Quem de fato usa armas de destruição em massa

A- A A+


Bagdá (INA, Iraq News Agency) — Um relatório de médicos do Ministério da Saúde, no Iraque, demonstrou tendências da epidemia de câncer no sul do país, no período de 1976 a 1999, e que a epidemiologia do câncer mudou em incidência, prevalência, distribuição geográfica e população de risco, no período pós-Guerra do Golfo. O estudo concluiu que, ao mesmo tempo em que a curva de risco da doença cresceu, uma forte correlação estatística foi encontrada entre a incidência do mal e a exposição à radiação do ambiente natural.

Basra, Miran e Dhigar (sul do Iraque) são localidades de maior risco comparativo a outras regiões do país menos expostas. Nessa região, há evidente relação entre o derramamento de urânio rádio ativo — usado pela coligação imperialista na invasão em 1991 — e a incidência de malignidade, após o estudo de médicos da Universidade de Basra, que indicaram o crescimento de 100%, para o período 1990-1999, nos casos de leucemia entre crianças menores de 15 anos. Outras doenças malignas tiveram, para o período, crescimento de 242%, tanto mais transformaram-se em tipos comuns de malignidade, e, em menor proporção, nefroblastomas, rabdomiosarcomas e meduloblastomas.

A incidência de câncer é bem conhecida e documentada em áreas adjacentes aos reatores nucleares em muitos países. Os níveis de radiação nessas áreas são maiores que o normal e têm sido a causa do aparecimento do elevado número de casos de câncer, especialmente leucemia. Na cidade de Basra, mais de 400 toneladas de urânio foram despejadas durante a Guerra do Golfo, o que causou elevados níveis de radiação na atmosfera, solo e água, além da exposição direta da população no período do conflito.

Hoje, cinco das dezessete famílias estudadas na região estão desenvolvendo câncer generalizado. As famílias restantes estão desenvolvendo diferentes tipos da doença: câncer da mama em onze pacientes (24,4%), linfomas em sete pacientes (15,5%) e leucemia aguda em cinco pacientes (10,6%), leucemia crônica em quatro pacientes (8,5%) e vinte pacientes estão com diferentes tipos de câncer. As altas doses de concentração de tório-234 encontradas em amostras do solo da região fazem prever um crescimento na ocorrência de casos de leucemia, cujo período de latência é curto. Casos sólidos de câncer aparecerão, segundo seu estado latente, na proporção de cinco casos para cada caso de leucemia.

Segundo testemunho do Dr. Al-Taha, do Colégio de Medicina da Universidade de Bagdá, a freqüência de crianças anormais (mutações, desordens cromossômicas, malformações) foi de 19,55% no período anterior à guerra. No pós-guerra, a incidência elevou-se a 29,83%. São anomalias afetando o esqueleto, especialmente o encurtamento de ossos, ou malformação de membros. Esses casos têm semelhança com os que ocorreram nos Estados Unidos entre os veteranos da Guerra do Golfo. Desordens metabólicas devido a deficiências de enzimas, também cresceram nas amostragens estudadas no pós-guerra. São crescentes ainda, casos de anomocefalias e hidrocefalias e malformações afetando os olhos. Catarata, anoftalmia, microofitalmia e ausência unilateral de globo ocular foram notadas em crianças de veteranos dessa guerra nos Estados Unidos.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja