Notas

A- A A+

Diego Novaes

http://www.anovademocracia.com.br/67/02-a.jpg

Os cabeças de chapa do partido único

No início e em meados de junho, os grupos de poder e facções do partido único realizaram congressos para sacramentarem os nomes dos seus cabeças de chapa na corrida da farsa eleitoral. Apresentam-se os candidatos a serviçais do imperialismo, do latifúndio e da grande burguesia burocrática. Afinal, é disso que se trata mais este sufrágio farsesco que se avizinha, sobre o qual tanto se fala e o qual o povo brasileiro deve boicotar quando chegar o dia da convocatória às urnas. Serra, Dilma, Marina... todos já estão desfilando empavoados, acotovelando-se na TV, nos palanques e nas reuniões de portas fechadas com as forças reacionárias em busca de sua preferência, cada qual com a fantasia que lhe cai melhor para desfilar no bloco da farsa eleitoral. Dilma foi a que mais apelou, tentando surfar nos índices de aprovação do eleitorado a Luiz Inácio corneteados pelos institutos de pesquisa com metodologias para lá de duvidosas, buscando mesmo se apresentar como a versão feminina do atual chefe da gerência petista: "Não é por acaso que depois desse grande homem o nosso Brasil possa ser governado por uma mulher. Uma mulher que vai continuar o Brasil de Lula, mas que fará um Brasil de Lula com alma e coração de mulher". Aos ouvidos do povo, "continuar o Brasil de Lula" não soa como promessa; soa como ameaça. Ameaça de mais políticas antipovo, que na verdade é o que vem por aí seja lá qual for a falange do partido único que chegar na frente.


Urnas eletrônicas: fraudes em meio à farsa

Bastaria um pouco de tempo para alguém com conhecimentos não muito avançados em informática para adulterar os resultados de uma votação em massa manipulando as urnas eletrônicas. A artimanha consistiria em instalar um dispositivo que passaria despercebido por qualquer fiscalização, varredura, checagem e precauções que tais. Esta foi a conclusão a que chegou um grupo de pesquisadores da Holanda, do USA e da Índia que conseguiram levar a cabo um estudo independente sobre as urnas eletrônicas usadas na Índia, semelhantes àquelas usadas na semicolônia Brasil, das quais os chefes políticos e técnicos menos comprometidos com a seriedade tanto se vangloriam. A gerência indiana, como a do Brasil, recusa-se a ceder esses aparelhos para a realização de estudos independentes, de modo que os pesquisadores tiveram que conseguir uma urna de maneira clandestina para que a pesquisa pudesse ser levada a cabo. O trabalho contou com técnicos renomados, como o  professor da Universidade de Michigan Alex Halderman, e o militante holandês Rop Gonggrijp, cujo trabalho resultou no banimento das urnas eletrônicas na Holanda. Após o estudo, eles afirmaram que o sistema de armazenamento eletrônico direto do voto é altamente vulnerável a adulterações. É mais uma nuance dos processos eleitorais burgueses, que já constituem uma farsa em si mesmos.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira