Farsa eleitoral turbina oligarquias

A- A A+

Passado o lançamento das candidaturas do partido único com seu núcleo comum programático, outras atividades se apresentam para levar em frente a farsa eleitoral. Em primeiro lugar, é administrar do ponto de vista do marketing, as residuais diferenças entre os postulantes e ganhar o maior tempo possível no rádio e na TV para repetir até a exaustão suas falsas promessas. Mas, além disso, conta muito a chamada montagem dos palanques estaduais.

http://www.anovademocracia.com.br/67/03.jpg

O termo palanque, na verdade, é usado de forma figurada, já que o mais apropriado seria curral. Os currais eleitorais que muitos pensam ser algo do passado, lá da velha república dos coronéis, estão bem vivos e são elementos decisivos para a definição de qual das frações do partido único ocupará a cadeira de gerente de turno da semicolônia.

O crime organizado no poder

As oligarquias estaduais, este verdadeiro cancro cuja existência vem desde os tempos coloniais, encontrou na forma federativa do Estado brasileiro o melhor invólucro para seu apodrecido conteúdo, e na farsa eleitoral o melhor caminho para sua perpetuação.

A base da oligarquia é o monopólio da propriedade da terra, o latifúndio. Este, como parte das classes dominantes em nossa sociedade, estabelece uma verdadeira rede de interesses para se locupletar, a partir de sua inserção na máquina burocrática dos municípios, com recursos públicos transferidos para seus membros, diretamente – via pagamentos de altos salários e gratificações – ou indiretamente – através do esquema de corrupção via comissões obtidas de empreiteiras e fornecedores. Desta base despontam os cabeças que serão “eleitos” para as assembleias estaduais e para o Congresso Nacional, instâncias utilizadas como plataforma para a disputa da máquina burocrática estadual (executivo e judiciário) e de fatias da burocracia da União.   

Figuras como Sarney, o finado Antônio Carlos Magalhães, Collor de Melo e Jader Barbalho, só para termos uma pequena amostra de como funcionam as oligarquias, têm em comum o fato de se apoiarem no latifúndio e seu domínio municipal e, a partir daí, ocuparem a máquina do Estado. Aí chegando, montam uma estrutura de comunicação, que serve como suporte para sua consolidação como grupo dominante na sociedade, ao mesmo tempo em que a usa como instrumento de ataque aos demais grupos de poder que porventura ousem ameaçá-los.

Há 50 anos, Sarney não tinha nada; hoje ele é o todo poderoso dos meios de comunicação e tem uma fortuna incalculável. O patrimônio da família Sarney inclui, pelo menos, quatro emissoras de TV, o maior jornal impresso do estado do Maranhão, cerca de 20 emissoras de rádio, uma ilha e diversas propriedades. Jader, de origem bastante modesta, possui fazendas, emissoras de TV, de rádio, jornal e diversas propriedades. A família de ACM também tem jornal, emissoras de TV, rádio e diversas empresas. O mesmo acontecendo com a família Arnon de Mello, pai de Collor.

Pesquisadores e estudiosos já chegaram a cunhar a expressão “coronelismo eletrônico” para caracterizar a influência dos meios de comunicação na formação dos modernos currais eleitorais. Foram exatamente Sarney e Antônio Carlos Magalhães, o primeiro como presidente e o segundo como ministro das comunicações, que patrocinaram a maior farra de distribuição de emissoras de rádio e TV em troca de votos em favor dos interesses do latifúndio, da grande burguesia e do imperialismo na feitura da Constituição de 1988. Inocêncio de Oliveira e os Coelhos em Pernambuco; os Alves e Maias no Rio Grande do Norte; Albano Franco e João Alves em Sergipe; somam-se aos já citados acima na montagem de um domínio onde o econômico, o político e o “midiático” se entrelaçam na manutenção do status quo.

Com a chegada do oportunismo ao gerenciamento do Estado, alguns ingênuos acreditavam que havia chegado a hora do acerto de contas com as oligarquias. Ledo engano, o que se viu nos dois mandatos de Luiz Inácio e principalmente na sua sucessão foi o fortalecimento da carcomida estrutura de privilégios montada em cada unidade da federação. A obstinação de Luiz Inácio em garantir a continuidade do oportunismo no gerenciamento da máquina estatal chegou ao paroxismo quando ele resolveu escancarar a sua chamada base aliada a partir das oligarquias estaduais, atropelando, inclusive, a sua própria agremiação que em muitos locais se criou em cima de um discurso antioligarca.

PT vira sublegenda do PMDB

O caso mais patético aconteceu no Maranhão, justamente o reduto de José Sarney, que colocou como condição para a aliança do PMDB em torno de Dilma, o apoio do PT à candidatura de sua filha Roseana ao governo do estado.

Manoel da Conceição, figura histórica do movimento camponês, fundador do PT e vítima da oligarquia maranhense, por ser homem de boa fé, foi vítima da traição por mais de uma vez: primeiro, quando o Maranhão era dominado pelo oligarca Vitorino Freire e Sarney apresentou-se nas eleições de 1965 como o candidato ao governo estadual com a bandeira de liquidar com a oligarquia e apoiar a luta dos camponeses, Manoel da Conceição acreditou e o apoiou. Eleito Sarney, uma de suas primeiras vítimas foi exatamente Manoel da Conceição. Atacado pela polícia, perdeu uma perna ao receber um tiro de fuzil que a estraçalhou.

Agora, como fundador do PT, Manoel vinha assistindo ao abandono do discurso antioligarca, principalmente de seu chefe Luiz Inácio, acompanhado pelos conchavos mais indecorosos com a oligarquia, mas continuou filiado ao PT. Não imaginava, porém, que a coisa chegasse a tanto e, principalmente, em seu Maranhão onde o PT, em convenção, repudiou a candidatura de Roseana. Mas aconteceu. O diretório nacional petista resolveu modificar a decisão estadual e determinou o apoio a Roseana. Decepcionado Manoel ainda enviou uma carta a Luiz Inácio, tentando reverter a situação e entrou em greve de fome. Em seu dramático apelo Manoel da Conceição acusa a traição a qual considera a pior tortura que um homem pode sofrer:

“... ultimamente eu tenho vivido as maiores angústias que um homem com minha trajetória de vida é capaz de imaginar e suportar. Receber a imposição de uma tese defendida pela Direção Nacional do meu partido e, até onde me foi informado, pelo próprio companheiro presidente, de que o nosso projeto político e social passa agora pelo fortalecimento da hegemonia da oligarquia sarneysta no Maranhão.... tudo precisa ter algum limite e tal limite é a nossa dignidade. O que está sendo imposto a nós, petistas do Maranhão, extrapola todos os limites da tolerância e fere de morte a nossa honra e a nossa história. Eu pessoalmente, há mais de 50 anos venho travando uma luta contra os poderes oligárquicos e contra os exploradores da classe trabalhadora neste país. Por conta disso perdi dezenas de companheiros e companheiras que foram barbaramente trucidados por essas forças reacionárias. Como que agora meus próprios companheiros de partido querem me obrigar a fazer a defesa dessas figuras que me torturaram e mataram meus mais fiéis companheiros e companheiras? Vocês podem ter certeza que essa é a pior de todas as torturas que se pode impor a um homem. Uma tortura que parte dos próprios companheiros que ajudamos a fortalecer e projetar como nossos representantes no partido e na esfera de poder do Estado, na perspectiva de um projeto estratégico da classe trabalhadora. Estou falando do fundo de minha alma em honra à minha história e à de meus companheiros e companheiras que foram assassinados pelas forças oligárquicas e de extrema direita neste país.”

E, mostrando sua indômita vértebra de camponês e de lutador do povo, proclama sua decisão:

“...não aceitarei sob nenhuma hipótese a tese de que nestas alturas de minha vida eu tenha que negar minha identidade e desonrar a memória de meus companheiros e companheiras que foram caçados e exterminados pela oligarquia e os detentores do capital no Maranhão, no Brasil e mundo inteiro.” Porém e infelizmente, demonstra não perder ilusões e saber tirar lições corretas de suas tão amargas experiências ao reafirmar-se entusiasta da candidatura de Dilma Roussef, patrocinada e bancada pelo mesmo esquema putrefato do qual a imposição do “fortalecimento da hegemonia da oligarquia sarneysta no Maranhão” são partes.

Só a revolução pode liquidar a oligarquia

Aqueles que, diante de fatos desta natureza, após as práticas de outros tantos até mais sórdidos que os presentes, têm alimentado alguma ilusão sobre a possibilidade de alguma transformação de fundo em nossa sociedade pela via eleitoral, precisam definitivamente abrir os olhos para ver o que está mais do que patente: que a combinação dos interesses do imperialismo com o latifúndio de velho e novo tipo e com a grande burguesia, na implementação de um capitalismo burocrático que – pela sua essência semicolonial e semifeudal – drena o resultado do trabalho de toda a nação para o exterior, cevando as oligarquias e deixando ao povo o abandono e a miséria.

Este sistema se reproduz através da farsa eleitoral ao colocar nos postos chave da burocracia estatal os elementos subservientes aos interesses do imperialismo e das classes dominantes lacaias. Não resta dúvida, portanto, que o discurso de levar adiante este engodo chamado de democracia representativa está totalmente falido.

Está, pois, mais do que na ordem do dia a necessidade da revolução democrática de novo tipo, ou seja, uma revolução que estabeleça uma nova democracia no país a partir de uma frente das classes exploradas e oprimidas por esta velha democracia bancada pelo imperialismo e defendida e vangloriada pelas classes mais reacionárias do país e pelos novos gerentes de turno do seu Estado, a “esquerda” canalha e oportunista.

Denunciar amplamente a farsa eleitoral e organizar uma campanha militante pelo boicote a estas eleições fajutas de partido único é a tarefa que está colocada para todos os brasileiros verdadeiramente democratas comprometidos com a liquidação do latifúndio e suas oligarquias, com a liquidação da exploração da grande burguesia e domínio do imperialismo.

Nesta direção devemos mobilizar, organizar e politizar a classe operária, os camponeses e as amplas massas exploradas mostrando, através de um vigoroso trabalho de agitação e propaganda, que está em curso o desenvolvimento de uma situação revolucionária no Brasil e nos países dominados. Devemos deixar claro que a crise em que o imperialismo se afunda só cobrará mais sacrifícios do povo, não deixando outra saída que não seja a revolução democrática, agrária, anti-imperialista ininterrupta ao socialismo.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait