Resistência sanfoneira

Há anos sendo substituída por instrumentos eletrônicos e acordeons com mais recursos, a sanfona de 8 baixos, também chamada de fole, concertina e pé de bode, corre risco de extinção. Mas a Orquestra Sanfônica de 8 baixos, nascida em 2007, em Santa Cruz do Capibaribe, no agreste pernambucano, surgiu com o objetivo de não deixar desaparecer esse instrumento que faz parte da história do povo nordestino, sempre esteve nos folguedos populares e serviu como base para a carreira de grandes nomes como Luiz Gonzaga.

71/12-b.jpg

A orquestra surgiu a partir da ideia do pesquisador Anselmo Alves, que reside em Recife, quando procurou a cidade que possuísse o maior número de tocadores de 8 baixos. Por indicação do sanfoneiro, Arlindo dos 8 Baixos chegou à Santa Cruz do Capibaribe e encontrou Bento da Zabumba, um forrozeiro conhecido na região, que ficou responsável por reunir os companheiros e formar a primeira orquestra "sanfônica" de 8 baixos que se tem notícia.

– Aqui é o lugar onde mais tem gente tocando esse instrumento. E não aprendeu na escola, é um ensino que passa de pai para filho. Quem conhece sabe que é mais difícil tocar a sanfona de oito baixos do que as outras. Apesar de todas serem sanfonas, ela é um outro instrumento, bem diferente. Tem que ter um jeito todo especial para manusear. Quem quiser aprender tem que procurar um mestre e pedir para ele – explica Bento da Zabumba.

Bento da Zabumba, Zé Carlos dos 8 baixos, Fogoió dos 8 baixos, Tião dos 8 baixos, Têna, Enoque, Paulo, Lampião, Mário e Barra, todos com o mesmo "sobrenome", formam a orquestra.

Durante o dia, trabalham duro como pedreiros, ajudantes de pedreiro e em pequenos comércios. À noite, viram artistas e tocam xote, baião, forró, arrasta-pé e muitos ritmos nordestinos. Alguns também compõem.

Os sanfoneiros da orquestra são pessoas bem simples, gente do povo, a maioria "vindo da roça", como falam. Alguns não sabem ler e escrever, não conhecem partituras... O mais novo tem 45 anos, e o mais velho já passa dos sessenta. Artistas natos, talentos anônimos, que amam o instrumento e querem manter a tradição.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

– A sanfona de 8 baixos está ligada às tradições e festas. Esteve presente em todos os casamentos, batizados, festas de rua, enfim, qualquer evento na vida do povo nordestino, de anos atrás, que virava a noite dançando ao som de animados sanfoneiros. Ela conta um pouco a história do povo daqui. Está intimamente ligada a nossa cultura – explica Anselmo Alves.

– A nossa sanfoninha de 8 baixos sempre esteve presente nos folguedos populares do sertão, do agreste e da Zona da Mata do Nordeste brasileiro. Movimentou a vida de grandes mestres como Abdias, Zé Calixto, e tantos outros, e acabou esquecida, ou substituída por outros instrumentos, como se não tivesse espaço para todos, o que não é verdade – continua.

Respeite os 8 baixos

A Orquestra Sanfônica dos 8 baixos costuma se apresentar em Santa Cruz e em outras cidades de Pernambuco e do todo o Nordeste.

– Nosso repertório é repleto de músicas de sanfoneiros importantes, principalmente Luiz Gonzaga. Ele aprendeu tocar sanfona de 8 baixos com seu pai, Seu Januário, que era um sanfoneiro e tanto daqui de Pernambuco. Depois que foi para o Rio de Janeiro passou a tocar outras sanfonas e abandonou o nosso pé de bode. Mas foi ele quem ajudou a divulgar o instrumento por todo o país – conta Bento da Zabumba.

A música Respeita Januário, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, fala da importância de respeitar a tradição. Gonzaga foi para o Sul, ficou famoso, passou a tocar sanfonas com mais baixos, mas, voltando à cidade de origem foi recepcionado por conterrâneos dizendo: "de Itaboca à Rancharia, de Salgueiro à Bodocó, Januário é o maior". E o pai deixou claro: "Luiz, respeita Januário, tu pode ser famoso, mas teu pai é mais tinhoso e com ele ninguém vai, Luiz, respeita os oito baixos do teu pai!"

– É importante revigorar a sanfona de 8 baixos e mostrar a sua importância para o mundo todo. São poucos os que tocam esse instrumento hoje e a maioria são pessoas mais velhas. É muito difícil ver jovens tocando essa sanfona. Mas creio que não é porque não gostam, é por pura falta de divulgação. Muitas vezes, nem conhecem, por isso, não se interessam. Por isso, a importância do trabalho da orquestra – fala Anselmo Alves.

– É um instrumento que tem tradição, promove a cultura e precisa ser lembrado. Infelizmente, em determinadas regiões já está esquecido, mas permanece vivo em Santa Cruz do Capibaribe. Lá está a base da resistência dos 8 baixos. E quando se ajuda a Orquestra Sanfônica de 8 Baixos, se está ajudando a cultura do pernambucano. Uma alegria que se passa de uma geração para outra. Muita gente já nasceu ouvindo o pai tocar – continua.

Entre os desafios que os artistas populares encontram, está a sobrevivência. Sem apoio, a orquestra encontra muitas dificuldades para manter-se.

– Temos apresentações no começo e no final do ano e nas festas de São João, no demais ficamos sem trabalho. Isso acontece por falta de apoio. Queremos trabalhar, mas não podemos. A gente se reúne para ensaiar na casa de um dos componentes da orquestra e estamos tentando conseguir uma ajuda para realizarmos o sonho de viver da profissão de sanfoneiro – conclui Bento da Zabumba, que está à frente dessa luta.

Para contratar a Orquestra Sanfônica de 8 Baixos: Bento da Zabumba (81) 9628-3141 e 3731-1720.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro