Trocando e fazendo arte para o povo

Escambo define troca sem o uso do dinheiro: um produto por outro. É o que estão fazendo grupos de artistas brasileiros, que se reuniram para "trocar arte". Um movimento que reúne principalmente grupos de teatro de rua, além de músicos, poetas e artistas ligados a folguedos populares, o Escambo é palco para artistas dividirem suas experiências, somando algo novo, enriquecedor, entre si e o povo que assiste.

http://www.anovademocracia.com.br/70/12a.jpg

— O movimento Escambo começou há dezenove anos em Janduís, no Rio Grande do Norte. A cidade estava passando por um situação de calamidade por falta de água. Assim artistas, principalmente de teatro de rua, de várias partes do estado e alguns do Ceará, se encontraram na cidade durante uma semana, oferecendo seus espetáculos em troca de água para a população — conta Filippo Rodrigo, um dos articuladores do Escambo.

— Eles 'rodaram o chapéu' pelas cidades vizinhas, dali do sertão, e conseguiram latas d'água e carros pipa que serviram para abastecer a cidade durante o tempo que estiveram lá, e ao mesmo tempo, chamar atenção para a situação que ela vivia. Depois desse grande movimento os artistas viram que naquele momento era importante estarem juntos, fazendo arte voltada para o povo e com o povo, porque afinal de contas nós também somos povo — acrescenta.

Animados com o resultado em Janduís, o grupo se encontrou novamente em Carnaúba dos Dantas, também no Rio Grande do Norte, e o que era um movimento com cerca de cinquenta pessoas, passou para cem. A partir daí o movimento passou a crescer constantemente.

— Hoje temos mais de sessenta grupos fazendo parte do movimento, e uma média de setecentas pessoas. São grupos principalmente do Rio Grande do Norte e Ceará, mas também tem gente de Pernambuco, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Rio Grande do Sul, Maranhão, Pará, Manaus e dois grupos da Argentina (um de Rosário e outro de Buenos Aires) ambos voltados para o teatro de rua — relata entusiasmado.

Filippo começou a participar do Escambo ainda menino. É filho de Júnior Santos, um dos fundadores.

— Fui tomando gosto, me apaixonando e aprendendo com ele. Não temos um dono e nem sede, e sim articuladores. A nossa sede é a sede de cada grupo participante — explica Filippo, que tem 28 anos de idade, e faz parte do Bando La Trupe, um grupo de teatro de rua e música, um dos componentes do Escambo.

— Também não somos institucionalizados, porque não queremos, e nem financiamos os grupos. Pelo contrário, são eles que financiam o movimento. Se organizam nesse sentido. Eles têm suas ações independentes, trabalhando normalmente em suas cidades. São grupos de teatro de rua, capoeira, música, dança, poesia — acrescenta.

— Todas as ações do movimento são feitas nas praças e ruas. Mas cada Escambo tem a sua particularidade, a sua forma de se organizar. Costumamos dar autonomia ao grupo da cidade onde o movimento estiver acontecendo, porque não temos uma fórmula de bolo pronta — continua.

Os Escambos acontecem de uma a mais vezes por ano, segundo Filippo, de acordo com as possibilidades. Este ano já aconteceram três.

— Normalmente ficamos hospedados em escolas públicas, que durante o período do Escambo na cidade são transformadas em espaço artístico, pedagógico e cultural, onde oferecemos oficinas. Além disso, o movimento deixa um marco por onde passa. Temos uma parceria com o grupo Grafite, de Fortaleza, para fazer painéis em muros das cidades, com a temática do Escambo — conta.

— Além desses grandes eventos reunindo praticamente todos os grupos que compõem o movimento, chamamos de Escambo qualquer ato de troca feita entre nós. Por exemplo, se um grupo daqui vai para São Paulo, a convite de um grupo de lá que também faz parte do movimento, para fazer apresentações, oficinas, cursos, e volta para Natal com a vinda dos paulistanos marcada, está acontecendo um Escambo — explica Filippo.

http://www.anovademocracia.com.br/70/12b.jpg

Em busca da dramaturgia própria

— No começo das nossas atividades de artes cênicas nas ruas, éramos muito influenciados pelo teatro pedagógico e questionador de Bertolt Brecht. Ele foi e ainda é um grande objeto de estudo do movimento Escambo, assim como alguns autores brasileiros e elementos dos folguedos populares, principalmente do nordeste brasileiro — conta Filippo.

— Eles entram em nossos espetáculos através do teatro de bonecos, do pastoril, maracatus, bois de reis, e mais, nos dando uma grande vivência e uma dinâmica diferente aos nossos espetáculos, nos influenciando de forma positiva, e trocando experiências conosco — diz.

Contudo o grupo acabou por perceber que buscava a construção de novos dramaturgos, começando uma linha de pesquisas e diálogos nesse sentido.

— Ao longo desses anos de existência a nossa dramaturgia foi pesquisada, destrinchada para que um grupo lá do sertão, por exemplo, ao invés de usar dramaturgos estrangeiros, ou até mesmo brasileiros, fale ele mesmo o que está querendo dizer. Assim, além de descobrir e desenvolver um novo talento, poderá ter um campo maior para se expressar — fala com convicção.

— Hoje a maioria dos espetáculos do movimento são produção própria dos grupos ou de companheiros próximos, assim como as composições musicais, específicas para cada espetáculo. O Escambo tem também uma linha de pesquisa feita nas academias, por conta dos nossos componentes que fizeram ou estão fazendo teses e dissertações de mestrado sobre o movimento — finaliza.

O contato com movimento Escambo é: www.bandolatrupe.blogspot.com. O grupo vem preparando sua própria página na internet que deverá ser lançada em breve.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro