WikiLeaks: mais uma história de sabotagem protagonizada pelo USA

A- A A+

Um total de 1.918 documentos diplomáticos do USA revelados pela organização WikiLeaks mostram como a administração ianque e as transnacionais petrolíferas Exxon Mobil e Chevron manobraram agressivamente para sabotar um acordo firmado entre o Haiti, então sob a gerência de René Préval, e a Venezuela visando a integração do pequeno e pobre país insular na PetroCaribe, aliança do setor de energia firmada em 2005 entre a administração de Hugo Chávez e diversos países na América Central.

http://www.anovademocracia.com.br/79/16-a.jpg
Michel Martelly e Hillary Clinton em Washington em abril deste ano

O caso revelado pelos documentos vazados pelo WikiLeaks remonta a maio de 2006, mais precisamente ao dia 14 daquele mês, data da posse de René Préval como "presidente" do Haiti. Ainda que Préval estivesse empenhado em bajular o USA, acenando com vantagens para as transnacionais ianques — chegando até a fazer uma visita "oficial" a Washington antes mesmo de tomar posse —, logo no dia em que assumiu o cargo assinou um acordo com o vice-presidente da Venezuela, José Vicente Rangel, para o Haiti ingressar na PetroCaribe.

Segundo os termos do acordo, o Haiti compraria petróleo da Venezuela pagando apenas 60% à vista e financiando o restante ao longo de 25 anos a módicos juros de 1%. Préval mal havia sido empossado e um petroleiro venezuelano já manobrava na baía de Porto Príncipe carregando cem mil barris de diesel combustível.

O ingresso do Haiti na PetroCaribe desagradou o USA, que queria garantir para seus monopólios o fornecimento de petróleo para o novo governo de Porto Príncipe.

A então embaixadora de Washington no Haiti nomeada por Bush, Janet Sanderson — que hoje é secretária de Estado adjunta da administração Obama — emitiu diversos despachos diplomáticos para o USA afirmando que a embaixada e as transnacionais estavam pressionando a gerência Préval no sentido de minar o acordo com a PetroCaribe, mas a própria embaixadora Sanderson reconhecia que as especificidades da realidade haitiana impunham dificuldades para que Préval abrisse mão da cooperação com a Venezuela, dada as imensas vantagens que Chávez oferecia em comparação com a dependência energética do Haiti em relação ao USA.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Semicolônia haitiana sob nova direção

Os monopólios ianques ficaram ainda mais possessos quando a gerência de René Préval anunciou que seria necessário reorganizar o mercado interno de combustíveis para garantir uma distribuição constante através da PetroCaribe. Na prática, isso significava que os monopólios ianques que operam com distribuição no Haiti teriam que passar a comprar combustível do governo de Porto Príncipe.

"Companhias petrolíferas internacionais estão cada vez mais preocupadas — tanto a Esso quanto a Texaco vão se reunir com a embaixada brevemente porque terão de comprar diretamente do governo do Haiti o petróleo delas", comunicava a embaixadora Janet Sanderson em um despacho diplomático datado de 17 de maio de 2006.

Outro despacho, este de 13 de outubro de 2006, informava a Washington que o diretor da Exxon no país, Christian Porter, "afirmou, em nome tanto da Exxon quanto da Chevron, que as duas companhias não estariam dispostas a comprar petróleo do governo haitiano já que elas perderiam suas margens de lucro e porque a PetroCaribe tem uma reputação pouco confiável [na pontualidade das entregas]".

Há ainda relatos de tentativas de sabotagem da entrada do Haiti na PetroCaribe mediante boicote a reuniões e sonegação de informações.

Apesar da sabujisse de Préval e de todo o esforço "diplomático" por parte da embaixada ianque em Porto Príncipe e das grandes transnacionais petrolíferas, o governo haitiano não abriu mão da adesão à PetroCaribe. Agora, o USA chancelou a condução do cantor Michel Martelly ao cargo de gerente do Haiti para os monopólios, esperando que a nova direção da semicolônia haitiana devolva às transnacionais ianques o controle absoluto sobre o mercado local de energia e combustíveis.

A história toda foi garimpada dos arquivos do WikiLeaks pela organização Haïti Liberté e reproduzida pela revista estadunidense The Nation.


Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja