Farinha pouca meu pirão primeiro: Começou o loteamento do governo Dilma

http://www.anovademocracia.com.br/71/02.jpg

Mais de 36 milhões de pessoas aptas a votar não compareceram às urnas, anularam o voto, ou votaram branco. A este número, somam-se aqueles que descontentes com a podridão da farsa eleitoral já não participam delas a mais de três eleições e os milhões de jovens entre 16 e 18 anos que só irão tirar o título de eleitor quando forem obrigados a isso.

Tal situação indigesta e constrangedora para as classes dominantes "precisa de uma explicação". Explicar esse vexame é o que tenta fazer o articulista da Folha de São Paulo, Uirá Machado, que na edição eletrônica de 3 de novembro faz um malabarismo para justificar estes números. No artigo intitulado "Quanto mais pobre a cidade, maior a proporção de nulos", afirma que "há mais que protestos nos votos nulos". Tenta relacionar os índices com ignorância do povo, afirmando que o problema é a dificuldade em operar a urna eletrônica, o que leva as pessoas a votarem errado. O articulista só não quer enxergar o que é óbvio, que quanto mais pobres, mais insatisfeitos com o Estado, com o sistema eleitoral, etc.

O que não se fala é da dificuldade para se anular o voto. Com o fim da cédula de papel foi tirado do povo até o direito a escrever xingamentos à trupe de sanguessugas. Hoje, para anular o voto o cidadão deve digitar um número inexistente na tal maquininha. O articulista e seus cientistas políticos teriam uma desagradável surpresa se colocassem um botão escrito Anular.

Essa discussão, no entanto, só voltará à baila daqui a dois anos, na eleição para prefeito. Campanha encerrada, urnas desligadas das tomadas e holofotes apagados, chegou a hora tão esperada. A presidente eleita pode parar de sorrir e voltar a mostrar a cara emburrada de costume e começar a lotear os cargos.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

É como diz o ditado popular, "Em tempo de farinha pouca, meu pirão primeiro", a briga já começou. Após o anúncio da coordenação do grupo de transição com dois petistas à cabeça, Dilma, pressionada pelo PMDB, teve que recuar e convocar seu vice Michel Temer para ser a rainha da Inglaterra da equipe, já que os outros dois continuam com suas atribuições.

O PT de São Paulo brande o nome de Mercadante, além de requisitar a convocação de um dos deputados eleitos para o Planalto, afim de conduzir de volta à câmara José Genuíno, eleito suplente. Dilma toma café com Temer, janta com Luiz Inácio, o PT e o PMDB se reúnem, e o pecedobê aguarda mais um "superministério". Mas, é lógico,"tudo pelo bem da nação". Cargos e nomes não são discutidos, estes deverão surgir por inspiração divina, talvez. Um cargo já está praticamente rateado, a presidência da Câmara, que ficará dois anos para cada partido. A polêmica é quem a ocupará primeiro.

Paralelamente, algo que realmente deve chamar a atenção das forças democráticas. Dilma afirma que Luiz Inácio não antecipará medidas impopulares para livrar sua cara.

"Eu só vou querer coisas que sejam necessárias. Então, é necessário que a gente avalie a situação para a gente tomar medidas. Não acredito que o presidente vai tomar medidas duras. O presidente vai fazer aquilo que ele tem que fazer. Não tem o menor sentido tomar um saco de maldades", afirmou Dilma, em entrevista ao Jornal do SBT.

É hora de ligar o alerta. Lembrar que Collor jurou de pés juntos que não mexeria na poupança.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia[email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin