Samba e choro à beira do mar

A- A A+

Em volta do monumento de Frederic Chopin, na Praia Vermelha, no Rio, sambistas e chorões se reúnem, três vezes por semana, para formar uma grande roda de autêntica música popular. Com repertório de primeira, incluindo grandes nomes e autores de obras-primas que não tiveram repercussão, o Movimento Artístico da Praia Vermelha tem por objetivo manter viva a cultura brasileira, em um ambiente interativo, de roteiro imprevisível que inclui muitas canjas.

http://www.anovademocracia.com.br/68/11-2-a.jpg
O público assiste sambistas e chorões na Praia Vermelha três vezes por semana

— Começou com um encontro informal de músicos moradores nos arredores da Praia Vermelha. Nos reuníamos toda as segundas-feiras, dia de folga do pessoal, para trocar ideias, passar uma harmonia nova e ensaiar na areia. Com o tempo isso tornou-se encontro constante e começou atrair pessoas, que foram se encostando por ali — conta o violonista, pesquisador de música brasileira e líder das rodas, Jaílton Mangabeira.

Por conta desse interesse, os músicos se organizaram para transformar o encontro em evento com dia e hora marcados.

— A coisa foi tomando corpo. Passamos da areia para o calçadão, colocando Chopin na roda (risos). As cadeiras ficaram propositalmente em volta do monumento, porque grandes nomes da nossa música, como Villa-Lobos e Ernesto Nazareth, foram influenciados por ele — explica.

Os encontros começaram a acontecer oficialmente com três músicos fixos, e em dois meses o número subiu para trinta.

— São profissionais que amam a música popular brasileira e se juntam para tocá-la, curti-la e preservá-la. O povo foi chegando ainda mais e hoje, 12 anos depois, recebemos cerca de 400 pessoas no verão, e uma média de 80 no inverno. As idades variam de 2 a 90 anos, numa grande mistura de gerações. E tanto o povo quanto os músicos vieram através do boca a boca, sem nenhuma divulgação na época — constata feliz.

— Tocamos um repertório de musica brasileira, talentos da nossa cultura, conhecidos ou não. Para isso, pesquisamos autores que não tiveram repercussão ou que já foram esquecidos, para darmos continuidade a sua obra. Porque entendemos que preservar a nossa cultura se dá através disso, desenterrando a obra para que continue viva. Além de tocar e cantar, também esclarecemos para o povo quem foi o tal autor, quando viveu, sua linha, e tudo mais — acrescenta.

http://www.anovademocracia.com.br/68/11-2-b.jpg

— Com o tempo, ganhamos mais dois dias. Assim: segunda-feira tocamos samba e choro; quarta-feira é dia de samba de raiz, que temos como base, e um pouco de música romântica, samba canção. Na sexta-feira fazemos uma mesclagem disso tudo, e incluímos o forró, o frevo e tudo mais que surgir — continua.

Aberto para canjas

O ambiente é bem interativo, e sempre tem canjas de artistas visitantes.

— O povo canta, dança, leva uns chocalhinhos (risos). Nas rodas têm: violões de 6 e 7 cordas, cavaquinho, tantã, tambor de mão, pandeiro, reco-reco, chocalho, afoxé, e os tais chocalhinhos de populares. Não é nada programado. Temos o grupo base, mas é imprevisível o que acontecerá a partir disso. De repente, por exemplo, aparece o Dicró, a Martinália, o Jorginho do Império ou o Noca da Portela, e tudo acontece — expõe alegremente.

— Pode aparecer também alguém de fora do Rio trazendo uma música diferente, e abrimos espaço para ele. Pessoas que estudam teatro também podem apresentar seus monólogos. A dança entra no meio, inclusive a Academia Jaime Arôxa vira e mexe aparece por lá. Chorões da Escola Portátil de Choro já deram suas canjas — fala, acrescentando que as rodas são frequentadas também pelos alunos da escola, assim como universitários da UFRJ e Uni-Rio, que ficam próximas ao local.

— Certa vez, chegamos até a formar um coral aqui na praia. Eram donas de casa e aposentados que nunca cantaram na vida. Fizemos um trabalho músico-terapêutico com essas pessoas e que teve uma função muito importante. Entre outros, alguns que tinham problema de insônia melhoraram — explica que o coral não continuou suas atividades por falta de recursos financeiros.

Pela resposta das pessoas e a intenção de levar a música brasileira mais longe, além de proporcionar novos espaços para o pessoal da roda tocar, o Movimento passou a se reunir também em outros lugares, para tocar ou fazer oficinas de música.

— Gostamos de interagir com escolas, universidades, clubes, escolas de sambas, comunidades e outros, e ver jovens ingressando e crescendo na música. Também fazemos parcerias com hotéis do Rio, levando nossos músicos para tocar lá. Neste caso, para garantir alguma remuneração para esses profissionais. Porque a música instrumental perdeu muito espaço nos últimos anos, embora tenhamos os melhores instrumentistas e o maior acervo musical do mundo — declara Jaílton, que é presidente do Movimento. 

— Temos tantos músicos bons aqui que conseguimos rapidamente formar um grupo de base para gravar com qualquer artista. É um celeiro de bambas, porém não incentivado e com poucas perspectivas de trabalho. Basta dizer que temos mais de trinta mil inscrições na Ordem dos Músicos aqui no Rio, enquanto que trabalhando, menos de cinco mil. O resto está fazendo outra coisa para sobreviver — finaliza.

Os músicos do Movimento Cultural da Praia Vermelha também fazem shows normais em teatros, como o Brasil de A a Z, onde apresentam, por ordem alfabética, clássicos de grandes autores de muitos gêneros da música brasileira.

Quem desejar participar das rodas como músico oficial ou dos projetos do Movimento, ou contratá-lo para apresentações, deve escrever para: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja