Como vivem os sem-teto em São Paulo?

A- A A+
Assim, gente cuidada, de vida fácil,
se algum dia (
vierem a visitar Londres e) virem essas
pessoas dormindo nos bancos, nos parques,
não pensem que se trata de vagabundos
que preferem o descanso ao trabalho.

Saibam que os poderosos os obrigam
a perambular toda a noite que durante o dia
eles não tem outro lugar onde dormir.

O povo do abismo – Jack London

http://www.anovademocracia.com.br/67/10-a-copan.jpg
Calçada do edifício Copan, Centro de São Paulo

A página na internet diariotiao.zip.net mostra imagens de dois agentes da Guarda Civil Metropolitana – GCM de São Paulo acordando um morador de rua na manhã do último 21 de abril.   "Era feriado, e por isso não havia muita gente na região do Pátio do Colégio e da Praça Antônio Prado. Essa imagem revela a crueldade de um procedimento que vem sendo chamado de 'toque de despertar'. Ou seja: morador de rua no Centro de São Paulo não pode se deitar e dormir – sobretudo à noite. Se quiser ficar aqui, tem de ser sentado", narra Tião Nicomedes, ex-morador de rua, escritor e editor que narra o dia a dia dos moradores de rua e defende sua causa.

A criminalização da pobreza e as políticas antipovo de "higienização social", isolamento e cerco às populações empobrecidas foi incrementada pela publicação de uma portaria em 1º de abril por Gilberto Kassab (DEM). Poderia, tomando em conta o dia da publicação da lei, tratar-se de uma mentira, para agradar aos olhos e ouvidos delicados da "gente cuidada, de vida fácil" que preferiria não tomar conhecimento da vida e dificuldades enfrentadas diuturnamente pelos moradores de rua, seja em São Paulo ou em qualquer outra parte do país.

http://www.anovademocracia.com.br/67/10-b-ipiranga.jpg
Calçada da Avenida Ipiranga, São Paulo

AND publicou na edição nº 65, de maio de 2010, artigo que denunciava essa portaria que retirou a responsabilidade pela abordagem dos moradores de rua dos agentes de proteção social, repassando-a à Guarda Civil Metropolitana, que a partir de então ficou encarregada de "contribuir para evitar a presença de pessoas em situação de risco nas vias e áreas públicas da cidade e locais impróprios para a permanência saudável das pessoas".

13.666 seres humanos nas ruas em SP

Recente pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas – FIPE em São Paulo, encomendada pela própria prefeitura, divulgada em junho deste ano, aponta os seguintes números:

Hoje, em São Paulo existem 13.666 moradores de rua, 7.482 somente na região central da cidade.

Este número supera em 4.960 o do último censo de 2000, o que representa um aumento 57% de seres humanos, homens e mulheres como o leitor, vivendo nesta situação desumana em 10 anos.

http://www.anovademocracia.com.br/67/10-c-republica.jpg
Banco anti-morador de rua na Praça da República, em São Paulo:
barras de ferro para impedir que se deitem e durmam

Ainda de acordo com esta pesquisa, os distritos que comportam maior quantidade de moradores de rua em São Paulo são: República (região central da capital) com 1.570 pessoas (24%), Sé (também na região central, juntamente com a República conforma o centro histórico de São Paulo) 1.195 (18%) e Santa Cecília (também na região central, é um importante centro comercial) com 1.025 (14%) da população que não tem onde morar.

Por se tratar de estatísticas oficiais, encomendados pela própria prefeitura de São Paulo, pode-se perfeitamente acreditar que os números são maiores e as condições de vida dessas pessoas, piores.

O povo do abismo

O livro O povo do abismo, do proeminente democrata e defensor inabalável dos direitos do povo, o escritor estadunidense Jack London, foi escrito em 1902. Em sua introdução, o próprio autor relata que a obra narra experiências vividas no verão daquele ano. Jack London vestiu-se como a gente empobrecida do bairro afastado de Est End, em Londres – Inglaterra, incorporando todos os elementos da vida dos moradores de rua. Viveu com eles, dormiu e comeu com eles, sofreu suas vicissitudes pois, segundo ele, "estava aberto a ser convencido pela evidência de meus olhos, ao invés de os ensinamentos de quem não tinha visto, ou pelas palavras dos que tinham visto e ido antes".

http://www.anovademocracia.com.br/67/10-d-arouche.jpg
Largo do Arouche, Centro de São Paulo

Neste impactante e realista livro ele narra:

"Nos bancos, em ambos os lados se acomodava uma massa humana miserável.

Soprava um vento frio e cortante, e aquelas criaturas se envolviam em seus farrapos, em sua maioria dormindo ou tentando dormir. Havia uma dúzia de mulheres, cujas idades iam dos vinte aos setenta anos. Junto a elas um bebê de uns nove meses dormia em um banco, sem travesseiro ou cobertor e sem que ninguém o vigiasse.

Meia dúzia de homens dormiam em pé ou apoiados uns nos outros. Uma família, o filho dormindo nos braços da mãe adormecida, e o marido ou companheiro desajeitadamente costurando um sapato roto.

Em outro banco, uma mulher cortava com uma faca tiras de seus farrapos e outra, com uma agulha e linha, cozia os remendos.

Ao lado, um homem sustentava em seus braços uma mulher adormecida.

O que mais me surpreendia era essa multidão de adormecidos. Por que nove entre cada dez estavam dormindo?

Só o pude saber mais tarde. Há uma lei que estabelece que os sem-teto não podem dormir à noite."

http://www.anovademocracia.com.br/67/10-e-natal.jpg
Ação policial durante o evento Natal Solidário motivou passeata de moradores de rua

AND também esteve com os moradores de rua de São Paulo em junho de 2010. Passaram-se 108 anos desde a vivência de Jack London em East End, também se trata de um outro país. Mas a amarga realidade enfrentada pelos moradores de rua é a mesma.

O povo do abismo

http://www.anovademocracia.com.br/67/10-f-policial.jpg
Policial acorda morador de rua com facho de
lanterna nos olhos em East End. "Se acaso se
sentar em um banco e fehcar os olhos, um policial
o despertaria com a ordem seca de 'circule'."
http://www.anovademocracia.com.br/67/10-g-vigilia.jpg
Após perambular durante toda a noite em vigília,
eles caíam exaustos a dormir nos parques.
"Estavam tão esgotados de andar toda a noite que
se deixavam cair nos bancos e dormiam no mesmo
instante. Outros tombavam na grama molhada
e dormiam o sonho da fadig, apesar da persistente chuva."
http://www.anovademocracia.com.br/67/10-h-fila.jpg
Moradores de rua passam joras nas filas dos albergues
para terem onde dormir à noite. "Os albergues já não dispõem
de espaço onde amontoar as multidões famintas que durante
o dia e à noite batem em duas portas pedindo alimento e pouso."

Eles denunciam a violência cometida contra eles pela Guarda Civil Metropolitana de São Paulo e a dura realidade do dia a dia.

- A GCM não nos deixa dormir. Quando deitamos em algum lugar, eles chegam nos agredindo dando chutes, pancadas de cassetetes, lançam spray de pimenta e apontam armas de fogo na nossa cara. Isso além de roubarem nossas coisas como roupa e documentos, as únicas coisas que temos  - denunciou um morador de rua.

Eles também denunciaram à reportagem de AND que, em várias ruas do centro da capital, principalmente onde se aglutinam os moradores de rua, a prefeitura contrata carros-pipa para molhar os locais onde as pessoas costumam dormir, que a GCM intimida constantemente as pessoas que se solidarizam e procuram oferecer alimentos ou algum cuidado para com os moradores de rua.  Não quiseram se identificar à reportagem. Agentes da guarda rondavam o local durante a reportagem observando tudo.

Um deles declarou:

- Não aguentamos mais esta situação, logo vamos nos rebelar e enfrentar esse guardas. Eles não nos dão paz! Se estamos sentados aqui na praça vem a "operação cata bagulho", o rapa (como eles tratam os guardas civis) vem e leva tudo o que é nosso. Se estamos nos protegendo da chuva debaixo de alguma marquise, chegam os guardas e nos expulsam dizendo para ir andando.

- Eu saí da cadeia. Puxei 5 anos (de detenção), quero me endireitar mas eles não dão nenhuma chance. Não consigo arrumar emprego, não sei o que vou fazer... se a gente não recebesse alimentação de alguns voluntários,morreríamos de fome porque a prefeitura não dá nada e ainda quer proibir quem dá... só vivendo pra saber! - relata outro.

De um morador de rua em East End, 1902

"Aqui estou eu, um velho. Os jovens ocuparam meu lugar, minhas roupas são cada vez mais gastas, e a cada dia me é mais difícil arranjar trabalho. Vou ao albergue buscar uma vaga. Tenho que estar ali às duas ou às três da tarde, caso contrário não me deixam entrar. Já sabes o que passei hoje. Como vou encontrar um emprego?

Suponhamos que me admitam no albergue. Me manterão fechado aqui todo o dia seguinte e não me liberam até a manhã do outro dia. E então, que fazer? A lei diz que depois desse não poderei ir a outro albergue que esteja a menos de dez milhas daqui. Tenho que me apressar para chegar em outro em tempo. Que oportunidades me sobram para encontrar um trabalho? Suponhamos que eu não vá ao albergue. Suponhamos que eu busque um trabalho. Se não conseguir, quando cair a noite não consigo onde dormir. Toda a noite sem dormir, nada que comer, como conseguirei no dia seguinte buscar emprego?"

Os moradores de rua em São Paulo, se os conhecermos, buscarmos ver bem de perto,   veremos que não são uma massa disforme. Eles terminam por se dividir em camadas. Gente que perambula pelas ruas, outros pedem esmolas, alguns desesperam-se e recorrem aos furtos. Mas vários, muitos mesmo vivem a procura de uma saída dessa vida de penúrias e trabalham. À noite, vários deles se agrupam para, coletivamente, cozinhar, se proteger de outros moradores de rua e principalmente da GCM e da polícia. Colocam sempre um cão vira-latas como fiel protetor e alarme contra quem os possa colocar em risco.

Num mundo sem exploração

Neste vale de lágrimas
o homem é lobo do homem
todos com uma aspiração:
uns queremos ser homens
outros preferem ser lobos


Homens precisam ser reduzidos a lixo para que esse sistema decrépito continue existindo. De onde saíram os moradores de rua senão das gerações anteriores de operários, camponeses, trabalhadores que foram usurpados, violentados, roubados de todas as formas pelos patrões, latifundiários, sugados até a última gota pelo imperialismo? Eles foram descartados até mesmo das esferas mais baixas da escala da produção.

Há os que lutam com todas as forças nas bordas do abismo para manterem-se trabalhando e vivendo com dignidade. Todos os anos tantos outros são empurrados ao abismo por esse sistema cruel e sanguinário.

Os 13.666 moradores de rua em São Paulo tem que se digladiar pelas insuficientes 8 mil vagas nos abrigos da cidade, locais nem um pouco atrativos, haja visto as violências e humilhações a que são submetidos os que os procuram.

Muitos perguntarão porque as ditas "autoridades" não lhes estendem a mão. Mas isso nem os moradores de rua devem esperar. Jack London também não esperava sensibilizar os parasitas e sanguessugas detentores do poder com sua obra. Ele, como AND, possuía a convicção na destruição da velha ordem e na construção de um novo sistema voltado para a satisfação das necessidades da humanidade e baseado na solidariedade entre os povos.
LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira