Ao preço do Galpão...

É uma infinidade de monitores, teclados, impressoras, scanners, enfim, todo tipo de quinquilharia tecnológica empilhada ordenadamente em um galpão na Rua do Livramento. Ali, num espaço de 1200 m², Luiz Eduardo Villa e seu sócio, Altair Costa, comandam uma curiosa fábrica que, funcionando atualmente com 13 empregados, se especializou na reciclagem e revenda de computadores e afins. 

"A idéia surgiu há dez anos, quando eu, com alguns amigos, decidi repassar sobras de formulários contínuos de uma empresa multinacional." — conta Luiz. A partir daí, visitando depósitos de outras empresas, ele notou a existência de um vasto mercado potencial de remanejamento de tecnologia, do chamado "lixo tecnológico", e resolveu apostar nesse filão.

Luiz adquiria equipamentos obsoletos e, em seguida, fornecia-os a técnicos e empresas de manutenção. Com o tempo, a sociedade em geral — o que compreendia uma gama enorme de estudantes, professores, profissionais liberais, cursos de computação, etc. — passou a requisitá-lo cada vez mais, na esperança de comprar um computador que, apesar de recauchutado, poderia ser tão eficiente quanto um novo, embora tivesse um preço bem mais em conta.

"Se você é um expert na área de informática, é importante que tenha um computador de última geração, que possua mais recursos, mas se você é um mero usuário, vale muito mais a pena adquirir um dos nossos, visto que não adianta nada dirigir uma Ferrari em meio a um engarrafamento." — compara Luiz.

Passou, dessa forma, a desenvolver um criterioso processo de reciclagem de máquinas, o qual consistia, basicamente, em comprar esse material, definir o que podia ser refeito e, após um trabalho de revisão, relançá-lo no mercado.

A tecnologia está avançando mais rápido
do que a sua própria necessidade

Hoje, a All Business (mais conhecida como Galpão) vende cerca de 100 computadores por mês, a preços que variam de 200 a 1000 reais (financiados em até 12 vezes), concorrendo a valer com o comércio de máquinas novas. "Qualquer um compra aqui. Desde uma empregada doméstica até uma empresa. Por exemplo: agora um cliente está comprando uma máquina que já não é tão nova, no entanto, ele tem um curso de informática que é como uma auto-escola: coloca dez fusquinhas lá dentro e ensina o pessoal a dirigir, depois cada um compra seu carro novo. Não é preciso comprar uma máquina de 2 mil reais para ensinar Windows a ninguém" — explica o sucateiro.

Para Luiz, no entanto, o maior acerto do empreendimento está no fato dele ter democratizado, de certa forma, o acesso de pessoas de menor poder aquisitivo ao mundo da informática, concedendo-lhes mais uma ferramenta para competir no mercado de trabalho: "Se você vai fazer uma entrevista para ser balconista, vão te perguntar se tem, pelo menos, alguma noção de informática". Nesse sentido, ele define para seu negócio três tipos de consumidores: o que deseja adquirir um computador, mas que não tem dinheiro para comprar um, o pessoal da área técnica e determinadas espécies de empresas.

De acordo com o Censo 2000, mais de 10% da população brasileira possui um computador em casa, número bastante expressivo, se levarmos em conta que o percentual de domicílios que possuem ar-condicionado, por exemplo, é ainda menor. Diante disso, fica evidente que o micro está se tornando uma necessidade cada vez mais premente, e iniciativas como essa só contribuem para que mais gente se situe em meio a esse enovelado de chips. Contudo, Luiz Eduardo alerta: "Nós não compramos de particulares, só de empresas. Não queremos correr o risco de adquirir mercadoria roubada". Portanto, nem pense em se desfazer de seu cacareco por ali. E em face de tanta sucata, conclui: "A tecnologia está avançando mais rápido do que sua própria necessidade".

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin