Editorial - Dois caminhos nas rebeliões árabes

A- A A+
Pin It
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Os países do norte da África e do Oriente Médio estão em convulsão. Um após o outro, os povos da região se insurgiram espontaneamente levantando bandeiras democráticas e exigindo emprego, diminuição dos preços dos alimentos, melhores condições de vida, o fim da corrupção, etc.

Engana-se quem acredita que os protestos se dirigiam exclusivamente à derrubada de um ou outro tirano e que os arremedos de "transição" chefiados por militares conduzirão à realização das aspirações das massas.

Apanhados de surpresa pelos levantes, os presidentes dos países imperialistas primeiro fizeram declarações de apoio aos seus lacaios, para depois, vendo a consistência dos protestos, clamar para que as manifestações não fossem reprimidas "com violência" e que se fizesse uma transição pacífica. Nesse meio tempo, as coisas foram se arranjando entre os plenipotenciários imperialistas e os chefes da forças armadas desses países.

No Egito, milhões de pessoas se acotovelaram nas praças das principais cidades do país por 18 dias até que fosse acertada a saída de Hosni Mubarak, no poder há 30 anos, e uma transição comandada pelos generais do exército, com uma eleição programada para setembro, com tempo de sobra para que se assegure que o próximo gerente do Estado egípcio seja tão ou mais subserviente aos interesses do imperialismo ianque.

Assim também na Tunísia o imperialismo não economizou esforços para que Ben Ali se escafedesse e deixasse em seu lugar gente capacitada para manter intactos os interesses da grande burguesia e dos monopólios imperialistas.

Em países como a Argélia e Jordânia, os governos acenaram com algumas concessões para as massas, o que veio combinado com a repressão. Em outros, como Iêmen e Bahrein, apenas a repressão se fez presente, o que não diminuiu o ímpeto das massas. No Bahrein, pequena ilha, no Golfo Pérsico, sede da V Frota do USA, uma prova da Fórmula 1 foi cancelada por "problemas de segurança".

Na Líbia, depois de mais de 40 anos, Muamar Kadafi balança, enfrentando a maior oposição nas ruas em décadas. O USA não perdeu a oportunidade e fomenta a rebelião para derrubar o "ditador" e instaurar uma "democracia" ao seu estilo, como feito no Iraque desde 2003.

A fama de socialista ou de esquerda adquirida por Kadafi, na verdade em razão de seu passado de radical anti-imperialista, deixa o monopólio de imprensa tão assanhado a ponto de botarem no centro dos acontecimentos os protestos na Líbia, apresentando Kadafi como o "mais sanguinário ditador". A gravidade da situação da Líbia, dada sua composição social com várias etnias e tribos, tende a agravar-se numa guerra civil, na qual o imperialismo intervirá, através da OTAN, sob a justificativa da segurança europeia e do abastecimento de petróleo.

O certo é que a justa rebelião das massas encontrou as baionetas assassinas e milhares de jovens árabes foram mortos em nome da revolução e da democracia que, ao que tudo indica, além de seus simulacros e farsas, não chegarão ao mundo árabe agora. Nada irá além da reestruturação do velho Estado, seguindo o velho caminho burocrático das classes dominantes.

E a principal razão disso é a ausência de uma vanguarda revolucionária consequente, capaz de conduzir o levantamento para o caminho da revolução até o fim.

Os partidos na região que se denominam comunistas há muito são organizações revisionistas, anquilosados reformistas, incapazes de dirigir movimentos dessa natureza e presas fáceis das manobras, acordos e concertações manejados pelos ianques, quando não instrumentos dóceis dos mesmos. O Partido Comunista do Egito defende medidas de reestruturação do Estado, como a derrubada de Mubarak e a instalação de uma constituinte, nada sobre destruir o velho Estado e construir um novo poder das massas populares.

Também os revisionistas, trotskistas e todo tipo de oportunistas, que aclamaram as rebeliões árabes como revoluções, devem ser desmascarados, porque lá, pela própria ausência de uma vanguarda proletária minimamente organizada, a situação revolucionária tão pujante como a que sacode tais países não pode sequer desenvolver-se em crise revolucionária, menos ainda numa revolução. Revolução é um processo social que, ao sacudir toda a velha ordem estabelecida, as classes exploradas e oprimidas derrubam pela violência o poder das classes exploradoras e opressoras, destroem sua máquina estatal e edificam uma nova ordem, um novo Estado, expressão do poder político das classes revolucionárias. Este, o novo caminho democrático das massas populares.

Ademais, os recentes levantamentos nos países árabes guardam muita semelhança com as rebeliões e protestos na América Latina, como na Argentina em 2001, no Equador em 2000 e 2005 e na Bolívia em 2005. Nessas ocasiões, os massivos protestos e mesmo rebeliões armadas, como no caso da Bolívia, foram empalmadas por partidos oportunistas que desviaram as massas populares radicalizadas do caminho revolucionário. O protagonismo do oportunismo no nefasto papel de compromissos com as classes dominantes locais e com o imperialismo para impor a via eleitoral burguesa o cacifou para que, em cada um desses países e ao seu tempo, ascendessem à gerência do velho Estado.

Na prática, esses governos pendem entre as juras de amor ao capital financeiro e o apoio dos "movimentos sociais" corporativizados pelo Estado reacionário genocida. No entanto, como se comprova na Bolívia, as massas já estão despertas para a política fascista antipovo e vendepátria aplicada por essas gerências.

E se é verdade que na oportunidade desses eventos aqui na América Latina e lá no norte da África e no Oriente Médio não houve uma direção revolucionária consequente, também é verdade que as próprias massas, tendo o proletariado como classe dirigente, ainda que necessite mais tempo, inevitavelmente forjará a vanguarda, o partido que as conduzirá para o caminho da revolução de nova democracia.

Por hora seguirá a luta entre os dois caminhos, o velho caminho burocrático irá se desgastar e desmascarar, enquanto o novo caminho democrático das massas populares se imporá mais dia menos dia.


LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja