Declaração de amor a São Paulo

A- A A+
Pin It
São Paulo da rapaziada do Brás, de Alberto Marino e de Marino Jr.; São Paulo do grito do Ipiranga do menino Dom Pedro e do maestro Carlos Gomes; São Paulo do Largo São Francisco, do mosteiro de São Bento; das cobras e lagartos do Butantã, amadas e estudadas por Paulo Emílio Vanzolini, cientista mais importante que o povo todo daqui e dali conhece como o autor do clássico samba-canção Ronda, de 46, gravado em 53 por Inezita Barroso no seu primeiro disco de 78 rpm e em 78, o ano, plagiada por Caetano, o baiano... Coisas da vida, diria o próprio Paulo. 

São Paulo de Anhanguera, de Anchieta e Borba Gato. São Paulo do Belém, Patriarca e Bom Retiro; de Itaquera, Itaim e Imirim: de Ana Rosa, Saúde e Jabaquara; do Jaçanã, Jaguará, Jaguaré, Penha e Tatuapé; da Liberdade, Aclimação, Lajeado e Limão; do Carrão, Mandaqui e Consolação; de Moema, Sacomã e Mooca; do Morumbi em dia de guerra — e de festa —, dos gols no Pacaembu... de Parelheiros, Perdizes, Pinheiros, Pirituba e Ponte Rasa; do marco zero fincado lá na Sé, seu José... do Solar da Marquesa, do Masp e USP. São Paulo dos camelôs, dos profetas loucos, dos pedintes perdidos, das putas, rufiões e travestis; dos ratos, baratas e bestas quadradas; dos trambiqueiros e picaretas em geral; dos meninos e velhos abandonados; das crianças prostituídas, violentadas e atiradas à própria sorte, ao vazio, à escuridão das noites sem lua. São Paulo das trevas, das favelas e mocambos; das seitas e religiões diversas; dos bueiros entupidos e das enchentes sem solução; dos salvadores da pátria; dos tarados e assassinos. São Paulo do caos e das enchentes; do velho Tietê de futuro incerto, já quase parado em leito putrefato, penando sem vida, sem alma, sem graça, sem jaça, mas ainda assim Tietê... São Paulo memorial, rural e urbana; imemorial, de tempos idos, dos belos pregões, dos jornaleiros anunciando manchetes... São Paulo de ontem, de hoje, de sempre. São Paulo de toda gente, de todos nós, desafiadora; acesa, acordada.

São Paulo gigante, vibrante, trabalhadora, provocadora, pecadora, encantadora... São Paulo cartão postal de trouxas e boçais; dos lampiões a gás, dos casarões impolutos de antiga gente austera e dos espigões que cutucam o céu poluído pela fumaça das chaminés. São Paulo da Augusta, dos cortiços e da mais Paulista das avenidas, seu símbolo; do monumento portentoso às Bandeiras; de Santo Amaro e São Miguel nordestinos; dos parques Trianon, Villa-Lobos e Ibirapuera cheios de moços e moçoilas que vão e que vem em dia de sol. São Paulo nublado, chuvoso, ardente, de anônimos joões, marias e manés que perambulam a esmo pelas ruas, pelas vielas e encruzilhadas em busca de pão e vida. São Paulo dos empregados, dos engraxates, patrões e desempregados em desespero. São Paulo de carros, de trens e aviões; do pomposo Martinelli, do eficiente metrô. São Paulo rica, da Fiesp, da Bovespa, da mais valia; do Municipal, dos velhos cinemas e do Memorial; das igrejas e hospitais, dos silêncios, das fábricas, dos apitos, Febem, rebeliões, choros e traições. São Paulo de doidos varridos, de tempos idos, doídos, confusos. São Paulo do mais musical dentre todos os grupos, o Demônios da Garoa; do samba, do samba-lenço e do batuque; de Geraldo Filme, Raul Duarte, João Pacífico, Germano Mathias, Lourenço Diaféria, Tonico, Tinoco, Tinhorão, Adoniran, Aloncin e do vira-lata Peteleco; da Vai-Vai, Rosas de Ouro, gafieiras e forrós... São Paulo de seu Nenê, de Thobias, de chineses, alemães, turcos e japoneses. São Paulo cruel, sem alma, seu Manel... Ah! São Paulo... São Paulo de 449 anos!

São Paulo de todos nós, feia e linda em seus 1.509 km2, mais da metade de urbanidade pura.

São Paulo estrangeira, de ingleses, gregos e americanos; de chilenos, chechenos e baianos; de armênios, mouros e muçulmanos; de portugueses e da italianada do Bixiga; de Campos Elíseos ainda com árvores; do Cambuci, da Luz, da Lapa, do Centro velho e do Centro novo; do Canindé da catadora de papé Carolina Maria de Jesus; do vento que sopra e põe cisco em olhos abertos. São Paulo de gente estradeira, de falar manso, macio e agitado taliquá nordestino em hora de espanto e nervosismo. São Paulo gourmet, do Artes, do Brahma, do Léo, do Ponto Chic e do Consulado Mineiro de Geraldo Magela e do solícito e bem humorado Marco Santa Cecília; do Parreirinha de boa memória e do tempo que não pode parar. São Paulo das pizzas e jabás, da cachaça de alambique e do indispensável caldinho verde e quente em noite de frio.

São Paulo de paz e de briga, das revoluções de 24, 32 e tantas outras. São Paulo de amor, ódio e esperança, de desigualdade com hora certa; de preto e de branco, de mestiço e mameluco; de doutores e analfabetos, engravatados, pelados, sem-teto, sem chão e sem nada. São Paulo corintiana e palmeirense, de pés rachados e mãos calosas... São Paulo de encrenqueiros, poetas e engenheiros; de Oliver Hossepian, Peter Alouche, Hernani Donato, Guilherme de Almeida, Mário e Oswald de Andrade, Ives Gandra e Paulo Bonfim; de Elyana Martins e das mineirihas Célia & Celma; de apologistas e cantadores repentistas; de Téo Azevedo, Andorinha, Sebastião Marinho, Zé Francisco, Oliveira de Panelas, Lourinaldo Vitorino, Valdir Teles e Geraldo Amâncio; de mestres Nóbrega e Waldeck de Garanhuns; de Klévisson Viana e dos deserdados aportados nesta mandona aldeia de Piratininga — oi, Xico Sá! São Paulo de Jarbas Mariz e do iraraense elétrico Tom Zé. São Paulo do Diabo, de Deus e de Zeus, seus ateus... de Luciana, Francisco, Rodrigo e Clarissa, sublimes herdeiros do meu desentoado cantar. São Paulo de Aneliese, Paulinho, Ritinha e Tadashi; de Alexandre Silva, José Gomes, Hélio Chagas, Marcos Henrique, Kauê e Néder Adib; de Paulinho Nogueira, Dominguinhos, Boldrin e Oswaldinho; de Mário Zan, Mário Albanese e Mariazinha Congiglio; de Maria da Paz, Rita Ribeiro, Renato Teixeira, Gereba e Arnaldo Xavier; de Anastácia, Carmélia Alves e do gogó de ouro Marinez (e sua gente)... São Paulo que é mundo — à parte —, que recebe o mundo, que faz o que quer — e um pouco mais. São Paulo homem, São Paulo mulher. São Paulo múltipla, de múltiplos sotaques; mágica na essência e definitivamente arrebatadora... São Paulo cidade querida, querida do meu coração, meu irmão...

São Paulo de todos nós

Vim de terras bem longínquas
Abrigar-me no teu calor;
Fugi da fome de solos áridos
Fugi de guerras de almas secas;
Vim da Sicília, vim do Japão,
Sou português, sou catalão,
Sou libanês, perdi meu chão,
Não tenho pátria, sou judeu errante,
Vim procurar paz, lar e pão.
Sou branco, sou negro, sou oriental,
Sou nordestino do sertão,
Deixei a casa onde eu nasci,
Ah! Que saudades do Cariri!
Vim descobrir minha esperança
Ao te pedir chão e trabalho;
Com muita lágrima e suor,
Fui perseguir teu futuro,
Edifiquei tua riqueza,
Tornei-te forte e poderosa,
A mais altiva da nação.
São Paulo, São Paulo de todos nós,
Ao te ver de braços abertos,
Te adotei no coração.

Poema de Peter Alouche,
musicado e gravado em CD pelo cantador
mineiro de Alto Belo Téo Azevedo.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja