Tormenta e protestos na Europa em crise

A- A A+
73/16b.jpg
Espanha: trabalhadores em greve surpresa

Os trabalhadores da Europa mostraram no último mês, com novas greves e protestos, que não haverá descanso para os dirigentes da Europa enquanto persistirem as tentativas de fazerem as massas pagarem o pato da agonia dos ricos industriais e banqueiros acossados pela crise geral dos monopólios.

Na Espanha, cerca de 2.500 controladores aéreos iniciaram uma greve surpresa no dia 4 de dezembro, um sábado, contra a privatização da AENA, agência que administra os 24 principais aeroportos do país. O golpe vendepátria foi anunciado dois dias antes da greve pela gerência de José Luis Zapatero.

A circulação de aviões na Espanha foi interrompida por 24 horas. Além disso, os trabalhadores, marcando o caráter de classe do seu movimento, deixaram claro que a ação foi motivada também pelas medidas exigidas pela burguesia europeia contra as classes trabalhadoras da Espanha, como o fim do subsídio para os desempregados de longa duração.

A reação mostrou os dentes. A gerência da Espanha decretou "estado de alerta" no país pela primeira vez em mais de 35 anos, ameaçou os grevistas com prisão e militarizou o espaço aéreo do país. O dispositivo não era acionado desde o fim do regime fascista de Francisco Franco. Como Franco, Zapatero decretou o alerta do Estado opressor contra o povo em luta, e tentou justificar a medida dizendo que a greve dos controladores foi uma "afronta constitucional", deixando claro que haverá retaliação contra os atos de "aberta rebeldia em relação ao Estado".

A perseguição fascista veio a cavalo. Na capital espanhola, Madri, a polícia invadiu um hotel para identificar e intimidar os trabalhadores que estavam reunidos ali para organizar o movimento. Logo em seguida o judiciário do país abriu os respectivos processos contra mais de cem controladores, que foram convocados para se explicar.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Possibilidade de greve europeia

No dia 9 de dezembro, 120 mil trabalhadores, a maioria da saúde e da educação, participaram de uma greve de 24 horas na República Tcheca contra a decisão da gerência local de cortar em 10% os salários dos funcionários públicos, entre outras medidas antipovo. O proletariado tcheco unido já avisou que haverá greve geral caso os lacaios do imperialismo europeu que gerenciam o país não retrocedam em sua tentativa de oferecer as massas em sacrifício para os monopólios alemães, franceses e britânicos.

Na Grécia, no dia 13 de dezembro, uma segunda-feira, os trabalhadores dos transportes públicos e das ferrovias de todo o país iniciaram uma greve e levaram a cabo manifestações contra os cortes de salários no setor, facilitação de demissões e outras "flexibilizações" de direitos trabalhistas, como a supressão do pagamento de 10% pelas horas extras e prolongamento do período de experiência dos contratos de um para dois anos — medidas anunciadas pela gerência grega como parte do pacote de "ajustes" requisitado pelos banqueiros da Europa do capital.

Os trabalhadores dos transportes anunciaram uma semana inteira de protestos e participaram da greve geral da quarta-feira dia 15 de dezembro, a oitava na Grécia em 2010, desta vez com a adesão dos controladores aéreos, e mais uma organizada pelo proletariado grego empenhado em não deixar passar a parte reservada à Grécia da ampla ofensiva antipovo arquitetada pelos chefes do imperialismo europeu para ser levada a cabo em seu próprio quintal.

O movimento estudantil na Europa também está de ânimo revigorado e bastante consciente do seu papel na luta contra a opressão capitalista. Na Grã-Bretanha, milhares de estudantes voltaram às ruas no dia 9 de dezembro para protestar contra a reforma na educação pretendida pela administração de David Cameron. A juventude chegou a cercar o carro de luxo onde seguia o "príncipe" Charles, sacudindo o veículo e gritando-lhe os avisos das ruas, desafiando a falsa autoridade da realeza sanguessuga. Milhares de jovens tomaram as ruas de Londres e outras cidades durante dias seguidos e enfrentaram com combatividade as forças de repressão.

Na Itália, estudantes ergueram barricadas, bloquearam rodovias, ferrovias e até cidades inteiras para repudiar a contra-reforma do sistema universitário.

Em dezembro houve também protestos, marchas, greves e enfrentamentos em países como Portugal, França e Finlândia, e já se planeja uma greve conjunta europeia.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja