Música caipira - A voz do sujeito que não tem voz

A música regional, raiz e caipira, representa a voz dos sujeitos que vivem nas mais distantes regiões do interior deste país e não tem espaço para expor suas angústias. Através da música regional brasileira, resistem ao tempo e identificam suas situações através de poesias e letras musicais, melodias e canções. As classes dominantes brasileiras e a pequena burguesia, principalmente a urbana, não percebem o quanto a música faz parte da vida do povo brasileiro. A música sempre foi difundida como atividade erudita do homem livre da cidade, como atividade cultural de algumas pessoas dotadas de inteligência especial. Essa compreensão afastou muitas pessoas dos instrumentos musicais e inibiu a possibilidade da produção de letras que expressam a realidade social. Mas felizmente o trabalhador brasileiro ignorou a posição dos eruditos e transformou o Brasil num país mais rico em matéria de produção musical.

A música regional brasileira, além das inspirações das fontes rítmicas, afro, indígena e europeia, também expressa o sentimento dessa diversidade cultural que se espalhou pelo território brasileiro, improvisando instrumentos e musicando a própria realidade. Através da música é possível perceber a concepção de classe, de ser humano e de justiça social. A própria Ordem dos Músicos do Brasil tem uma visão de elite porque aceita o músico popular, o músico prático, aquele que não estudou música, como associado e pagante de mensalidades, mas não aceita que o mesmo concorra para direção da ordem.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin