Greve geral na Espanha

http://www.anovademocracia.com.br/70/17b.jpg

Quatro milhões e meio de desempregados, 20% da população ativa, correspondente ao dobro do percentual de desempregados em toda a Europa. Um crescente contingente de subempregados, numerosos pequenos negócios familiares, vastas legiões de imigrantes sem documentação dedicados ao comércio ambulante informal que vivem sobressaltados devido à tenaz perseguição policial, à perda de múltiplas conquistas dos trabalhadores nos âmbitos do serviço social, saúde e educação. Todos esses fatores são a marca do contexto que vive o grosso do povo na Espanha, que por sua vez constitui o pano de fundo da greve geral do último 29 de setembro.

Uma verdade inocultável e asfixiante que exigiu das maiores centrais operárias ibéricas, a União Geral dos Trabalhadores da Espanha (UGT) e a Confederação Sindical de Comissões Operárias (CCOO), a convocação do protesto popular em toda a Espanha. Se puseram em movimento após oito anos de ostracismo e contenção da efervescência popular, buscando não evidenciar seu papel vendepovo, sobretudo quando a gota d'água é a nova legislação trabalhista, que aprofunda a exploração e ataca drasticamente os benefícios sociais dos "afortunadamente" empregados.

A paralisação foi contundente desde as primeiras horas do dia, desde as cidades espanholas de Ceuta e Melilla, no continente africano, até os povoados e cidades do norte na Galícia, País Basco e Astúrias, entre outros. Em Madri e Barcelona 85% do transporte foi paralisado. Sobretudo em Barcelona, onde se registrou a maior paralisação e os maiores protestos nas ruas, cerca de 100% dos operários das indústrias aderiram à greve. Lá também houve enfrentamentos diretos de manifestantes com os grupos de repressão policial da Catalunha, denominados os "Mossos d'Esquadra". Os confrontos deixaram um saldo de cerca de uma centena de presos e aproximadamente uma centena de feridos. Um veículo da guarda urbana foi queimado durante os protestos. Uma missão especial dos esbirros de elite foi a proteção do edifício da Bolsa de Barcelona, um dos principais ícones do capital na Espanha, onde se postaram armados até os dentes.

Um tom peculiar da jornada de protesto foi dado por cerca de quinhentas pessoas que dias antes da deflagração da greve haviam ocupado o edifício do antigo Banco Banesto, em pleno coração da praça Catalunha. No dia da greve os "okupas" — como se denominam aqueles que tomam edifícios com fim de moradia — se manifestaram com uma série de pinturas e grafites no edifício, entre as quais se destacavam algumas inscrições como "Isto não é crise, é o capital".

Esta greve geral, a primeira enfrentada pelo governo de José Luis Rodriguez Zapatero, coincide com atos similares de protesto na Europa, particularmente na cidade de Bruxelas, contra as ditas medidas de austeridade que vêm sendo aplicadas em toda a União Europeia.

Uma vez culminada a jornada de protestos, Zapatero, com sua costumeira demagogia, desta vez traduzida em cifras, anunciou a criação de mais de 40 mil empregos em 2011, assim como disse que reduziria seu salário presidencial para 6.512 euros ao mês, e que a "Casa Real" — os reis espanhóis — contarão com 8,43 milhões: um 15% e outro 5,2% menos do que recebiam antes. Para o batalhão de desempregados, esta notícia soa como um gesto ridículo e um cínico "apertar de cinto".

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin