Fome zero, oportunismo mil...

A- A A+

O programa do governo de Luís Inácio para combater a fome foi anunciado e, desde então, tem tido a mais ampla divulgação no Congresso e nos meios de comunicação em geral. Toda a população brasileira, e não só ela, tem tomado conhecimento disso. Polêmicas surgiram quanto à sua concepção e aplicação. Os grandes meios monopolísticos de divulgação — apelidados pelos convertidos de "mídia" e, que por sua própria natureza, são reacionários —, têm insistentemente divulgado e atuado na polêmica buscando reforçar a direção do programa de combate à fome, segundo os interesses das classes dominantes e das frações que representam.

 

A Igreja Católica, através de suas pastorais, se insurgiu contra o que considera formas de propiciar o clientelismo político e a corrupção. Alguns reclamam dos métodos, da vagareza e até mesmo das trapalhadas de ministros e altos funcionários em suas desencontradas declarações. O problema se acha naqueles que têm diferentes expectativas sobre o programa, que está em marcha e é o que é: a mesmice; o tráfico com a miséria do povo.

A fome no Brasil é o resultado do domínio continuado dos sistemas de espoliação e opressão secularmente vigentes no país. Antes, sob o jugo do velho colonialismo de Portugal, depois, com a independência em 1822, sob o semicolonialismo inglês que se desenvolve para o tipo novo capitalista-imperialista de dominação. Mais tarde, a partir da Segunda Guerra Mundial, a dominação semicolonial do país passa à hegemonia do imperialismo ianque. Tais sistemas de dominação do país sustentaram e mantiveram, até os dias atuais, sucessivos regimes de exploração, miséria e fome do nosso povo. Dizimaram a imensa maioria da população indígena, criaram e mantiveram por três séculos e meio, o mais odioso sistema de escravidão no país, engendraram e desenvolveram um capitalismo atrasado e burocrático, assentado sobre as bases podres do regime servil latifundiário, que tem condenado gerações de dezenas de milhões de camponeses sem terra à ruína e miséria completas. Dezenas de milhões de operários, sob o mais tacanho e aviltante arrocho salarial, ao crescente e massivo desemprego crônico, ampliando um contingente de milhões de párias, além de empurrar o país para a mais completa e abominável subjugação.

Portanto, este é um problema de fundo, estrutural, montado e sustentado a ferro e fogo por quase cinco séculos. Algo, muito além de estrepitosas campanhas, se faz necessário para erradicar a fome no país. E isto, por si só, basta para desmascarar toda demagogia do projeto de nome tão pomposo: Fome Zero. Como é possível a fome baixar a zero, hoje, neste país?

Os apologistas da fome chamam-na de "desnutrição crônica" e — embora milhões tenham suas vidas comprometidas por ela, embora muitos até se lancem na criminalidade para dela escapar, e dela muitos continuem morrendo em decorrência direta — já decretaram o seu fim. E há quem, astutamente, sentencie com uma ribombante exclamação: Fome zero!!!, ao mesmo tempo em que mantêm e renovam acordos criminosos e esfomeadores com os banqueiros internacionais. São os mesmos que propõem uma "reforma" da Previdência Social destinada a tirar da boca dos pobres para cumprir acordos que, antes, buscando notoriedade, condenavam. São os mesmos que propõem a "reforma" da legislação trabalhista para apaziguar o empresariado ganancioso, voraz e aprofundar ainda mais a cruel exploração que a classe operária (de onde se jacta ter vindo o presidente) e os demais trabalhadores se vêem submetidos. São os mesmos que propõem um salário mínimo de R$234, que cortam R$14 bilhões do orçamento nacional e os gastos sociais para adular a banqueirada que se alimenta do suor e do sangue do nosso povo, da dor e das lágrimas de nossas crianças, da miséria e penúria de nossos idosos.

Que "fome zero", senhores? Onde?

Muitos argumentam que o PT, diferentemente de outros partidos burgueses, tendo origem na luta dos trabalhadores e mantendo vínculos com os movimentos sociais, não cairia na tentação do populismo e da demagogia barata. Mas, é preciso observar que o PT é um partido operário burguês que se propôs, através do sistema eleitoral vigente, assumir a gestão do Estado das classes dominantes reacionárias; que construiu sua trajetória na oposição, via radicalismo pequeno-burguês, a esse Estado, e agora se une a ele; se identifica com ele num momento particular de sua crise, em meio à situação mais grave que se desborda a crise mundial do capitalismo. As classes dominantes necessitam de novos meios para explorar mais o povo e, ao mesmo tempo, dar credibilidade às suas instituições para perpetuar a sua dominação. E contam com os aplausos dos agregados democratas de última hora e comunistas amansados.

Por um lado, nada mais conveniente que um partido deste tipo, com credibilidade para realizar as reformas necessárias, enfrentar a crise e manter o continuado domínio de tais classes, com a aparência da mudança. Por outro, a divisão profunda no seio das classes dominantes agudizadas pela crise não pode cessar sua pugna interna. Colocado nesta situação, arrastado cada vez mais para o topo do Estado, chamado e condicionado pelas esferas de poder do sistema de Estado burguês-latifundiário, cada vez mais assumirá a missão a que está destinado. Daí, que é próprio do oportunismo agir de forma oportunista. Frente a tão grave e dramático problema como é a fome em nosso país, colocar-se de forma tão publicitária e arrematada Fome Zero já cheira a demagogia. Fazê-lo, e manter toda uma política que é a causa estrutural da miséria e fome, já é puro oportunismo.

Claro que toda a cúpula do PT e as lideranças que o seguem sabem muito bem disto. Os iludidos e inocentes não pertencem às cúpulas nem às suas lideranças. O governo e o PT dizem: "O Brasil precisa mudar, o povo nos elegeu para fazer mudanças. A mudança está ao norte. Vamos para o norte, mas não podemos ir de um só pulo, é preciso dar alguns passos, fazer uma transição. Medidas amargas são necessárias para a transição. Aos afoitos pedimos calma e paciência. Então marchemos juntos, vamos para o sul".

Os que a mídia reacionária e o próprio PT classificam de "radicais" se iludem (?) sobre qual sempre foi o ideal do PT ao opor-se à política do seu governo. Mas, o que são senão parte, partícipe do que é o PT? Será que eles não viam já de muitos anos que esse tipo de partido, com a política e direção que detinha, só poderia marchar nesse rumo? Por que se mantiveram nele, sem ruídos, até a campanha eleitoral, tão claramente definida de compromissos com a grande burguesia e todo o sistema imperante? Não passam de choro e esperneio seus reclames. O senhor Stédile, por exemplo, tido como proeminência da tal "esquerda" do PT, declarou que o governo Lula é ambíguo e que "a nossa relação com ele também é ambígua" (Resumen Latinoamericano, 09-02-2003). Stédile bradou alto na defesa do aumento da taxa de juros pelo Banco Central, certamente falou como economista: "conter a inflação". Não há ambigüidade alguma, nem no governo nem na relação de Stédile. No fundamental, ambos são muito claros. Oportunismo puro.

Historicamente, no Brasil, a política da "esquerda" tem sido assim. O oportunismo serve a uma fração da burguesia na sua pugna com outras pelo controle do aparelho de Estado. Historicamente serviu, e agora serve, à fração burocrática. Os "governos do povo" (Getúlio, Juscelino e João Goulart) mantiveram sempre — na expectativa de mudanças — a miséria e fome do povo para assegurar sua exploração e a subjugação do país. Logo, a "ambigüidade" da tática de disputar o governo com a reação: apoiar o que é bom e combater o que é ruim. Assim tem sido a tragédia de nosso povo nos últimos 50 anos.

A máxima maquiavélica de que "os fins justificam os meios", sintetiza toda a moral das classes dominantes reacionárias na história. Na verdade, os fins só explicam os meios. Primeiro se definem os fins, o objetivo, e logo se estabelecem os meios para alcançá-los. O oportunismo político se caracteriza por ser uma forma "envergonhada", encoberta de praticar o primado maquiavélico, para fazê-lo passar por justo. O oportunismo é uma modalidade da moral, da ética, da política e ideologia da reação. O oportunismo e a reação têm a mesma essência e só se diferenciam na maneira de externá-la. O primeiro busca encobrir o que o segundo escancara.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja