A agressão imperialista e a questão curda


Istambul -
O papel que desempenharão governo turco começa a ser revelado à medida em que avança o plano imperialista de colonizar o Iraque. O ponto crucial da ofensiva estratégica será a travessia do território ao norte do Iraque, ocupado pelo povo curdo.

Os curdos sempre tiveram um governo central próprio no Iraque, com moeda e patrulhas de fronteira e, o principal, não prestavam contas ao governo de Saddam. Utilizando a velha desculpa da "segurança", o governo turco tenta convencer o líder curdo Barzani a facilitar a invasão de sua fronteira ao início, ou mesmo antes do ataque. O papel da Turquia será o de quebrar a zona de exclusão militar, utilizando uma grande concentração de forças, caso não consigam convencer os curdos — plano estratégico já em andamento.

A grande burguesia turca tem dificuldades em implementar seu plano de apoio militar à guerra imperialista contra o Iraque, uma vez que o povo turco se opõe à guerra e ao próprio governo turco, com a agravante que uma parte do povo está em armas e dispõe de bases de apoio. Lembrando a longa duração da última guerra entre o exército turco e a guerrilha curda, e acreditando na promessa estadunidense de auxiliar a Turquia junto à comunidade internacional, num possível reencontro entre as forças turcas e curdas.

O Estado reacionário turco entende que um Estado Curdo independente é, há bastante tempo, razão formal para uma guerra contra o povo curdo. Nesse sentido, a Turquia vinha adotando uma política cuidadosa sobre a dominação curda no norte do Iraque — mesmo porque vivem ali os turcomanos, uma outra minoria, pró-Turquia, provavelmente útil em caso de ataques à região.

Porém, crescem as hostilidades entre turcos e curdos. Barzani declarou que o exército turco não deve se atrever a entrar no norte do Iraque, ao que, o ministro de Defesa Nacional turca, numa nota curta, respondeu: "O norte do Iraque está incrustado na defesa turca!", declaração seguida por outras de diversos membros do governo, dizendo refletir toda a política turca.

O perigoso "diálogo" entre Barzani e o governo turco focalizou também a rica região petrolífera que fazia parte do Império Otomano, até à Primeira Guerra Mundial, uma das motivações da propaganda turca de anexação, forma considerada salvadora para os problemas econômicos do país.

As próximas eleições turcas não deverão mudar a política governamental sobre o norte do Iraque, porque os envolvidos na disputa eleitoral revelam a mesma conotação de classe na questão da política exterior. Dependendo do desempenho da agressão imperialista, a Turquia continuará representando um trunfo nos planos ianques de formar um triângulo mortal com Israel contra os povos da região.

Contudo, a luta das massas turcas, a única força política que pode obstruir a inclusão da Turquia nos planos imperialistas, conta com uma grande vantagem, que é a simplificação política turca, representada por dois campos: o primeiro campo (pró-USA e pró-FMI) inclui todos os partidos que vêem a guerra como uma oportunidade de consolidação da política expansionista do governo turco. O segundo campo é formado pelo movimento organizado dos operários e camponeses turcos, que, revolucionário e antiimperialista, vê a Turquia socialista como o mais realista e correto projeto para o país. Ele propõe o cancelamento de todos os débitos e se opõe à agressão aos demais povos, à qualquer tentativa de alteração da fronteira e, também, à dominação do imperialismo, principalmente ianque.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin