Tem choro no Bolão

A- A A+
 

Há mais de vinte anos desenvolvendo um trabalho de pesquisa e divulgação do choro, o grupo mineiro Flor de Abacate se apresenta todas as quintas-feiras no tradicional Bar do Bolão e contribui para transformar o local num dos mais tradicionais redutos do choro das noites belo horizontinas. Dando preferência por tocar choros pouco conhecidos e composições próprias, o grupo possui um repertório seleto e de qualidade.

71/11-b.jpg

– Nossa primeira formação foi em 1978, como uma brincadeira, um divertimento somente. Éramos estudantes de música e não tínhamos pretensão em levar o choro profissionalmente. Mas, a partir de 1989, resolvemos fazer um trabalho profissional e, por conta disso, iniciamos uma pesquisa extensa sobre o choro existente em todo o Brasil – diz Sílvio 7 Cordas, músico e diretor musical do grupo.

– Pesquisamos vários compositores e começamos a montar o nosso repertório, procurando valorizar músicos pouco conhecidos e composições inéditas. Sempre inserimos nossos próprios arranjos, para dar a nossa característica – fala Sílvio, que é da época da formação do grupo.

– Nosso nome tiramos de um choro famoso, Flor de Abacate, de Álvaro Sandin. É uma composição do século passado e uma das primeiras gravações do Jacob do Bandolim. Normalmente, os grupos de choro têm uma tendência a colocar nomes relacionados a fatos pitorescos ou título de choros (risos) – comenta.

Atualmente, o grupo conta com: Sílvio, violão de 7 cordas, Marcos Flávio, trombone, Túlio Braga, cavaquinho, Ramon Braga, pandeiro, e Rubinho, bandolim. Todos chorões convictos, aproveitam o crescimento de apreciadores do gênero na cidade.

– Minas Gerais tem alguma tradição de músicos de choro devido ao contato com chorões do Rio de Janeiro, onde esse gênero nasceu. Eles sempre vieram para cá tocar e passar de alguma forma o seu saber. Assim, foi contagiando, crescendo e, hoje, já existe grandes nomes do choro aqui em Belo Horizonte – afirma Sílvio.

– Existem muitos projetos que ajudam a fermentá-lo, como: 'BH Choro', que participamos ao lado do bandolinista carioca Joel Nascimento e o 'Choro Livre'. Além das oficinas de cavaquinho, violão, flauta, saxofone, trombone e outros. Também há várias casas que tocam choro na cidade. Posso garantir que um terço das noites belo horizontinas são regadas de choro – afirma Sílvio que também é diretor cultural do Clube do Choro de Belo Horizonte.

– Mas essa efervescência só começou há uns quatro ou cinco anos. Passou a despertar o interesse de músicos universitários, fazendo o gênero crescer e se espalhar por aqui. O povo que ouviu gostou, pediu mais e, hoje, tem choro por toda parte. Tocamos em teatros, praças públicas e tudo mais que aparece. Fora daqui, já nos apresentamos em São Paulo, Brasília e no Espírito Santo, entre outros lugares, onde também temos ministrado oficinas de choro – conta com entusiasmo.

Música e bate-papo no bar do Bolão

– Todas as quintas-feiras nós estamos presentes no Bar do Bolão. É um bar bem tradicional, o reduto mais antigo de choro em Belo Horizonte.  Uma casa aconchegante, que tem um churrasco, alguns tira-gostos muito bons, e lá nos juntamos sem nenhum propósito comercial. É uma reunião de músicos que querem tocar, rever os amigos e conversar. E recebemos convidados de toda parte do país – fala com alegria.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

– E pelo fato de estarmos sempre presentes no bar, algumas pessoas acham que residimos no local, ou que somos filhos do Bolão, o dono do bar (risos). Nós o consideramos muito e talvez por isso, se cria essa confusão nas pessoas, uma espécie de fantasia de que todo o Flor de Abacate mora lá no casarão e são todos filhos do Bolão. Enfim, o imaginário popular é realmente muito fértil – brinca Sílvio.

– Mas não é nada disso. Só nos encontramos lá nas quintas-feiras, de uma forma alegre e descontraída, como um encontro familiar mesmo, sempre com a presença do Bolão, nos incentivando e se alegrando conosco – explica.

Segundo Sílvio, o mineiro de Diamantina José Raimundo dos Reis, mais conhecido como Bolão, é um veterano chorão, hoje aposentado.

– Ele foi clarinetista por muitos anos, depois passou a tocar violão de 7 cordas. Idealizou o bar e o inaugurou em 1992. Nessa época, ainda não tínhamos tanto contato, mas ele nos convidou para fazer uma audição no bar. Acabamos ficando. Na verdade, como sempre foi bom e continuou sendo, quando percebemos já estávamos tocando todas as quintas-feiras – fala.

– E esse exímio executante de clarinete e de violão, hoje já está com 88 anos e já não tem a destreza de antes, mas possui um grande ouvido, sabendo apreciar muito bem o choro. É uma figura espetacular, é o regente da casa – elogia.

E foi a partir das reuniões no Bolão que o Flor de Abacate construiu seu trabalho, já  conhecido Brasil afora, com quatro CDsgravados, já trabalhando no próximo.

– Estamos sempre pensando em ir em frente, procurando um espaço para a nossa música. Normalmente, nosso público-alvo são músicos e apreciadores de choro. A maior parte de nossos discos é de música instrumental, porque o choro tradicional é executado dessa forma. Mas já fizemos alguns trabalhos com choros cantados também – comenta.

– Em todos os nossos discos gostamos de ter pelo menos duas ou três composições autorais, porque dentro da nossa proposta de executar e divulgar o choro, passando por pesquisa de autores, inclui também as dos integrantes do grupo (risos). Dessa forma, é comum aparecer composição minha e de todos os outros, afinal somos todos chorões convictos – finaliza Sílvio 7 Cordas.

O Bar do Bolão está situado na Rua Vila Rica, 637, Padre Eustáquio, Belo Horizonte/MG. O telefone para contatos é (31) 3245-1569. Para contratar o Flor de Abacate: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja