A farsa do 'sonho americano'

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/70/18b.jpg
Hoje, mais de 40 milhões de pessoas vivem na probreza no USA

Obama, como Bush e seus outros antecessores na chefia do imperialismo ianque, castiga o mundo com bombas e o proletariado do USA com precarização. A concentração de renda nas mãos da grande burguesia aumenta, enquanto a renda média familiar declina sem parar. Uma reportagem pulicada recentemente no jornal britânico Financial Times informou que a renda de 1% das famílias ianques mais ricas triplicou nos últimos 37 anos. E a explicação vem de um outro número referente ao mesmo período: desde 1973 os salários reais da classe trabalhadora do USA estão estagnados.

E as oligarquias financeiras e industriais pagam bem aos seus capatazes. Afinal, são eles que tornam possível essa acumulação de capital pela via do acirramento da exploração dos trabalhadores. Em 1973, os executivos-chefes de grandes companhias ianques recebiam, em média, remuneração 26 vezes superior à renda média da população do USA. Hoje, a proporção é 300 vezes mais, mesmo após a promessa demagógica de Obama de colocar rédeas nos superpagamentos.

É o jogo jogado no sistema de exploração do homem pelo homem: a burguesia recompensa tanto melhor seus gerentes quanto mais eles arroxam os salários e as condições de trabalho do proletariado a fim de aumentar os lucros dos seus contratantes.

E que arroxo! No último ciclo de expansão da economia ianque, que começou em janeiro de 2002 e terminou em dezembro de 2007 com o estouro da crise financeira, a renda média das famílias do USA ficou US$ 2 mil menor. Neste mesmo período, o 1% mais abastado abocanhou dois terços das riquezas produzidas.

O resultado é que, hoje, mais de 40 milhões de pessoas vivem na pobreza no USA. Há apenas três anos, eram 37,3 milhões. A maioria dos pobres são os mais explorados: latinos e negros.  Nada menos do que 36% dos brasileiros que vivem por lá são pobres ou vivem um pouco acima da chamada "linha da pobreza". A maioria dos economistas já dá por certo que a deterioração das condições de vida da classe trabalhadora no USA é algo estrutural, ou seja, imune aos ciclos de expansão ou retração da economia.

Recordes de desempregos longos

Isso porque a economia capitalista agoniza há décadas em uma crise estrutural de superprodução, em meio à qual as crises de crédito, financeiras, bancárias e que tais vão estourando pelo mundo como sintomas de um sistema moribundo.

Mesmo o corneteado "sonho americano", patranha do imperialismo segundo a qual, na "América", os trabalhadores têm mais chance de melhorar de vida, nunca esteve tão distante da realidade. O autor da reportagem publicada no Financial Times, o jornalista Edward Luce, diz que "hoje, no USA, é menor a chance de passar de um estrato de renda mais baixo para outro mais elevado do que em qualquer outra economia desenvolvida".

O nível do desemprego no USA aumenta mês após mês. O desemprego de longa duração vai batendo sucessivos recordes, o que, pouco a pouco, vai escancarando a farsa da seguridade social ianque. Nada menos que 1,4 milhão de trabalhadores desempregados não recebem o tão festejado seguro-desemprego do USA, simplesmente porque estão desempregados há tempo demais. Mais exatamente há 99 semanas, tempo máximo estipulado pelos chefes de Washington para o recebimento do dito "benefício".

Obama só faz agravar essa situação. Se no plano externo o chefe ianque de turno tornou ainda mais ferozes as ofensivas imperialistas pelo mundo, no plano interno, ele está mantendo os salários baixos e segue minimizando os custos e entraves para as demissões a fim de que os patrões possam despedir à vontade.

Pressionado pelas massas, Obama deu a cara no Dia do Trabalho para dizer que vai gerar emprego reconstruindo 240 mil quilômetros de estradas. "Isso é suficiente para dar a volta ao mundo seis vezes", disse ele. Mas não é suficiente para embromar as classes populares precarizadas do USA. Eles sabem que seu destino não é uma questão de mais ou menos asfalto recapeado, mas sim de maiores ou menores avanços na luta das massas organizadas contra o capital opressor.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira