Manifestação em São Paulo paralisou um dos maiores centros financeiros do mundo: Um autêntico 1º de maio operário-camponês

A- A A+
 

"Este é um 1º de maio sem pelego em sem patrão, aqui não estão sendo sorteados apartamentos e carros. É o dia do proletariado, das classes trabalhadoras, não é a fanfarra oportunista e governista, é um dia de luta celebrado pelos trabalhadores em todo o mundo. É o dia do internacionalismo, de celebrar os laços indestrutíveis da classe operária de todos os países. Viva o 1º de maio classista!"

77/08a.jpg
Centenas de pessoas celebram o 1º de maio classista no centro de SP

Centenas de camponeses, operários e estudantes de diversas regiões do país haviam celebrado encontros e reuniões de suas coordenações nacionais em São Paulo nas vésperas do 1º de maio. A Liga Operária, A Liga dos Camponeses Pobres e o MEPR haviam acertado o dia 2 de maio, segunda-feira, e não o 1º de maio, um domingo, para se reunirem após os seus respectivos encontros e realizarem uma combativa manifestação no centro da capital paulista. No dia 1º, como de praxe, as centrais governistas iriam promover shows, sorteios de brindes e promover seu festival de bajulação às classes dominantes, esbanjando degeneração e colaboração de classe.

Há semanas, a Liga Operária e a Liga dos Camponeses Pobres haviam convocado a manifestação. Panfletos e cartazes eram divulgados em São Paulo e outras regiões. O plano era realizar uma combativa demonstração de classismo, organização, firmeza e combatividade em pleno centro de São Paulo para todos os trabalhadores. Uma convocação para a luta.

Os que lutam

Nos dias 30 de abril e 1º de maio, a Liga dos Camponeses Pobres realizou uma reunião nacional de dirigentes e ativistas do movimento camponês combativo de todo o país. Em sua reunião estavam representantes das áreas revolucionárias de diversos estados. Estes, por sua vez, representando milhares de camponeses organizados sob a bandeira da revolução agrária. São famílias que tomaram latifúndios, realizaram o corte popular das terras e produzem. Entre eles estão os camponeses que retomaram, em meados do ano passado, o latifúndio Santa Elina, em Corumbiara – RO, terras da histórica resistência camponesa de 9 de agosto de 1995, luta que deu origem à Liga dos Camponeses Pobres. Camponeses de todo o Brasil, que lutam de Norte a Sul, balancearam e planificaram a luta pela destruição do latifúndio, pela conquista da terra e pela produção.

No dia 10 de maio a Liga Operária reuniu seus núcleos organizados em diferentes regiões do país e avaliou as recentes rebeliões operárias nas obras do PAC e em diversos canteiros de obras espalhados por todo o país. Debateram a necessidade de aprofundar a propaganda da luta classista e como expandir a sua organização, de modo a atingir um número maior de trabalhadores, correspondendo assim às lutas cada vez mais combativas e radicalizadas que se sucedem.

O MEPR participou do 1º de maio classista mobilizando as escolas e universidades do centro de São Paulo, participou das panfletagens e divulgação da manifestação nos dias que a antecederam e, após o encerramento de seu VII encontro nacional montaram grupos de agitadores que convocaram estudantes secundaristas e universitários para engrossarem as fileiras operárias e camponesas na manifestação.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Uma demonstração de classe

Na manhã do dia 2 de maio, no vão livre do Museu de Arte de São Paulo – MASP, na Avenida Paulista, região central de São Paulo, delegações de estudantes, professores e operários de Minas Gerais se juntaram a representantes de organizações classistas, de associações de moradores, de favelas do Rio de Janeiro, bem como trabalhadores metroviários, estudantes, vendedores ambulantes de São Paulo. A eles, após o encerramento de seus respectivos encontros e reuniões nacionais, se uniram os camponeses, operários e estudantes.

Também atenderam à convocação do 1º de maio classista a Frente Revolucionária de Defesa dos Direitos do Povo - FRDDP, o Movimento Feminino Popular - MFP, o Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos - Cebraspo, a Liga Internacional de Luta dos Povos - ILPS, a Associação Brasileira de Advogados do Povo - Abrapo, entre outras organizações classistas.

Estavam reunidos, naquele 2 de maio, representantes de organizações que expressam a luta de milhares de trabalhadores em luta em todo o país. Seu manifesto dirigia-se a todos os trabalhadores do Brasil e de todo o mundo, resgatando a história dos mártires de Chicago tombados no 1º de maio de 1886 e exaltando a luta do proletariado em todo o mundo.

Colunas de operários, camponeses e estudantes ocuparam a Avenida Paulista com bandeiras vermelhas e faixas. A celebração do 1º de maio chamou a atenção de milhares de trabalhadores que passaram pelas ruas do centro de São Paulo pela organização e pelo conteúdo das palavras de ordem: "Viva as classes trabalhadoras, abaixo a CUT pelega e traidora", "Dilma delatora, entreguista e traidora", "Viva o internacionalismo proletário", "Abaixo a carestia, a panela está vazia!", "Viva a aliança operário-camponesa", "Morte ao imperialismo, viva a resistência popular".

Os cerca de 400 manifestantes, por alguns minutos, paralisaram a principal avenida de um dos maiores centros econômicos do país. Uma grande demonstração classista. Grupos de camponeses distribuíam um manifesto à população celebrando o 1º de maio. A Frente Revolucionária de Defesa dos Direitos do Povo divulgava uma nota contra a agressão ianque à Líbia.

Os manifestantes percorreram ruas onde se concentra grande parte do comércio do centro da capital, os funcionários dirigiam-se para as portas das lojas e as pessoas na rua estendiam as mãos para receber os manifestos. Saudavam a manifestação, davam suas opiniões, acenavam de dentro dos carros e das motocicletas.

No final, um ato político realizado em frente à prefeitura de São Paulo denunciou a política de criminalização da pobreza levada a cabo pelos gerenciamentos de turno, denunciou o arrocho salarial e as políticas antioperárias levadas a cabo por Luiz Inácio e Roussef – PT. Os oradores convocaram os trabalhadores para seguirem o exemplo das rebeliões operárias da construção civil e se rebelarem, conclamou-os a fortalecerem a organização classista, desmascararem o oportunismo e desenvolverem a luta combativa.

O 1º de maio classista e internacionalista realizado em São Paulo não teve a cobertura do monopólio das comunicações, já era de se esperar. As farras oportunistas tampouco merecem nota da imprensa democrática e popular. Mas certamente o 1º de maio operário-camponês ficou registrado na memória dos trabalhadores de São Paulo, demonstrou que é possível romper a crosta de oportunismo e da reação e praticar o classismo e não a conciliação, que o proletariado, o campesinato e as classes revolucionárias estão forjando suas organizações de combate, e conclamando o povo a ingressar em suas fileiras.

Box

Solidariedade e saudação à revolução na Índia

Ainda na Avenida Paulista, a manifestação se deteve diante do consulado da Índia em São Paulo. Um representante da Abrapo leu um documento condenando o velho Estado indiano pelas atrocidades cometidas contra os camponeses e povos tribais daquele país. O documento explicava a luta dos povos adivasi, camponeses e dos naxalitas, como são conhecidos os militantes do Partido Comunista da Índia (maoísta), que dirige a guerra popular naquele país. A Abrapo manifestou a solidariedade e apoio dos democratas e revolucionários, bem como do povo brasileiro à luta de libertação do povo indiano e condenou a "Operação Caçada Verde", desencadeada pelas forças de repressão do velho estado para perseguir e massacrar camponeses, povos tribais e maoístas nas regiões de selva da Índia.

Um representante da ILPS leu um documento em inglês, reafirmando o apoio não só do povo brasileiro, mas dos povos em luta em todo o mundo à revolução na Índia. Um representante do Cebraspo, por sua vez, leu um documento condenando o Estado reacionário indiano pela perseguição e prisão de lideranças populares e militantes comunistas naquele país.

Estes documentos foram protocolados e entregues aos representantes do consulado indiano, registrando o repúdio do povo brasileiro às atrocidades cometidas contra aqueles povos e o apoio do povo brasileiro à sua luta.

Os manifestantes ergueram faixas e gritaram palavras de ordem em solidariedade aos povos da Índia em apoio à revolução naquele gigantesco país asiático.


Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja