Salário de fome não atende as necessidades de 75% das famílias

http://www.anovademocracia.com.br/68/05-b.jpg

A gerência Luiz Inácio anunciou, recentemente, os resultados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), realizada nas áreas urbana e rural em todo o território brasileiro, no período de maio de 2008 a maio de 2009 pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Como sempre, e já vivenciado por décadas pela maioria das famílias dos trabalhadores, a pesquisa fideliza, mais uma vez, que o "din-din" não dá para pagar as despesas básicas até o final do mês, ou melhor, o final do mês do trabalhador chega alguns dias após o recebimento do holerite de fome.

Enquanto a gerência FMI-PT mantém o salário mínimo em R$ 510, 00 por mês, a pesquisa do IBGE afirma que uma família brasileira (pai e mãe que trabalham mais dois filhos menores) tem um custo médio de R$ 2.626,31 por mês para atender suas necessidades básicas, ou seja, despesas de consumo com a alimentação, habitação, vestuário, transporte, higiene e cuidados pessoais, assistência à saúde, educação, recreação e cultura, serviços pessoais e despesas diversas.

Os dados do IBGE evidenciam que a grande maioria das famílias (75% delas  ou 2/3 da população brasileira) que ganha de um a dois salários mínimos de fome, está insatisfeita com essa situação de carestia e penúria, afirmando que  convivem com "algum grau de dificuldade" em seus domicílios. Os informes citam ainda que mais de um terço dos brasileiros, ou seja, 35,5% das pessoas declaram que não come o suficiente "normalmente", ou realiza "às vezes" uma única alimentação por dia.

Os "apadrinhados" ministros da Economia e Planejamento, os tecnocratas do "Fome Zero" e a famosa "bolsa família" do Sr. Luiz Inácio não se preocupou com, em seus 8 anos de governo, erradicar a pobreza e a penúria das famílias brasileiras. Enquanto isso, a imprensa vendida e as propagandas oficiais do governo afirmam que temos "um novo Brasil". Recheados de atores nutridos e de boa aparência encenando, como as novelinhas da TV, a hipocrisia e as mentiras do velho Estado fascista.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro