O velho Estado é o verdadeiro crime organizado

A- A A+
Pin It

73/09b.jpg

No domingo, dia 5 de dezembro, o jornal Público, o maior de Portugal, publicou uma entrevista com o jornalista brasileiro Zuenir Ventura, velho adepto do discurso da conciliação de classes – aquele que historicamente não tem outro objetivo senão o de esfriar o ânimo revolucionário das massas – sobre os acontecimentos na Vila Cruzeiro e no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro.

Zuenir é autor de um livro "clássico" para os demagogos que se debruçam sobre a questão da violência urbana no Rio: "Cidade Partida". Em síntese, ele propõe incorporar a massa de excluídos à chamada "sociedade" – esta palavra tão cara à direita, porque pode ser repetida à vontade pelos inimigos do povo sem que se carregue o ônus de dizer o que ela realmente significa, ou seja, o sistema de exploração do homem pelo homem.

A "inclusão dos excluídos" é uma velha reivindicação das elites da "sociedade" burguesa, é objeto das políticas sociais geridas pelo velho Estado, mas sempre na condição de oprimidos e explorados, que fique bem claro!

E foi nessa linha que Zuenir fez ao Público declarações sobre a ofensiva policial no Rio que viraram título da reportagem do jornal português: "Esta guerra vai ter muitas batalhas", mas a mais importante é a "invasão de cidadania". Foi a cereja no bolo da hipocrisia que cresceu ao longo de toda uma semana, onde teve até repórter da Rede Globo mostrando uma britadeira da prefeitura carioca rasgando o asfalto logo de manhã cedo no Complexo do Alemão e dizendo que naquele dia a "comunidade" acordava com o "barulho do bem".

De Zuenir a Sérgio Cabral Filho, passando pelos comandantes do Bope e por cada um dos funcionários do monopólio dos meios de comunicação destacados para o conjunto de favelas da Penha e pelos sociólogos e antropólogos de aluguel acotovelando-se por mais tempo de microfone na Globo, enfim, todas as figuras e forças pouco ou nada identificadas com as classes populares do Rio de Janeiro recorreram ao mesmíssimo estratagema para tentar escamotear as contradições afloradas na dita e assim repetida "guerra do Rio".

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

O estratagema do "bem" contra o "mal"

O estratagema de se recorrer à dicotomia demagógica entre "o bem" e "o mal" em meio às incursões policiais nas favelas e bairros populares do Rio de Janeiro tem a função de mascarar com mistificações a realidade que realmente interessa: a das contradições insanáveis entre os anseios das classes populares e os interesses das classes dominentes, a substituição dos direitos básicos que as classes trabalhadoras historicamente conquistaram pelo Estado policial, a penitenciária como política habitacional do capitalismo agonizante, etc.

Outro engodo muito difundido pelas elites é o de que as trocas de tiros no Rio de Janeiro entre grupos de traficantes de drogas e policiais transformaram a cidade em uma verdadeira zona de guerra.

Muitos dizem que "o Rio é o Iraque", o que serve apenas para anistiar a polícia ora sob as ordens de Cabral e Beltrame, sem isentar Eduardo Paes, Luiz Inácio (até então) e em breve (e já declaradamente) Dilma Roussef, quando ela meta balas na cabeça de crianças, o que em zona de guerra pode ser encarado como "efeito colateral", ou faz revistas abusivas e truculentas nas casas do proletariado. Se há algo no Rio parecido com o Iraque, é que uma força opressora usa e abusa das mentiras e da demagogia para invadir, ocupar e tentar manter o povo sob vigilância e controle.

Assim, as classes dominantes tentam fazer crer que o tráfico de drogas é um câncer em um sistema supostamente sadio, mas que na verdade é um sistema gerido com políticas cada vez mais antipovo, fascistas, que não para de espalhar precariedade e miséria entre os deserdados da terra.

Não há dúvidas: os traficantes de drogas são inimigos do povo trabalhador, porque o oprimem. Mas o velho Estado brasileiro não é menos opressor, nem tampouco menos violento, porque mata, ameaça, humilha, cerceia e nega direitos aos trabalhadores como um "bandido" qualquer. Traficantes, entretanto, agrupam-se em gangues que se desfazem com um tiro no ar. O Estado semifeudal, semicolonial e policial é o verdadeiro crime organizado contra as massas populares.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja