72 pessoas assassinadas no México durante travessia para o USA

Havia brasileiros no grupo, além de  equatorianos, salvadorenhos e hondurenhos

20-mexico.jpg (550×223)
Os corpos das vítimas foram encontrados amarrados e amordaçados

Os noticiários internacionais noticiaram a descoberta de 72 corpos ocultos num cômodo de uma fazenda na cidade de San Fernando, próxima à fronteira do país com o USA.

O consulado brasileiro anunciou que entre os mortos, todos imigrantes provenientes do Equador, El Salvador e Honduras também havia um número indeterminado de brasileiros.

O grupo era composto por 73 pessoas e o único sobrevivente da chacina, um jovem equatoriano, sobreviveu por simular estar morto após receber um tiro no pescoço. Através das denúncias do jovem sobrevivente a polícia mexicana chegou até a fazenda e descobriu os corpos.

As investigações preliminares apontam que os imigrantes tentavam ingressar no USA  quando foram sequestrados por um grupo de bandoleiros que atua como uma organização paramilitar denominada "Zetas". Este grupo atua na região fronteiriça e, de acordo com informações coletadas pela própria polícia mexicana, é composto por desertores do Exército mexicano, ex-integrantes de uma unidade de elite treinada pela CIA, a agência de inteligência ianque, e ex-soldados da Guatemala. Os Zetas teriam inicialmente o papel de combater o narcotráfico na região da fronteira com o Texas, mas converteu-se em uma organização criminosa responsável por inúmeros sequestros e mortes, principalmente contra imigrantes.

O equatoriano que sobreviveu à chacina declarou que os 72 imigrantes foram assassinatos pois se recusaram a aceitar uma proposta dos Zetas para que prestassem serviços como matadores de aluguel.

Esta chacina de imigrantes soma-se a inúmeras outras ocorridas na região fronteiriça México/USA. Apenas no último semestre do ano passado, estima-se que outros 10 mil imigrantes, a maioria proveniente da América Central, foram sequestrados.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro