Unificação da Coréia toma rumos que não interessam ao USA

A- A A+

Cléo Vieira-Vernier
com informações da Agência KCNA - Korean Central News Agency, da RPDC
  

Ano de 2002, a República Popular e Democrática da Coréia comemorava o septuagésimo aniversário de seu Exército Popular, invencível no confronto com os imperialismos japonês e ianque. A política exterior norte-coreana abria, nesse ano, nova fase na construção de uma nação poderosa, economicamente forte, ao priorizar a política militar de independência contra o imperialismo. Na defesa de sua soberania, a RPDC exprime, em 2003, a intenção de dar continuidade ao fortalecimento das forças armadas revolucionárias, de prestigiar o poder e o papel que desempenham no país. As questões militares serão agora entendidas como a mais importante das razões de estado. A decisão da Coréia do Norte é a de retomar seu programa atômico, abandonar o Tratado de Não Proliferação de Armas nucleares (TNP), o que fez em 10 de janeiro corrente, e terminar a moratória em testes de mísseis.

Para entender essa mudança, vale lembrar que o secretário da Defesa do USA, Rumsfeld, declarou abertamente que "Os Estados Unidos estão perfeitamente capacitados a empreender simultaneamente ações militares contra o Iraque e a Coréia do Norte. Venceremos ambos, se isso for necessário".

Seria leviano considerar como pouco importantes as ameaças, desferidas abertamente pelo USA, de um ataque nuclear, ao se invocar o direito de preempção contra o que Washington considera como o "eixo do mal", isto é: Irã-Iraque-Coréia do Norte. Por isso, as autoridades norte-coreanas estimam que a reiterada e recente afirmação de Bush, segundo a qual o USA não tem intenção de atacar a Coréia do Norte, é pura hipocrisia, difundida para enganar a opinião pública e ganhar tempo para recuperar-se da crise em que se viu metido, ao declarar guerra ao Iraque. Mais ainda, afirmam que o USA está, de fato, avançando passos na preparação de uma guerra de agressão contra o país, persistentemente, deixando de lado as propostas construtivas apresentadas para a conclusão de um tratado de não agressão. As autoridades norte-coreanas denunciam que o USA tem cometido freqüentes atos de espionagem em território nacional norte-coreano, que somam a 190 evidências, somente no mês de dezembro de 2002. Entre elas, estão os reconhecimentos aéreos estratégicos de alta altitude, feitos por U-2; os reconhecimentos aéreos eletrônicos a partir das bases ianques na área e os reconhecimentos táticos sobre objetivos militares coreanos na linha de frente e ao longo da linha de demarcação militar, em coincidência com os exercícios aéreos de guerra da 7ª Frota Aérea do USA, presente na Coréia do Sul, no período de 16 a 19 de dezembro.

Segundo fontes militares, o USA mobilizou mais de 1.800 aviões em exercícios aéreos de guerra contra a Coréia do Norte, em dezembro — mais que o número de aviões envolvidos em novembro — e têm cometido atos de pirataria contra navios da marinha mercante coreana, atacados em viagens em alto mar.

Essa política hostil, que dura um ano, alcançou seu ponto alto com o envio de um emissário de George Bush a Pyongyang, em outubro passado, e o anúncio, em novembro, de que o USA adotava a decisão de acabar com o envio de suprimentos de combustível e alimentos à Coréia do Norte, a despeito do que havia sido consignado no tratado assinado entre a Coréia do Norte e o USA (Agreed Framework – AF).

A administração ianque tem paralisado, com interferências indevidas, os entendimentos de reunificação entre as duas Coréias, que se desenvolviam, até então, de maneira satisfatória. Foi assim, quando o USA obstruiu trabalhos preparatórios que alcançavam sua fase final (novembro 2002) na zona desmilitarizada. Resultantes do acordo norte-sul, essas atividades têm por finalidade possibilitar a reconexão, via estradas de rodagem e de ferro, entre a Coréia do Norte e a Coréia do Sul. Mas o USA exige, agora, uma "permissão da Comissão Militar de Armistício", para que essas atividades tenham prosseguimento. Foi assim também quando o USA pressionou autoridades sul coreanas para que fracassasse o Primeiro Encontro para a Promoção de Cooperação Econômica inter-Coréia, que se abriu em Seul. Tropas ianques de agressão estão presentes na Coréia do Sul.

Para os dirigentes da República Popular e Democrática da Coréia não restam dúvidas: "A questão nuclear, que provoca tensão na península coreana, é produto da estratégia ianque de dominação do mundo, e tenta infligir o holocausto de uma guerra nuclear na nação coreana, reclamando um ataque nuclear preventivo, depois de ter apontado toda uma série de armas nucleares para dentro e em torno da Coréia do Sul". Na atualidade, continuam fontes oficiais, "todos os países membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU são possuidores de armas nucleares e Israel, como outros, as possui. Para prevenir autenticamente essa proliferação, é necessário que, antes de tudo, o USA elimine todas as suas armas nucleares", concluem.
{mospagebreak}

O imperialismo ianque e a Coréia

Em 1871, três fortalezas na Coréia foram destruídas por barcos ianques, em represália ao ataque coreano que, em suas águas territoriais, afugentara as guarnições ianques. Treze anos depois, o USA, ao mesmo tempo em que desfechava um violento golpe de estado, utilizou forças japonesas para invadir a Coréia. Acordos firmados entre o USA e Japão sobre partilha de territórios permitiram o reconhecimento da ocupação japonesa na Coréia em troca da ocupação ianque nas Filipinas.

Nos últimos dias da Segunda Guerra Mundial, o Exército Vermelho dirigido pelo marechalissimo Stálin expulsou os japoneses da Coréia e postou-se junto ao paralelo 38 da latitude Norte, impedindo o reagrupamento das forças japonesas em território coreano. Além disso, a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), que se comprometera — desde a Conferência de Teerã, 28 de novembro a 1o de dezembro de 1943 — em fazer com que as forças japonesas se rendessem em seu próprio território, tão logo terminassem as hostilidades na Europa.

A 9 de agosto de 1945, antecipando-se traiçoeiramente aos planos de ataque ao Japão sob incumbência da URSS, o USA havia lançado sua segunda bomba atômica contra os civis japoneses, dessa vez sobre Nagasaki. E quando as forças soviéticas passaram a dominar rapidamente o exército japonês — na Indochina, a República Popular do Vietnam é proclamada a 17 de agosto — as altas patentes fascistas do Japão permitem a entrada do navio ianque Missouri na baia de Tóquio,com quem preferem assinar a ata de capitulação.

O exército ianque, que havia ocupado a Coréia, ao sul do paralelo 38, invocando instalação temporária de suas tropas, coordenou a recomposição dos círculos latifundiários e capitalistas nativos, de maneira que ficassem associados ao capital financeiro do USA. Mas, o prestígio da forças de libertação da Coréia havia crescido enormemente em todo o país, desde a luta contra o Japão. O povo, chamado a declarar a independência da Coréia e a outorgar uma constituição democrática, respondeu positivamente. Os ianques não permitiram a vigência da Constituição na Coréia meridional por eles ocupada, levando ao poder o bando criminoso de Li Synman (Rhée Sygman), em 12 de agosto de 1948, e dividindo o país em duas partes.

No dia 9 de setembro de 1948, a Assembléia Popular Superior, eleita pelo povo, em ambos os lados da Coréia, proclama a sua República Popular, aprova a respectiva Constituição e elege o governo encabeçado por Kim Il-Sung.

Em junho de 1950, o sub-governo de Rhée recebe ordens do USA de atacar a República Popular Democrática, o lado norte da Coréia. Os planos ianques foram divulgados abertamente pelos próprios círculos governamentais, que acreditavam ser possível destruir a república popular e transformar toda Coréia e Formosa (um arquipélago pertencente à China, mas ocupado pelo USA e gerenciado por Chiang Kai-shek) numa imensa base militar. Assim, os magnatas ianques pensavam que invadiriam e dominariam a China em poucos meses. Diante de tais declarações, voluntários chineses se uniram aos coreanos.

Em junho de 1953, os ianques haviam perdido mais de 300 mil homens e arrastado 700 mil soldados "aliados" à morte. No mês seguinte, foram obrigados a assinar o armistício. A chantagem nuclear não surtira qualquer efeito; a Fortaleza Voadora constituída por centenas de jatos e poderosos canhões aéreos, fora inteiramente destroçada pelos pequeninos e valentes MIGS; as armas bioquímicas; a contra-propaganda; o terror que fizeram desabar sobre a população; as torturas intermináveis; as "experiências" científicas que cometeram contra os prisioneiros coreanos e chineses, ou quaisquer outros incapacitantes que utilizaram os ianques —nada pôde deter a mais retumbante derrota.

No sul, e sob o domínio ianque, Park Chung-Hee torna-se ditador. É assassinado em outubro de 1979 e substituído por Choi Kyu Hah. O USA "pôs em alerta" 38.000 soldados que mantinha na Coréia para reprimir manifestações populares contra o governo do sul, que duravam já duas semanas. Em dezembro do mesmo ano, os ianques fizeram manobras na península da Coréia, contando com a participação de oficiais sul-coreanos egressos de longos estágios de formação na CIA. Desde então, ficou comprovado que as forças sul-coreanas possuem um comando comum chefiado por um general ianque, diretamente sob as ordens do presidente do USA. As manifestações antiimperialistas não cessam.

Ano a ano, assim vem agindo o imperialismo e assim se comporta o povo coreano.

Onde estará o grande foco de resistência?

A ação dos revisionistas, que se agigantou na URSS após o falecimento de Stalin, foi a mais poderosa arma com que o imperialismo contou para dilatar seus dias na face da terra. O conluio e a pugna marcaram, desde então, as relações entre uma URSS que retornava ao capitalismo e o USA; entre o social-imperialismo e o imperialismo. Cai em mãos de uma sofisticada repressão a aparelhagem de Estado, em cada país socialista e em cada república democrática. Os mais notáveis dirigentes são abatidos em meio a terríveis ciladas, vítimas das mais requintadas formas de extermínio de seres humanos. Em seguida, é a vez dos quadros intermediários que, eliminados, são substituídos pelos contra-revolucionários, saídos dos criatórios dos Trostkys, dos Kruschoves, dos Titos.

Mas, houve resistência e as divergências afloraram. Sobretudo duas linhas se revelaram, duas trincheiras se enfrentaram e o impostor foi vencido. O socialismo sofreu incalculáveis perdas. Porém, mal os imperialistas se apoderaram de suas últimas fábricas, fazendas coletivas, escolas, exércitos, uma nova e poderosa onda revolucionária surgiu da aparente calmaria.

É quase impossível impedir a guerra. E a bem da verdade, o inimigo apenas quer trucidar um a um os países que escolhe como presa. Marca data para exterminar o Iraque, depois o Irã, em seguida a Coréia, mas também o Laos, embora os governantes desses países afirmem aceitar acordos e tratados que mantenham desarmado o povo, que renunciam exportar livremente produtos e importar o mais essencial para a sobrevivência da população, que estão dispostos a fazer concessões insuportáveis.

Fosse apenas isso...

Porque sendo hegemônico o USA, há que dar provas constantes, em todos os continentes, que seu rugido tem mais vigor, que seus golpes derrubam mais forte e impiedosamente. Mas também precisa atacar, porque tem uma fome insaciável. É certo que os povos não confiam tanto nos governantes que, outrora, serviram de bom grado ao USA. No entanto, será menor a resistência antiimperialista por essa razão? Os governantes são contra o povo? Este terá que fazer uma revolução para derrubá-los, se quiser enfrentar com eficiência os ataques que partem do exterior. No caso do povo tolerar os governantes, esses, buscando sobreviver à ofensiva imperialista, precisarão distribuir armas e assegurar o cumprimento de liberdades democráticas para os trabalhadores. Seja como for, ao final, o velho sistema terá que ser destruído para que os povos sobrevivam e construam um mundo digno. Se o tigre não percebe que está cercado é problema dele, porque até mesmo os predadores menores já o viram cambalear e sabem que não tardará o tempo em que ficarão ao dispor de suas mandíbulas ossos grossos e uma grande carcaça para quebrar, rasgar e devorar.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja