Ao som de latas e galões

A- A A+

Há quatorze anos confeccionando seus próprios instrumentos musicais com sucatas, o grupo Pau e Lata, tem passado seu saber para crianças e adolescentes, normalmente de escolas comunitárias e movimentos populares. O grupo se apresenta em círculo ou meia lua, e costuma oferecer seus instrumentos, durante os espetáculos, para quem entrar na roda.

http://www.anovademocracia.com.br/70/11b.jpg
A Oficina de Construção Ritmica

— Começamos nossas atividades há quatorze anos com crianças e adolescentes de uma escola comunitária daqui de Maceió, Alagoas. Quando fizemos a opção de trabalhar com sucata, queríamos mostrar que tudo o que está ao nosso redor pode se transformar em instrumento musical, reutilizando de forma construtiva o que seria lixo. Cada aluno confeccionou o seu próprio instrumento e fizemos nossa primeira apresentação com 100 componentes — conta Danúbio Gomes, coordenador do projeto.

— No ano seguinte fui morar em Natal levando a ideia, e surgiu um convite para trabalhar com crianças e adolescentes na cidade de Baía Formosa, interior do estado, com o mesmo caráter que tínhamos iniciado em Maceió. Novamente formamos uma banda e passamos a nos apresentar nas escolas da cidade e também em Natal — continua.

Na época Danúbio estudava artes e música na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, e foram surgindo outros convites.

— Passamos a trabalhar dentro da fundação estadual da criança e do adolescente, um lugar onde cumprem pena por assalto, roubo, porte de drogas, em regime semiaberto. Também participar de eventos em escolas e universidades, e nos aproximar de movimentos populares, movimento camponês, realizando oficinas para os militantes e participando de ações de rua, marchas, palestras e debates. Tudo isso foi ajudando a formar o que somos hoje — explica.

http://www.anovademocracia.com.br/70/11c.jpg
A OCR na Reserva Ponta do Tubarão em Natal

— Desde o princípio levantamos a bandeira de que não nascemos apenas para formar músicos. Na nossa prática musical também estão inseridas práticas pedagógicas, políticas e discussões. Nossa leitura artística é para um público aberto, mesmo quando nos apresentamos em espaços fechados. Mas, normalmente nos apresentamos nas ruas, em caráter de cortejo ou parados em roda — fala Danúbio, acrescentando que as apresentações são sempre gratuitas.

— Essa opção tem por objetivo coletivizar ao máximo a nossa arte, chegando o mais perto possível das pessoas. Atualmente nos dividimos em núcleos. São 7 no Rio Grande do Norte, e outros espalhados por estados do Nordeste. Temos aproximadamente 350 pessoas envolvidas, entre crianças, adolescentes e adultos — acrescenta.

Transformando lixo em música

Danúbio diz que os instrumentos são confeccionados de forma bem simples.

— Hoje todos os grupos do Pau e Lata são montados por três tipos de instrumentos, que damos o nome de: tambor grave, tambor médio e lata. A nomenclatura é a partir do resultado sonoro que podemos extrair dele. Enquanto menor mais agudo o som, enquanto maior mais grave — explica.

— Um tambor de 120 litros tem o som mais grave que o de 60 litros. Porém o tambor de 60 litros tem um som mais grave que a lata. Então ele está no meio, entre o agudo da lata e o grave do tambor azul. As latas, inclusive, também se diferenciam: existem latas de 50 e de 18 litros, que são a maioria delas, geralmente utilizadas para tinta, manteiga, óleo diesel e outros — continua.

O tambor grave é feito das 'bombonas' azuis que muita gente usa para colocar lixo ou transportar água, e estão bem presentes nas indústrias.

http://www.anovademocracia.com.br/70/11d.jpg
A OCR na sétima aula aberta da UNIPOP,
Universidade Popular de Pernambuco

— O fazemos passar por um processo de limpeza muito rigorosa. Neste momento as crianças ficam de fora. Depois toda faixa etária entra em ação para a confecção do instrumento. Para confeccioná-lo, seja grave/médio/agudo, o fundo se torna a parte de cima, onde vamos tocar com as baquetas ou com as mãos — conta.

— Na lateral, próximo da borda, fazemos dois furos e colocamos um aro de arame, de mais ou menos 40 cm. Damos duas ou três voltas com esse arame, amarramos suas pontas e as enroscamos para dentro do tambor. Está pronto o nosso instrumento de percussão — acrescenta.

Já o talabar, uma correia que serve para prendê-lo ao corpo, pode ser de cinto de calça, alça de bolsa de couro ou tecido forte. Às vezes juntamos retalhos dobrados várias vezes para ficar resistentes. Também pernas de calça e tecidos de chita colorida, que dá uma bonita aparência. Também pode ser um talabar industrial, adquirido em lojas de instrumentos musicais — continua.

O repertório do Pau e Lata é totalmente direcionado para a cultura popular.

— Tem que representar a cultura do povo, desde a história dos ritmos que foram trazidos pelos africanos, até ritmos que foram criados ao longo dos anos na história do Brasil, misturando a música europeia com a afro e a indígena. Tocamos também músicas de outras culturas, desde que também tenham nascido nas ruas, no meio do povo — afirma.

— E sempre procuramos nos apresentar em forma de círculo. Quando é necessário ter um plano de fundo, nos apresentamos em forma de meia lua. Essa estética é para que todos possam se observar, mesmo quando é necessário que alguém esteja como regente, e ao mesmo tempo observar e ser observado pelo povo — revela.

— O próprio repertório propicia isso, porque quando cantamos os maracatus, os cocos, os sambas, levamos em consideração que historicamente essas músicas tem um ou mais puxadores e outros que respondem. Assim o público vai compreendendo que ele também pode cantar junto, dando essas respostas — explica.

— Além disso, sempre tem um momento que o instigamos a tocar conosco. Para isso, levamos uns instrumentos a mais, e quando estão bem entrosados, oferecemos nossos próprios instrumentos. Já aconteceram casos de não ter nenhum integrante do Pau e Lata tocando no final de uma apresentação, todos eram populares que acompanhavam o show (risos) — finaliza com alegria.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja