Editorial - Maquiagem da crise econômica incuba crise política

A- A A+
Pin It

Desde o estouro da bolha imobiliária no USA, em 2007, como um formidável aprofundamento da crise de superprodução relativa, dentro da crise geral que o capitalismo se debate há décadas, que sucessivas quebras vêm sendo registradas, principalmente na Europa.

Qual um efeito dominó, as economias nacionais vão tombando ante a crise, deixando evidentes que o socorro estatal, por maior que seja, não é capaz de sustentar uma recuperação mais consistente até agora. Certeza mesmo, só a de que a fatura já chegou para os povos das semicolônias, desde sempre condenados pelos monopólios a pagar por seus prejuízos.

O oportunismo à cabeça do velho Estado semifeudal e semicolonial brasileiro, entretanto, fiel ao seu desígnio de não interromper a pilhagem das riquezas nacionais pelo imperialismo e facilitar a exploração da força de trabalho de nosso povo pelos monopólios, tratou de minimizar através da contrapropaganda os efeitos da crise, tratando-a por "marolinha". Efetivamente, porém, tratou de fazer uma maquiagem completa na economia, empurrando adiante seu agravamento no país.

E são diversas as maneiras que a gerência Luiz Inácio utilizou para mascarar a crise. Uns permanecem obscuros para a maioria da população e outros são utilizados descaradamente como propaganda de uma suposta "vitalidade" e blindagem da economia ante a crise que assola o mundo inteiro, porém manifestando-se de maneira desigual.

A começar pelo crescente déficit no balanço de pagamentos, que AND e Adriano Benayon vêm destacando aqui há anos. O último balanço divulgado pelo Banco Central revela que só em outubro o déficit foi de US$ 3,7 bilhões, acumulando neste ano US$ 38,76 bilhões. Nos últimos 12 meses, o acumulado atinge US$ 47,987 bilhões. Os Investimentos Diretos Estrangeiros (IDEs) somam US$ 36,117 bilhões em 12 meses, e aqui são empregados em fusões e aquisições de empresas por transnacionais e não aplicados em produção.

A marcada tendência de aumento do déficit na balança de pagamentos é sinalizadora da acentuada desnacionalização da economia nacional, como vem demonstrando também Adriano Benayon em uma série de artigos (parte II nesta edição).

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Some-se a isso o continuado processo de desindustrialização do país, coisa que sempre foi negada por Luiz Inácio. Agora, eis que surge um documento reservado do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), expressando preocupação com a "preocupante desindustrialização negativa".

No mesmo documento, lê-se que é evidente a "reprimarização" da pauta de exportações do país, numa referência ao óbvio: que a gerência oportunista, cumprindo ordens do imperialismo e satisfazendo os interesses de latifundiários e da grande burguesia compradora, promoveu a rédeas soltas a exportação de produtos primários (soja, minério de ferro e outras commodities). No primeiro semestre deste ano, a participação dos produtos manufaturados nas exportações foi de apenas 40,5 %, cabendo o restante aos produtos primários ou semimanufaturados. Com relação ao PIB, a participação da indústria no Produto Interno Bruto (PIB) caiu de 30,1% em 2004 para 25,4% em 2009 (5% em cinco anos!).

A indústria de transformação, por sua vez, que chegou a US$ 31,9 bilhões de superávit em 2005, desde 2008 importa mais do que exporta e só no primeiro semestre de 2010 o déficit chegou a  US$ 13,9 bilhões.

Há ainda a prestação de serviços que o Banco Central faz ao USA, estocando cada vez mais dólares em reservas que se desvalorizam em ritmo galopante.

Já o endividamento crescente dos brasileiros é até usado como publicidade pelo gerenciamento Luiz Inácio. A ampliação do crédito visando movimentar a economia e capitalizar bancos afeta uma enormidade de famílias que não tem mais como pagar suas contas. A Confederação Nacional do Consumidor (CNC) divulgou a Pesquisa de Endividamento e inadimplência do Consumidor (PEIC), que revela que o índice de famílias com dívidas ou contas em atraso chegou a 59,8% em novembro, contra 58,6% em outubro. Ou seja, mais da metade dos brasileiros não consegue pagar suas contas. Em fevereiro de 2010, as dívidas dos brasileiros chegavam a R$ 555 bilhões.

Tal resultado só foi possível graças às "maravilhas" exigidas pelo capital financeiro e atendidas pronta e fielmente pelo gerenciamento petista, como o crédito consignado, crediários a perder de vista, financiamentos de veículos e imóveis, empréstimos pessoais, etc., etc. E isso ainda foi vendido pela campanha eleitoral petista como grande realização e elevação da renda dos brasileiros.

Pois bem, todas essas manobras que visam adiar o desborde da crise no Brasil têm o prazo de vencimento para os próximos anos, estando Dilma com uma bomba relógio em seu colo. A situação é mais grave tratando-se de quem não tem estofo, menos ainda a manha com que se opera nas mais altas esferas da política oficial do país para manobrar na inevitável crise política que deve sobrevir ao estouro da crise econômica. Aliás, a maquiagem de que falamos, ao jogar para frente os efeitos duma crise em curso, só faz agravá-la, acumulando material inflamável para uma crise política de proporções imprevistas.

A essa crise econômico-política, as massas trabalhadoras precisam responder não somente com lutas, mas com uma luta mais organizada, independente dos partidos e movimentos oportunistas. Os democratas mais consequentes e todos os revolucionários devem seguir dando combate aos gerenciamentos de turno sem consideração nenhuma que não a da defesa dos interesses das massas populares. É preciso apoiar decididamente suas lutas de resistência no campo e na cidade, levantando o mais alto a bandeira e o programa de transformações revolucionárias da nova democracia, contra o imperialismo e seus lacaios de plantão.


LEIA TAMBÉM

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja