Portugal: economia estrangulada

A- A A+
No dia 7 de junho, o ministério das Finanças de Portugal divulgou a lista de 213 medidas ditadas pelos interventores da União Europeia e do FMI e que terão que ser cumpridas (84 delas até o final de 2011) pelo gerenciamento português "eleito" dois dias antes, no dia 5 de junho, sob pena da não-liberação do dinheiro da penhora do país: 78 bilhões de euros a título de "resgate financeiro".

Entre as requisições do FMI está, por exemplo, esta: "Durante a duração do programa, qualquer aumento do salário mínimo só terá lugar se justificado pela evolução econômica e do mercado de trabalho e após acordo no quadro da revisão do programa".

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Outra: "Acelerar o programa de privatizações. O plano existente — com horizonte temporal até 2013 - cobre o setor dos transportes (Aeroportos de Portugal, TAP e CP Carga), o setor da energia (GALP, EDP e REN), o setor das comunicações (Correios de Portugal) e o setor dos seguros (Caixa Seguros), assim como uma série de empresas de menor dimensão".

E mais: "Identificar, até a segunda revisão, duas empresas públicas adicionais para privatização até o  final de 2012".

E mais essa: "Apresentar à Assembleia da República uma proposta de lei, já acordada com os parceiros sociais, para alinhar e reduzir as compensações por cessação de contrato de trabalho em todos os novos contratos".

E essa: "Os salários e as aposentadorias serão congelados até 2013, exceto no caso das aposentadorias mais baixas".

E até mesmo essa outra: "Reduzir os custos com o transporte de doentes em 1/3".

Ou seja: uma série de medidas antipovo, de congelamento de salários, dilapidação do patrimônio público português, liberdade para despedir e cortes bizarros nos serviços públicos. E tudo será supervisionado pelos manda-chuva do FMI e da União Europeia, que vão mandar uma "missão externa" a Lisboa de três em três meses para passar seus capatazes locais em revista.

Aves de rapina bicando a carniça

O estrangulamento ao qual Portugal está sendo submetido é tão grande que até a imprensa reacionária local por vezes parece se escandalizar. No dia 2 de junho, os principais jornais portugueses chegaram aos "quiosques" (como são chamadas as bancas de jornal de lá) de Lisboa e do Porto com a notícia de que no dia anterior o Estado português havia se endividado em mais 850 milhões de euros junto aos mercados financeiros para pagamento em três meses a uma taxa de juros de quase 5%.

O endividamento do Estado português a curto prazo e a juros exorbitantes para os padrões europeus é algo milimetricamente calculado pelos banqueiros da Europa. Apesar dos altos juros serem cobrados alegadamente por causa do alto risco representando pela economia portuguesa em agonia, o reembolso de quem empresta é garantido pelos interventores FMI e Banco Central Europeu.

Tudo é arquitetado não para a "ajuda" à nação em apuros, mas sim para azeitar os lucros dos grandes capitalistas, grandes aves de rapina voando em círculos e bicando a carniça.

Irlanda

O terceiro país europeu ora sob intervenção do FMI e da União Europeia, a Irlanda, também vem arrochando o povo mediante uma série de reformas em prol da devastação capitalista, reformas exigidas como contrapartida em compromissos assumidos à revelia das massas trabalhadoras, e para prejuízo delas.


Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira