CONCLATs - Capítulos do sindicalismo de colaboração de classes

A- A A+
Pin It

Quase trinta anos após a primeira "Conferência Nacional da Classe Trabalhadora" (Conclat), realizada em 1981, o sindicalismo de colaboração de classes realiza novas Conclats, mas o ingrediente principal continua a ser a motivação eleitoreira.

A primeira Conclat, realizada nos dias 21 a 23 de agosto de 1981, na Praia Grande (SP), culminou um processo de retomada do movimento sindical nacional, sob o impulso da grande onda de greves de 1978-1979. Mas já naquele momento as correntes oportunistas hegemonizavam o movimento sindical e o objetivo de unificação das lutas da classe operária contra o regime militar, contra o corporativismo e criação de uma central unitária foi frustrado.

O principal embate que se deu na Conclat foi em torno da estratégia defendida pelas correntes abrigadas no Partido dos Trabalhadores (PT), criado um ano antes, e o caminho proposto por aquelas forças que se agrupavam em torno da oposição tradicional (MDB). No fundo, esses dois blocos que se chocaram estavam impregnados do mesmo oportunismo, concentravam a luta exclusivamente no campo institucional e divergiam fundamentalmente quanto ao aspecto de como chegar à gerência do Estado: se desenvolvendo o partido novo, o PT, ou continuando a se agrupar com as forças tradicionais do MDB. Já as posições que defendiam um projeto revolucionário estavam bastante dispersas e atomizadas.

A diferença das Conclats realizadas em junho último, pelas centrais governistas por um lado e partidos e agrupamentos trotskistas por outro, é que no início dos anos 80 as correntes oportunistas estavam totalmente fora dos aparatos legislativos e executivos do Estado, então gerenciado pelos militares.

Apesar da enorme energia, decisão e esperanças dos milhares de ativistas sindicais e trabalhadores que participaram da Conclat, em 1981, o rumo da luta estava errado e impregnado de eleitoralismo e traição. Dela, saíram dois campos que foram se conformar na CUT e na CGT. A criação da CUT, sob a fraseologia ultra-radical que foi se empalidecendo segundo os interesses do projeto eleitoral do PT até amarelar-se por completo, consumou a divisão orgânica do movimento sindical brasileiro. O campo do reformismo sem máscara seguiu atrelado aos partidos tradicionais. Posteriores reagrupamentos partidários eleitoreiros levaram a novas conformações no campo sindical.

Na época, eram grandes as dificuldades para os militantes detectarem a traição dado a infinidade de disfarces e embromações com que o oportunismo se travestia, mas nos dias atuais é só verificar a prática dessas correntes para constatar que caiu por completo todo o véu de combatividade e de "novo sindicalismo" da CUT, anos a fio propalado por seus defensores, hoje encastelados no velho Estado reacionário juntinho com os adversários da época, os denominados pelegos da CGT e Força Sindical. Esses pelegos que  não se vexam em elogiar o recente miserável reajuste de 7% para os aposentados, o salário mínimo de fome de R$ 510,00, etc., e mesmo com Luiz Inácio mantendo o famigerado fator previdenciário, atacando as greves e toda uma política antioperária eles, como parte integrante do gerenciamento de turno do velho Estado, seguem apoiando-o incondicionalmente.

Palcos do teatro da hipocrisia

O sindicalismo de colaboração de classes protagonizou dois eventos com a mesma pomposa denominação de Conclat. Um grupo utilizou o termo "Conferência Nacional da Classe Trabalhadora" para referir-se a uma assembleia realizada no Estádio do Pacaembu, na cidade de São Paulo, no dia 1º de junho. O outro denominou como "Congresso da Classe Trabalhadora" a atividade pró-fundação de uma "nova" central, realizada na cidade de Santos/SP, nos dias 5 e 6 de junho.

Inicialmente programado pelas seis centrais reconhecidas e financiadas oficialmente pelo governo, o evento do Pacaembu teve o desfalque da UGT, que por influência do PPS e do DEM, ficou ausente da festa. Também as divergências político-partidárias-eleitoreiras dentro das centrais sindicais impediram que a Conclat, realizada no Estádio do Pacaembu, na capital paulista, se transformasse em um ato explícito pró-Dilma Rousseff, a pré-candidata do governo Lula à Presidência da República e contasse com o comparecimento da candidata e do pelego-mor Luiz Inácio.

Mesmo assim, nesse evento custeado pelo imposto sindical descontado do salário dos trabalhadores, a Força Sindical, CUT, CGTB, CTB e Nova Central pregaram a continuidade do gerenciamento oportunista de Luiz Inácio. Em seus discursos, a cúpula sindical governista alertou para um "retrocesso", em clara referência ao pré-candidato tucano à Presidência, José Serra. O evento custou mais de R$ 800 mil e reuniu 15 mil pessoas, das 30 mil previstas, a grande maioria dirigentes sindicais que viajaram de avião ou ônibus fretados, com remuneração de diárias, hotéis e outras mordomias.

Em Santos, nas luxuosas instalações do Mendes Convention Center, outro palanque eleitoreiro também foi montado. Neste, o disfarce não era a aprovação de uma "Agenda da Classe Trabalhadora", que seria entregue aos presidenciáveis, mas sim a criação de mais uma "novíssima" central para ancorar os projetos eleitoreiros do PSTU e PSOL. Mas o dito congresso também acabou em fiasco, pois o fundo das divergências eleitoreiras levou parte das delegações a abandonarem o evento, não se consumando a unificação dos centristas conformados por essas correntes trotskistas.

Tanto o evento do Pacaembu quanto o de Santos primaram pela completa ausência de qualquer discussão ou propostas que pudessem contribuir com a luta dos trabalhadores por seus direitos imediatos. Quanto aos interesses maiores dos trabalhadores de destruição de toda exploração e do Estado opressor e pela conquista do poder, nada foi além do velho e surrado discurso da mendicância reformista. O que se viu à vontade foi a encenação de mais um capítulo da desgastada farsa eleitoral, e a vontade louca dos dirigentes sindicais oportunistas de continuarem a galgar cargos nesse putrefato e serviçal Estado burguês-latifundiário.

_____________________
* Gerson Lima é dirigente da Liga Operária, de Belo Horizonte

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja