No segundo turno, a renovação do oportunismo

Nada como uma eleição para revelar o oportunismo de uma falsa esquerda que arrota a palavra socialismo em três de quatro frases que pronuncia e que, na prática, não passa de coadjuvante da farsa eleitoral. Do ponto de vista eleitoreiro, eles desempenham um papel quase irrelevante. Porém, do ponto de vista dos trabalhadores, desempenham um deletério papel, já que atuam no meio do povo e dos trabalhadores para induzi-los ao erro de participar do apodrecido circo eleitoral burguês.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

A desculpa esfarrapada de que o espaço concedido pelo TSE serviria para realizar a denúncia política da exploração do capital e das candidaturas bancadas pelo imperialismo e a burguesia foi desmascarada por eles mesmos ao utilizarem este espaço para a apresentação de propostas eleitoreiras à moda de qualquer candidatura liberal. Isto prova que o que eles queriam mesmo era conquistar um votinho.

Passaram todos quase despercebidos pela massa de eleitores, principalmente para aqueles que viraram as costas às urnas (24%). Mesmo os que compareceram à votação, menos de 1% deram ouvidos à empulhação eleitoreira do PCB, PCO, PSOL e PSTU, muito abaixo também dos 3% que votaram em branco e aos 6% que anularam o voto.

Fazendo o balanço de sua campanha, Plínio Arruda disse que ela foi importante para despertar a juventude. Que juventude eles conquistaram com essa merreca de votos? Ainda mais que grande parte dos jovens de 16 a 18 se recusou a tirar o título de eleitor.

E não se cansam de enfatizar que participam do processo para acumular forças. Que forças estão acumulando? Para alcançar votos, fazem todo o tipo de concessão e vão cada vez mais para a direita, e ganham cada vez menos votos. Como na canção de Lupicínio Rodrigues, eles não passam de pobres moços que "fogem do céu por ser escuro e vão ao inferno à procura de luz"

A pérola da empulhação

O PCB de São Paulo, através do seu candidato a governador Igor Grabois - que no debate realizado na Unifesp de Guarulhos declarou que no segundo turno votaria nulo - mal acabou de contar sua mixaria de votos e já soltou em seu site uma carta cheia de "entretantos" e de "muito antes, pelo contrário" para indicar o "voto contra Serra". Haja hipocrisia! Destacamos para os nossos leitores o final da missiva oportunista de 13 de outubro.

"Considerando essas diferenças no campo do capital e os cenários possíveis de desenvolvimento da luta de classes – mas com a firme decisão de nos mantermos na oposição a qualquer governo que saia deste segundo turno – o PCB orienta seus militantes e amigos ao voto contra Serra.

Com o possível agravamento da crise do capitalismo, podem aumentar os ataques aos direitos sociais e trabalhistas e a repressão aos movimentos populares. A resistência dos trabalhadores e o seu avanço em novas conquistas dependerão muito mais de sua disposição de luta e de sua organização e não de quem estiver exercendo a Presidência da República.

Chega de ilusão: o Brasil só muda com revolução!"

A quem o PCB quer enganar? Colocaremos lado a lado duas frases que revelam toda a confusão ideológica, principalmente, da direção desta organização que se diz comunista, destacadas da missiva oportunista:

"O PCB orienta seus militantes e amigos ao voto contra Serra.

Chega de ilusão: o Brasil só muda com revolução!"

Pobres moços, os militantes do PC Brasileiro, que cheios de vontade revolucionária se vêem sob uma direção eleitoreira, oportunista e revisionista.

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin