invadindo o maior rio do USA, o Mississipi, e escurecendo as areias das praias da Flórida, os dados oficiais vão sendo revisados, mas sempre por baixo, e se vai provando que os monopólios, entretidos com a corrida desenfreada pela partilha da terra e do mar, estão cada vez mais incapacitados para limpar a sua própria sujeira. Ou não é exatamente isso o que fica evidente com a sucessão de esforços fracassados para tapar o buraco aberto no duto que extraía petróleo do fundo do mar?

Escancara-se também, uma vez mais, a real natureza dos "Estados de Direito" capitalistas, trombeteados aos quatro ventos como a consolidação definitiva dos direitos e do bem-estar dos cidadãos, mas que na prática não passam de emaranhados institucionais e jurídicos erigidos pela burguesia para garantir a plena operacionalidade dos seus monopólios, garantindo a liberdade quase incondicional de exploração, tanto de petróleo, como ora fica claro, como das pessoas. Ou não é exatamente isso o que se desnuda quando o Estado imperialista ianque diz que a multa máxima que pode aplicar à BP é de pífios US$ 75 milhões?

http://www.anovademocracia.com.br/67/17-b.jpg

Ou não é precisamente esta natureza, que ora se tenta escamotear, o que fica à mostra quando se observa a institucionalização dos lobbies junto à administração ianque, e mais ainda quando se toma conhecimento que a BP esteve diretamente envolvida em um recente, e bem-sucedido, esforço de interferência legislativa para afrouxar as regras da exploração petrolífera off-shore no USA?

Sintomas da agonia

E não adianta que Obama, bem à moda da missão para a qual foi escalado pelo alto poder econômico do USA – a de encenar um jogo duro com os monopólios e simular amizade com os povos oprimidos do mundo – cacareje que pretende "chutar o traseiro" dos responsáveis pelo vazamento de petróleo no Golfo do México, ou que apoia o aumento do teto para multas a petrolíferas para US$ 10 bilhões; todos já conhecem o roteiro das farsas desta estirpe.

É a lógica de sempre em casos deste tipo: os monopólios, embrenhados na rapina e na acumulação, ou seja, em seu esforço de sobrevivência em meio à crise geral do capitalismo, atuam de maneira predatória e irracional sobre o meio ambiente, os trabalhadores pagam o pato, e os Estados e as empresas acertam entre si uma conciliação vantajosa para os poderosos.

Veja os desdobramentos do maior vazamento de gás da história, que aconteceu em 1984 na Índia. No dia 2 de dezembro daquele ano, o gás escapou da fábrica de pesticidas da transnacional ianque Union Carbide – que mais adiante, talvez como prêmio, seria comprada pela gigante, também ianque, Dow Chemical – matando mais de 20 mil pessoas na cidade de Bhopal. Ainda hoje a área segue contaminada pelo gás. Mais de 25 anos depois, no último mês de maio, um tribunal de Bhopal finalmente fez "justiça": condenou oito pessoas a dois anos de prisão, pena da qual foram dispensados após pagarem, cada um, US$ 530. Caso encerrado, e revolta entre a população local.

Agora mesmo, enquanto milhares de barris de petróleo seguem vazando da plataforma Deepwater Horizon, no Golfo do México, e enquanto os acionistas da British Petroleum seguem recebendo seus dividendos, os trabalhadores enviados para limpar a sujeira da transnacional britânica estão reportando vários problemas de saúde, como náuseas e dores de cabeça. Dezenas foram hospitalizados. É a crônica das múltiplas tragédias dos monopólios, cujas trapalhadas cada vez mais dantescas, ofensivas e ferozes sobre as massas são sintomas do seu estado agonizante.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro