Crise lança milhares de gregos ao protesto

A- A A+

A Grécia, sob uma draconiana intervenção do FMI e da União Europeia, é vilipendiada por um dito governo "socialista" que moveu céus e terras para entregar dezenas de bilhões de dólares em terras públicas como parte do programa de privatizações que visa levantar dinheiro para pagar juros aos banqueiros alemães.

http://www.anovademocracia.com.br/79/15-a-1.jpg
Gregos tomam as ruas contra pacote antipovo

A privatização de imóveis públicos foi uma das exigências do FMI e do Banco Central Europeu para a liberação de um "empréstimo" de 110 bilhões de euros. A gerência de Georges Papandreou já acertou com a União Europeia e o FMI o quinto "plano de austeridade" desde que a crise generalizada fez estourar o paiol das finanças do Estado grego, em maio do ano passado. O novo acerto prevê aceleração das privatizações e aumento dos impostos para os trabalhadores.

Durante todo o mês de junho manifestações gigantescas tomaram as ruas contra essas políticas. No dia 12 de junho, mais de 20 mil protestaram em Atenas contra as medias de "austeridade". Já em 15 de junho, milhares de pessoas atacaram os prédios do Ministério das Finanças, na Praça Syntagma, em Atenas, durante uma greve geral de 24 horas convocada por diversos sindicatos. Bombas incendiárias foram lançadas contra os prédios e os manifestantes enfrentaram a polícia. A greve paralisou os trens e todo o serviço de transportes terrestre e até mesmo os funcionários dos veículos de imprensa aderiram ao movimento.

http://www.anovademocracia.com.br/79/15-a-3.jpg
Milhares de pessoas atacaram o prédio do Ministério das Finanças

Acossado pelos violentos protestos, o primeiro ministro Papandreou chegou a anunciar mudanças no governo, mas sem recuar nas medidas draconianas. Os sindicatos e movimentos populares convocaram novas manifestações para os dias seguintes.

No dia 28, às vésperas da votação do pacote antipovo pelo parlamento grego, uma nova greve geral de 48 horas foi marcada por protestos radicalizados e enfrentamentos entre manifestantes e policiais. Essa nova paralisação convocada por diversos sindicatos interrompeu a maior parte dos serviços públicos do país. Balsas, ônibus e trens não funcionaram e os aeroportos suspenderam atividades durante várias horas provocando cancelamentos de vôos.

http://www.anovademocracia.com.br/79/02-a-charge.jpg
Charge em espanhol: interesses quer dizer lucros

Ignorando os apelos e advertências das massas, o parlamento aprovou, no dia 29 de junho, por 155 votos contra 138, o pacote de medidas exigido pelo FMI.

Antes da votação, um grande protesto bloqueou as vias de acesso ao prédio do parlamento e houve um renhido combate entre manifestantes e policiais. As massas populares gregas, sublevadas há meses, permanecem mobilizadas e anunciaram, já no final da votação, com novos protestos que não se curvarão aos ditames do FMI e do governo reacionário e não cessarão a sua luta.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia


Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja