Após a Copa, a barbárie

17-c-.jpg (450×282)
Trabalhadores sulafricanos vão às ruas de Johanesburgo por melhores salários

A Copa do Mundo da África do Sul acabou, mas os problemas do povo sul-africano estão longe de chegar ao fim. Depois de gastar 43 bilhões de rands (ou 5 bilhões de dólares) com o evento, o gerenciamento Jacob Zuma agora nega-se a desembolsar meros 700 milhões de dólares para reajustar os salários de mais de um milhão de trabalhadores, em um país onde 40% da população vive com menos de 2 dólares por dia.

Revoltados com a negativa de Zuma e com a flagelante situação de miséria do povo no país, milhares de funcionários públicos cruzaram os braços. Nas áreas de saúde, educação e previdência, aproximadamente 1,3 milhão de sul-africanos entraram em greve e foram às ruas de Johanesburgo para protestar. Irredutível, Jacob Zuma reafirmou sua posição de não atender às reivindicações dos trabalhadores e colocou centenas de soldados da tropa de choque em alerta nas ruas da capital para reprimir qualquer tipo de manifestação.

Os grevistas não se intimidaram e foram às ruas no dia 19 de agosto em um combativo protesto que parou Johanesburgo. As tropas da repressão tentaram dispersar os manifestantes com bombas de gás lacrimogêneo, tiros de bala de borracha e canhões de água, o que não foi suficiente para conter a fúria de mais de 50 mil sul-africanos, a maioria deles vestida de vermelho. Em resposta, os manifestantes partiram para cima de um grupo de vinte policiais, que recuou sob uma chuva de pedras, paus e garrafas. Na ocasião, vários carros de polícia ficaram destruídos.

Os trabalhadores exigem 8,6% de aumento para todos os funcionários públicos e um subsídio de alojamento de 138 dólares mensais e dizem que só voltarão ao trabalho quando Jacob Zuma rever sua posição, caso contrário, a greve continuará por tempo indeterminado.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro