Teatro questionador a céu aberto

A- A A+

Há 37 anos fazendo teatro de rua pelo sertão, capitais, periferias e zonas rurais do Nordeste do Brasil, Júnio Santos atua no coletivo Cervantes, que troca experiências com outros grupos, promove oficinas e cursos em lugares onde o teatro não tinha chegado, incluindo áreas camponesas. Entre os textos encenados estão alguns didáticos, poesias ligadas aos folguedos e cordéis produzidos pelos próprios alunos.

72/12b.jpg
Cena da peça Cabeça de Papelão

— Nasci em uma família de oito filhos, todos artistas da música, sendo o único a enveredar pela área do teatro. E essa militância foi me descobrindo para a vida, me facilitando a ter acesso às informações que possuo hoje. Posso dizer que é difícil, mas prazeroso, fazer e viver de teatro popular em uma região tão complicada de se conseguir isso. Se já é difícil nas grandes capitais do Sudeste e do Sul, quanto mais aqui – fala Júnio.

— Não há apoio para aqueles que estão levando o que sabem para o povo. Dizendo que teatro não é prioridade de ninguém, e sim uma forma que todos os seres humanos têm de se expressar através da arte. E o teatro é completo, abrangendo a música, dança, literatura, artesanato, artes plásticas, e mais. Trocamos tudo isso com a comunidade – continua.

Entre muitos trabalhos de oficinas e participações em diversos grupos de teatro de rua no Nordeste e outras regiões do país, Júnio atua no momento no coletivo Cervantes do Brasil.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

— O Cervantes não tem um número de pessoas definido, porque é aberto para trabalhar com outras trupes. Participamos da Rede brasileira de teatro de rua, e esse contato tem nos proporcionado atuar em diversos festivais em São Paulo, Paraíba, aqui no Rio Grande do Norte, e outros locais – conta.

— Quando conseguimos captar algum recurso, normalmente em editais, juntamos com grupos menores, que ainda não conseguem fazer um projeto. Temos tido sorte de alcançar esses recursos, ajudados também por nossa experiência, mas isso não é fácil – expõe.

— Trabalhamos com muitos grupos, em assentamentos por exemplo, com pessoas que aprenderam a ler agora, exatamente através do teatro. Além disso, as escolas não costumam ensinar a fazer projetos. Alguns saem até mesmo da universidade sem saber. Mas tenho orgulho de dizer que hoje somos uma grande fábrica de cordéis, que nos trazem recursos quando vendidos, e também são encenados – fala com alegria.

Além dos cordéis produzidos pelos alunos, Júnio diz que normalmente encena textos seus e outros que surgem dos trabalhos de oficinas de dramaturgia e cursos.

— Normalmente procuramos falar sobre a comunidade e o que ela gostaria de dizer para o mundo. Alguns são didáticos, voltados para situações atuais, como prostituição infantil, tráfico de pessoas e doenças que estão chegando ao local. Por exemplo, A venda do mosquito, sobre uma prefeitura que acabou com o mosquito da dengue e por conta disso parou de receber recursos. Então importa novos mosquitos para si e para vender às outras – conta.

— Temos tido uma grande parceria com a comunidade, e isso nos fortalece. Mas este ato provocou reações das mais distintas. Até cadeia já tivemos, por motivos banais, fúteis, simplesmente pelo fato dos poderosos não conseguirem absorver as críticas ditas pelo povo. O espetáculo se transforma em uma obra de arte questionadora, provocadora, buscando de todo jeito uma transformação – continua.

Praças proibidas

— Tenho sempre atuado ao ar livre, nas praças, mas, infelizmente nos últimos oito anos elas têm deixado de ser do povo. Estão sendo sucateadas, privatizadas, ficando disponíveis somente para ações diretas do poder público. Isso nos lembra até a época do regime militar, quando não se podia reunir um grupo em uma praça que já era quadrilha. Hoje, qualquer grupo de teatro já é chamado de quadrilha pelos poderosos – denuncia Júnio.

— Temos visto vários artistas sendo perseguidos. No último dia 23 de outubro, no Rio Grande do Sul, um grupo de teatro foi posto para fora da praça pela polícia, porque estava apresentando Brecht para o povo. E como é um autor atual que faz pensar, refletir, eles perseguem – acrescenta.

Júnio diz que essa proibição não está afetando somente o pessoal de teatro, mas todo artista de rua, que usa as praças como palco.

— Aquele companheiro que vai, por exemplo, cantar um coco, tocar uma sanfona, fazer uma mágica nas praças, está sofrendo bastante. Isso é arte, mas também é o seu trabalho. Ele está garantindo o seu almoço, levando sustento para sua família. Mas é afrontado pela guarda municipal e proibido de trabalhar – declara.

— Porém, na época das eleições os poderosos empurram seus carros de som, com alturas acima do permitido por lei, e perturbam a nossa paz com os panfletos. Isso não tem problema algum, porque agem como se fossem os donos da rua, das praças, da comunicação. E nos perseguem, proibindo de mantermos um elo com o povo. Muitos dos nossos companheiros já foram presos por conta disso – acrescenta.

— No último 23 de agosto, dia nacional do artista de rua, muita gente foi para as ruas dizer que as praças não são mais do povo. As pessoas não sabem, mas temos que pagar taxas altíssimas para usá-las. Em São Paulo chega a R$ 147, se não usar discos de energia. É como se fossem pautas para o teatro. Em Belo Horizonte, MG, recentemente o governo fechou uma praça com tapumes e cobrou dinheiro para alguém se apresentar lá dentro – continua.

Mas Júnio não se intimida e circula com arte por várias cidades. Segundo conta, Macau, RN, é a trigésima que reside.

— No litoral do estado, ela é muito rica na exploração do petróleo, turismo e pesca. Ao mesmo tempo, muito pobre para o povo. Basta dizer que acesso por telefone é coisa complicada. No momento só dá sinal embaixo de uma árvore aqui perto. O pessoal atende em casa e corre para debaixo da árvore. Imagina que situação – finaliza.



Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja