O 'Dia D' contra os obscuros planos de Eduardo Paes

A- A A+

No dia 26 de outubro, moradores de mais de 20 favelas do Rio de Janeiro se reuniram na entrada da Favela do Metrô, zona Norte da cidade, para uma passeata em direção à sede da prefeitura. Com o apoio de várias organizações que lutam pelos direitos do povo, os manifestantes carregaram faixas e cartazes de protesto contra a política fascista levada a cabo pelo prefeito Eduardo Paes, de remoção de favelas inteiras e expulsão de suas populações para as mais remotas regiões da cidade. Durante a passeata, policiais descaracterizados atacaram o militante da Rede de Movimentos e Comunidades Contra a Violência, Maurício Campos, que foi preso e solto em seguida, graças à pressão dos manifestantes.

71/08-a1.jpg
Manifestantes foram intimidados por policiais que estavam no Caveirão da PM

Eram 10h da manhã quando dezenas de moradores de várias favelas do Rio de Janeiro preparavam-se para partir em direção à prefeitura em uma grande manifestação contra os planos do prefeito Eduardo Paes de expulsão em massa das favelas que ocupam as regiões nobres da cidade para áreas remotas, algumas há 80 quilômetros de onde esses trabalhadores vivem atualmente. Nas faixas e cartazes, estampava-se a indignação dos manifestantes: “Os moradores só saem mortos. Eduardo Paes assassino”, “Espírito Olímpico para alguns e terror para as comunidades” e “Eduardo Paes: democrático com os ricos e ditador com os pobres”.

Durante o ato, o militante da Rede de Comunidades e Movimentos contra a Violência, Maurício Campos, foi arbitrariamente preso por policiais descaracterizados. Momentos depois, pressionados pela massa, que cercou a viatura da PM para impedir a prisão, os policiais soltaram Maurício e a manifestação seguiu com mais força ainda.

Eu estava fotografando um carro descaracterizado cheio de homens mal-encarados que observavam a manifestação. Eles pararam o carro do meu lado e disseram ‘me dá seu documento’. Eu perguntei quem eram eles para me pedirem documento. Eles disseram ser policiais e eu pedi para que eles primeiro me provassem que eram policiais, mostrando os seus documentos, e depois eu apresentaria o meu. Eles não estavam em viatura e não estavam uniformizados, porque eu ia ter que mostrar meu documento? Para quem? Depois eles já saíram da viatura me agarrando e dizendo que iam me levar preso de qualquer jeito — relatou Maurício Campos à equipe de reportagem de AND.

Alguns metros à frente, um caveirão encontrava-se estacionado no meio da rua. Quando o protesto passou ao lado do famigerado veículo blindado da PM do Rio, policiais colocaram seus fuzis para fora provocando os manifestantes.

71/08-a2.jpg
Policais disfarçados tentam prender militante
da Rede de Movimento e Comunidades

Contra o povo das favelas, eles agem com truculência sempre. Ainda mais em uma passeata. Eles não devem admitir que os moradores de favelas, que para eles é um povo de bandidos, venham organizados para a rua se manifestar — conclui Maurício.

Quando o ato chegou às portas da prefeitura, Eduardo Paes enviou um de seus cães de guarda para convidar uma comissão de representantes das favelas presentes para uma reunião, mas os manifestantes se recusaram a conversar a portas fechadas com o executor do maior plano de remoção de favelas que a cidade do Rio de Janeiro já conheceu.

Nós não estamos dispostos a montar nenhuma comissão para subir e conversar com a prefeitura, porque todas as propostas que fizemos até hoje para qualquer órgão governamental não foram ouvidas. Tudo indica que a questão é a limpeza social da cidade. Mandar o povo pobre para longe e fazer da área principal da cidade um cartão de visitas para os estrangeiros. O povo deveria ter direito de montar a sua casa, do jeito que quiser ,e viver com dignidade, mas a única coisa que temos é esse salário de miséria. Por isso nós moramos em condições precárias. O que ganhamos mal dá para sustentar a nossa alimentação. Não queremos mais essa enganação — disse ao microfone a moradora da Vila Autódromo, Jane Nascimento, de 54 anos, que em seguida acompanhou atentamente a fala de seus companheiros de outras favelas ameaçadas.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Temos que aproveitar o espaço aqui para demonstrar toda a nossa indignação e mostrar para o prefeito que se ele continuar nos enrolando, nós vamos começar a tomar atitudes radicais. Aqui são pais e mães de família, são pessoas que têm que ser respeitadas, mas não estão sendo. Infelizmente, nós que moramos em comunidades, somos discriminados. É assim que nós somos tratados pelos governantes, pela Rede Globo e a grande mídia. E aí companheiros, se a gente não aumentar a mobilização, se a gente não vier em peso aqui pra porta da prefeitura o tempo todo, como fizemos hoje, a prefeitura vai continuar nos desprezando. Essa discussão de moradia, para o Estado, é a mesma discussão da segurança pública, onde a vida não é levada em consideração, onde os trabalhadores são desrespeitados o tempo todo — desabafou o morador da favela Céu Azul, Rodrigo Reis, de 44 anos. Há três gerações sua família ocupa o local, na zona Norte da cidade.

É um absurdo a gente construir a nossa casa durante anos, com muita dificuldade e muito suor e a prefeitura chegar e tirar a casa da gente, oferecendo vaga no projeto Minha Casa, Minha Vida. Porque nós temos que sair das nossas casas, que a gente levantou, e ir para esses apartamentos, tendo que pagar por eles. Ou senão você ganha 200 reais por mês do aluguel social e aluga outro barraco em uma favela qualquer. Sem contar que muitas pessoas aceitaram, se mudaram e agora vão para a rua porque a prefeitura está suspendendo o aluguel social. Não adianta negociar. Dia 14 de outubro nós tínhamos uma reunião com o subprefeito da Barra e ele teve a capacidade de não comparecer. A prefeitura está nos tratando como animais — disse a moradora do Parque Colúmbia, na Pavuna, Claudete Porto, de 65 anos, há 29 no local.

O Estado já se viu forçado a recuar em vários pontos. Desde os jogos Pan-Americanos que a prefeitura planejava expulsar um monte de comunidade. Mas a resistência lá de Jacarepaguá conseguiu garantir que algumas comunidades ficassem. A prefeitura não conseguiu expulsar o Canal de Anil, não conseguiu expulsar a Vila Autódromo e várias outras. Depois de abril desse ano eles pensaram: ‘vamos aproveitar essa questão das chuvas e remover várias comunidades’, mas não conseguiram. Até as comunidades que foram pegas de surpresa, como a Estradinha, ainda têm um grupo resistindo e a prefeitura não conseguiu continuar com as expulsões — disse Maurício Campos.

Nossa luta está incomodando eles. Isso porque eles estão tentando nos dividir de todas as maneiras, mas o ato de hoje prova que eles também não estão conseguindo isso. Têm comunidades aqui de todos os pontos do Rio de Janeiro, comunidades que nunca lutaram juntas e hoje apoiam umas as outras. Nós passamos por um tempo de ilusões, onde muitos foram induzidos a acreditar em promessas de políticos, mas todos os políticos eleitos pelas comunidades, hoje trabalham ajudando a prefeitura a removê-las. Agora nós acordamos com força e o importante é manter a resistência e não retroceder — concluiu Maurício Campos.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait