São Paulo: Abandonados sob as águas

Na edição número 68 de AND denunciamos a caótica situação dos bairros Jardim Romano e Pantanal, na zona Leste de São Paulo (várzea do rio Tietê), que ficaram submersos durante dois longos meses. Até hoje, os moradores que perderam tudo continuam lutando para que os gerenciamentos estadual e municipal se responsabilizem pelas suas perdas humanas e materiais.

74/07b1.jpg 74/07b2.jpg
Ruas e casas romadas pela água no Jardim Margarida, São Paulo

A única medida paliativa tomada pelos (des)governos foi a concessão de uma bolsa aluguel (três parcelas de 300 reais) às vítimas. Os poucos moradores que aceitaram as propostas dos gerenciamentos de turno, ao voltarem ao local encontraram suas casas derrubadas, e ficaram sem ter onde morar.  Outros decidiram não aceitar a bolsa aluguel e exigem uma nova casa como indenização pelos danos sofridos.

A construção de um dique deu solução provisória às inundações no Jardim Romano. Uma das margens do rio foi elevada em 5 metros e, até o momento, não houve enchentes. Porém, nos bairros ao redor e na outra margem do rio, como nos anos anteriores, voltou a se sentir o reflexo do descaso dos governos.

Com a contenção do Jardim Romano, as águas voltaram com maior intensidade, inundando rapidamente as outras regiões, que também ficaram alagadas nas enchentes do ano passado, mas não foram contempladas com a construção do dique.

No jardim Margarida, o Córrego Tijuco Preto não consegue desaguar mais no rio Tietê e as águas barrentas invadiram as casas.

Ano passado, vieram aqui oferecer 2 mil reais e o aluguel social, e nós não queremos. Nós queremos uma casa pela outra, aqui no bairro mesmo. Eles nos deixam nessa situação, por que querem nos tirar daqui para fazer o parque Linear. Se limpassem e canalizassem o córrego, resolviam o problema, mas a prefeitura não o faz. Eu não quero ficar debaixo da ponte. Estão nos abandonando, mas quando é pra votar eles nos enxergam, mandam cartas e lembram da periferia. Somos pobres e não temos para onde ir. Se todos tivessem condições, não estariam morando aqui. Queremos outra casa, mas que seja descente — protesta dona Jolina, moradora da região.

Jardim Margarida, 16 de janeiro de 2011

Na Vila Itaim, na esquina das ruas Forquilha com Manuel Duarte Ferro, moradores tiveram de construir uma ponte improvisada sobre as ruas para chegarem em casa. Segundo a moradora Luciana, a situação se agravou porque, além do dique, a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) derrama as águas retiradas por bombas do reservatório do próprio dique e derrama de volta no rio, fazendo com que os bairros vizinhos fiquem alagados.

74/07b3.jpg 74/07b4.jpg

Priorizaram o jardim Romano, porque lá tem CEU (Centro Educacional Unificado), os prédios da caixa e a área construtora Tenda. Empurraram o problema para nós. A prefeitura não dá solução para nossos terrenos, que são particulares, mas nós não podemos construir nada, porque agora eles falam que vão tirar todos daqui, então não sabemos o que vai acontecer — afirma dona Luciana.

No ano passado, foram tiradas muitas famílias da região através do aluguel social, mas nós não saímos para que a prefeitura não derrubasse nossas casas, depois que parou a chuva, ninguém mexeu com mais nada, eles falaram que assim que secasse, entrariam em contato para fazer cadastro para apartamentos e estamos esperando até hoje, sem nenhum parecer, agora com a nova enchente não aparece ninguém, tem umas 100 famílias aqui nesta situação — protesta veementemente Manuel Duarte Ferro, também morador da região.

Na outra margem do Tietê a situação é ainda pior. No extremo do município de Guarulhos, o bairro Vila Any está completamente submerso. A estrada do Itaim, às margens do rio Tietê, ficou debaixo d'água e, por se tratar de uma região de favela, a prefeitura (do PT) sequer se manifestou.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia


NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin