26 de dezembro: 117 anos de Mao Tsetung

A- A A+
 

Proletários da China recordam o Grande Timoneiro

As declarações foram extraídas e traduzidas da página democracyandclasstruggle.blogspot.com

72/13b.jpg

Discurso de um militante operário em uma praça repleta em dezembro de 2009 (divulgado em abril de 2010)

O presidente Mao trabalhou duramente toda sua vida para pelo triunfo da revolução e para a construção de uma nova China. Qualquer um que tenha consciência será sempre grato a ele. Podemos dizer com certeza que sem o presidente Mao não poderia ter existido uma nova China. O presidente Mao ressaltava que devemos sempre recordar os mártires revolucionários pelas suas contribuições.

O presidente Mao perguntou uma vez se nós nos recordamos dos mártires que morreram durante a revolução. Disse que pensava frequentemente neles. Disse que sacrificaram suas vidas, porque quiseram construir uma nova China onde não houvesse nenhuma exploração da classe ou repressão, onde os povos fossem os donos do país.

Em 1974 Mao escreveu um poema como um memorial aos mártires por suas realizações. Disse que os revolucionários eram muito corajosos, e que ousaram desafiar o sol e a lua a fim de mudar nosso destino. O presidente Mao lembrou-nos repetidamente que não devemos trair o caminho que nossos mártires trilharam, e não devemos trair os ideais elevados que nossos mártires defenderam.

O presidente Mao disse que muitos povos sacrificaram suas vidas a fim construir uma China próspera, de modo que o povo chinês pudesse ter uma vida melhor. Lutaram por construir uma China forte que poderia se orgulhar entre outros povos e nações do mundo. Muitos revolucionários morreram na luta do campo de batalha de encontro aos inimigos ou foram executados pelos inimigos. Morreram sem pesar, com sorrisos no rosto. Em seus últimos suspiros eles exaltaram: "Viva o Partido Comunista! Viva o Presidente Mao!".

Nosso presidente deu o melhor de si para assegurar que nosso país não mudasse de cor e para que o socialismo prevalecesse. Disse que mesmo enquanto ele estivesse vivo os revisionistas já fariam o que vêm fazendo. E disse que se agissem dessa forma, se tomassem esse caminho contrário à vertente de sangue dos nossos mártires os povos voltariam a sofrer mais uma vez.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

O presidente Mao insistiu sempre em dizer, sempre se preocupou com o povo chinês e alertou como ele sofreria se a China abandonasse o socialismo. Consequentemente, confiou nas massas e se recusou a recuar. Por que o presidente Mao lutou assim tão duramente por nós e se preocupou tanto conosco? Quais eram suas preocupações? Ele poderia então não se preocupar com que nosso país mudasse de cor e que o sangue de nossos mártires fosse vertido em vão? Ele poderia deixar de se preocupar com que nosso país se rendesse ao barbarismo e à escravidão? O que nossos mártires pensariam se soubessem que os valores do socialismo e a moral de nossa classe e nossa sociedade estivessem totalmente corrompidos, e que as vidas de nosso povo tivessem caído novamente em águas tão profundas? Então não é verdade que todas as preocupações do presidente Mao se tornaram realidade?

Nos reunimos aqui hoje não apenas para mostrar nossa profunda admiração pelo presidente Mao e nossos mártires. Nos reunimos aqui para afirmar que nossos mártires não sacrificaram suas vidas por nada. Se ainda temos nossas consciências, não podemos esquecer pelo que lutou o partido comunista. Hoje temos todos os elementos para saber que nosso presidente foi um mártir da revolução.

Reconhecemos com vergonha e lamentamos que perdemos o que você deixou para nós, a tarefa de sermos os donos do nosso país e o futuro luminoso do socialismo. Reconhecemos nossa falha. Mas nosso povo tem se despertado.

Nós sabemos que os revisionistas assaltaram o poder. Nós, o proletariado, somos unidos, determinados e destemidos. Estamos entoando nossa canção da batalha – A Internacional. Nós não confiamos em nenhum salvador, não confiamos em nenhum deus ou imperador. Nós confiamos somente em nós.

Este é nosso último esforço e estamos unidos para amanhã termos a vitória final do socialismo. Este país é nosso país e estes são os nossos povos. Os tambores da batalha estão tocando.

Nós estamos marchando para a frente para lutar contra os reacionários e para despedaçar definitivamente a burguesia. Nós queremos nos certificar de que as gerações vindouras não sofrerão outra vez. Sustentaremos uma vez mais a bandeira de Mao Tsetung. Lutaremos para construir o verdadeiro socialismo.

Viva o invencível pensamento de Mao Tsetung!

Viva a classe operária!


Um velho militante maoista e ex-combatente do Exército Popular de Libertação é entrevistado em uma rua de Pequim, na China (divulgado em janeiro de 2010)

Pergunta: — Você pode nos contar um pouco sobre o Presidente Mao?

Resposta:  — O Presidente Mao Tsetung é o Sol que nunca se põe. Assim como uma plantação não pode crescer  sem a chuva, a revolução não pode existir sem o pensamento de Mao Tsetung.

O Sol vermelho ergue-se ao leste. Nasce na China o Presidente Mao Tsetung.

Ele lutou pela felicidade das pessoas, é o salvador do nosso povo

O Rio Liuyang dá voltas e mais voltas. Ele percorre dezenas de quilômetros até o Rio Xiang. Na margem do rio há um povoado chamado Xiangtang. O Presidente Mao nasceu lá e nos levou à libertação, tornando-se mundialmente famoso.

O Presidente Mao é como os raios do sol nos cumes nevados. Temos de seguir as suas instruções. A finalidade da Revolução Cultural foi proteger o Estado proletário da restauração do capitalismo. A Revolução Cultural é a ditadura do proletariado.

A velha revolução democrática ocorreu antes do movimento de 4 de maio em 1919. A partir de então, passamos à época da nova revolução democrática. O período entre 1966-1976, conduzido pelo presidente Mao, é o da revolução socialista e da ditadura do proletariado.

A aliança operário-camponesa  derrubou o poder dos senhores e conquistou o poder para o povo. O Presidente Mao sempre foi revolucionário! Devemos seguir seu caminho, realizar a revolução e agarrar sem titubear a causa da Revolução Cultural Proletária e lutar pelo comunismo que é descrito no Manifesto Comunista de Marx: eliminar os capitalistas e a propriedade privada.

Dividir a riqueza entre os pobres da China e de todo o mundo.

Quem criou tudo o que vemos? Nós, a classe operária! Tudo deve pertencer aos trabalhadores e não a um bando de parasitas. Esta é a batalha final. Se nos mantivermos juntos e lutando, o comunismo será uma realidade.

Já disse o suficiente por hoje (comenta falando baixo). Passe depois em casa, quando tiver tempo. E se eu falar demais e "eles" (referindo-se ao governo) ouvirem o que eu digo, poderei ser decapitado. Já é o suficiente. A política  é algo arriscado e cabeças estão a prêmio.

A polícia é a pior de todas. Eles destruíram minha saúde, me mantiveram encarcerado durante décadas. Fui privado de alimentação suficiente, me aplicaram drogas que prejudicaram meu fígado, me torturaram, aplicaram choques elétricos. Essa polícia é fascista.

Em 13 de dezembro (de 2009), a polícia veio me provocar porque eu expunha meus painéis e minhas ideias.

O ministro do Gabinete de Segurança Pública, Hua Kuo-feng, é um ganancioso e usurpador. Antes dele assaltar o poder, a China teve três líderes: Presidente Mao, Comandante em Chefe Chu Te e o Primeiro Ministro Chu En-lai. Mas esse tempo terminou. Chiang Ching, companheira de Mao, foi presa por Hua Kuo-feng. Com uma máscara de "esquerda", Hua Kuo-feng praticou a contrarrevolução em nome da revolução. Ele era, na realidade, um direitista tentando minar a revolução de Mao.

Antigos companheiros me deram alguns conselhos. Eu quero corrigir meus erros e retomar rapidamente o caminho certo.

(Assista aos dois vídeos no blog da redação de AND: www.anovademocracia.com.br/blog)

 

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja