Crise sanitária no rastro do terremoto no Haiti

A- A A+
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Em 3 de setembro passado, a organização Médicos do Mundo Hoje divulgou um relatório denunciando a situação sanitária do Haiti. Segundo o texto, existem surtos de doenças respiratórias, diarréias, altos índices de desnutrição e um aumento da violência contra a mulher.

Cerca de um milhão e meio de haitianos seguem morando em seiscentos acampamentos com sérios problemas de superlotação, problemas para o acesso a água, péssimas condições de saneamento básico, convivendo com depósitos de lixo a céu aberto. Este quadro é o ambiente favorável para o desenvolvimento de inúmeros micro-organismos nocivos à população e o ambiente ideal para a propagação de doenças infectocontagiosas.

O Haiti arrasado e invadido era o ambiente ideal para o desenvolvimento e propagação da cólera, que já ceifou cerca de trezentas vidas. A epidemia começou em meados de outubro e atingiu, principalmente, as regiões de Artibonite, no norte, e o planalto central. Já se registram mais de 3 mil casos de contágio.

Como sempre ocorre em situações como essa, o gerenciamento semicolonial tenta amenizar a situação com palavras e não com atos. Na última semana de outubro, dizia-se que "não existe epidemia", que "os quatro casos que apareceram em Porto Príncipe vieram de fora" e que "sua pronta descoberta era a prova de que o sistema funciona" etc., etc.. Após o primeiro caso oficialmente confirmado na capital, comemorou-se que "o número de mortes diminuiu".

Enquanto isso, os hospitais estão lotados com gente espalhada pelo chão, extremamente debilitada pela desidratação causada pela doença e novos casos não param de aparecer. Isso para não falar dos casos não registrados, de gente que nem vai ao hospital. A doença é assintomática em muitos casos, o que cria uma legião de possíveis transmissores. O monopólio da imprensa já divulgou fotos de mortos caídos em casebres na periferia sendo recolhidos.

Outro agravante é que, como não existiu cólera no Haiti por mais de 50 anos, não existe experiência nem da população nem do corpo médico para enfrentar a doença. A cólera é uma doença de evolução rápida que pode matar um adulto saudável em 24 horas, caso não seja prestado socorro. Que falar de uma criança desnutrida?

Caso a epidemia, que já atingiu um presídio, atinja os acampamentos e abrigos improvisados desde o terremoto de janeiro desse ano, a situação se tornará incontrolável e especialistas afirmam que a doença veio para ficar vários anos. Mesmo que se consiga controlar essa epidemia, novos surtos virão, visto que o problema central são as condições sanitárias do país e a desnutrição crônica da maior parte da população. Diante de todos esses problemas não é demais indagar: o que faz o Exército Brasileiro e demais tropas invasoras, além de massacrar e reprimir a população haitiana que, em mais de seis anos de ingerência, não auxiliaram na mínima estrutura sanitária para o povo? E os invasores ainda se mantém no Haiti alegando razões "humanitárias"...

Farsa eleitoral para legitimar ocupação

Embora o Haiti esteja invadido desde 2004, tarefa delegada pelo imperialismo ianque às tropas brasileiras, tão logo ocorreu o terremoto em janeiro o USA mandou a "ajuda humanitária" de 15 mil mariners. Agora o país enfrenta uma epidemia de cólera e muito pouco, ou praticamente nada, foi feito pela sua reconstrução desde o abalo sísmico. É neste quadro que, no dia 28 de novembro, serão realizadas as eleições presidenciais.

Como não poderia deixar de ser, o monopólio dos meios de comunicação enaltece as eleições no Haiti. Felizmente não se pode assistir daqui os dezenove postulantes à gerência do velho Estado haitiano afirmarem que são o "rompimento com o velho" e que uma "nova era" surgirá para o Haiti.

O que não se podia prever (ou melhor, se podia, mas o descaso e a subserviência não permitem enfrentar os problemas) era que o Vibrio colerae (bactéria da cólera), tentasse atrapalhar a "festa da democracia". Como com as atuais condições sanitárias do Haiti não só era provável que algo parecido acontecesse, como também é provável que se espalhe. Já se cogita até o adiamento das eleições.

E enquanto não se toma uma decisão sobre o adiamento, o circo eleitoral está armado. O chefe civil da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), Edmond Mulet, reafirmou em 28 de outubro o compromisso da ONU para "garantir a segurança e as operações técnicas e logísticas das eleições". Inclusive o próprio financiamento das eleições é externo, via Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). O orçamento deve chegar aos 29 milhões de dólares dos quais 500 mil (aproximadamente 850 mil Reais) são do Brasil. Tudo para garantir as eleições e manter a dominação do Haiti.

O coordenador do Comitê Democrático Haitiano na Argentina, Henry Boisrolim, em entrevista ao Correo del Orinoco, afirmou que os comícios serão uma verdadeira farsa.

As eleições que estão programando para o dia 28 de novembro próximo constituem uma verdadeira farsa e não resolverão os problemas angustiantes do povo, como os referentes à saúde – afirmou Boisrolim.

– Aproveitando o terremoto e a cumplicidade do governo de René Préval (atual presidente) – já que este último está totalmente com a 'comunidade internacional', controlada pelo USA principalmente – o imperialismo avançou muitíssimo na estratégia de colocar nosso país sobre a tutela. Falar de democracia e realizar eleições são atitudes cínicas e criminosas – destacou Boisrolim.



Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja