Greve reacende lutas operárias em Pernambuco

A- A A+
Pin It
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

O consórcio Conest é composto pela OAS e a Odebrecht, que são responsáveis pela construção das unidades UHDT e UDA da refinaria Abreu e Lima no Complexo Industrial e Petroquímico de Suape. Ali também se instalaram, operando dentro dos mais de 13 mil hectares, outras empresas do ramo da construção pesada, como a gigante Queiroz Galvão e outras terceirizadas, um conjunto variado de transnacionais que abrangem vários ramos de indústrias, além do estaleiro e do complexo portuário.

Neste mosaico de exploração, a concentração de operários é massiva, os salários são miseráveis e os trabalhadores têm seus diretos mais básicos pisoteados.

Um operário da OAS que não quis se identificar relatou: "Nos trazem comida que nem um porco come, é estragada, podre mesmo, até tapurú (larvas) e as moscas ficam rondando e somos obrigados a comer... Além do mais as marmitas vêm com pouca comida e não podemos repetir, é uma pra cada um. Já os encarregados, gerentes, engenheiros e pessoal técnico, comem bem, comem em lugar separado, e a comida deles é sadia, além de poderem comer o quanto quiserem".

Outro operário da Pampulha Engenharia, terceirizada da Odebrecht, nos conta que enfrentam "uma fila quilométrica com mais ou menos 9 mil companheiros pra almoçar" e que só tem uma hora para comer. Um outro funcionário alega que foi demitido por reclamar da comida, do salário e do pagamento das horas extras. Ao procurar o sindicato: nova decepção.

 "Um pedreiro aqui ganha 917,00 R$ e um auxiliar ganha 630,00. Falei pro chefe ontem e por esse motivo fui demitido".  Outro operário denuncia: "sou carpinteiro e recebo R$ 792,00... na mesma OAS, na obra de duplicação da BR 101, ganham mais de 900,00 R$ e é pertinho daqui ...trabalhamos 9 horas ou mais e não recebemos hora extra".

O aspecto que mais nos chamou atenção é o da militarização do trabalho, lei do silêncio e as revistas humilhantes. Tudo é controlado e vigiado. Há polícia privada e PMs por todos os lados. Existe também um "Dialogo Diário de Segurança". "O governo na televisão fala que Suape é uma maravilha", nos conta outro trabalhador.

A expropriação e expulsão dos camponeses pobres

Ao longo dos 13 mil hectares do complexo industrial e petroquímico de Suape, existiam famílias de posseiros que foram expulsas de suas terras e centenas de camponeses pobres que ainda estão dispersos nos vilarejos e arruados dos antigos engenhos. Moradores dos engenhos Mercês e Pueirinha, assim como as 48 famílias de camponeses, pescadores e catadores da ilha de Itatuoca sofrem constantes ameaças de expulsão.

A política de indenizações de Suape é a mais desumana imaginável. Quando pagam as indenizações das terras, benfeitorias e casas dos sitiantes pobres, pagam tão pouco que não se garante sua sobrevivência e eles são forçados a migrar para as periferias de Ipojuca, Cabo ou Recife.

"Somos daqui, nascemos e vivemos sempre aqui, eles nos tomaram tudo", denunciou um morador. Outro acrescentou: "devoraram o mangue, aterraram e tomaram conta da praia e hoje não temos como sobreviver, pescar, etc".

A Greve no Conest

Os ingredientes que fermentaram a rebelião operária foram a super exploração e a ganância patronal, as condições perversas de trabalho, jornadas prolongadas e alojamentos que mais parecem senzalas.

Os trabalhadores denunciam que o Sindicato dos Trabalhadores na Construção de Estradas, Pavimentação e Terraplenagem em Geral do Estado de Pernambuco - Sintepav, pelego e controlado pelos patrões, agiu como verdadeiro capitão do mato a serviço dos exploradores.

O movimento grevista eclodiu espontaneamente, muito tímido no início, porém sinalizava muita combatividade. Tudo sugeria que ele não iria muito longe, mas foi ganhando força, e rapidamente encurralando os patrões, que tiveram que colocar sua tropa de choque em ação. O Sintepav interviu com caminhão de som em favor dos patrões, intimidando os grevistas e repercutindo as ameaças da classe patronal e os trabalhadores denunciam que provocador ligado ao sindicato pró-patronal teria se infiltrado no protesto disparando contra os grevistas, ferindo um gravemente e matando outro.

"O SINTEPAV (apoiado pela Força Sindical e que não é reconhecido pelos trabalhadores) compareceu na mobilização com o objetivo de acabar com a greve ao invés de defender os trabalhadores. Fazendo o jogo da patronal de forma covarde, um dos capangas de Aldo Amaral, presidente do sindicato, atirou contra os operários que se negaram à volta ao trabalho. Este fato levou um dos operários à morte por infarto, por causa do susto, e dois outros feridos, um no braço e outro na boca. Este último foi removido para o Hospital Português e está sem contato com os companheiros de trabalho." [fonte: conlutas.org.br]

Os operários impuseram tenaz resistência e a greve se prolongou por dez dias conquistando vitórias políticas, embora parciais, como estabilidade da comissão e dos operários que participaram da greve e um mês para negociar os pontos contidos na pauta de reivindicação.

O exemplo do movimento grevista contagiou trabalhadores de outras empresas e, no dia dia 16 de fevereiro, os operários do estaleiro Atlântico Sul tomaram a iniciativa e organizaram-se, paralisando as operações do estaleiro, motivados por salários atrasados dentre outras reivindicações. Uma só faísca é capaz de incendiar a campina.



Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja