Viola de cocho do cancioneiro popular

Nascido em Tangará da Serra e residente em Cuiabá desde menino, Daniel de Paula é considerado um músico singular na divulgação da viola de cocho pantaneira. Baseado em valores culturais da região, promove o instrumento no campo das pesquisas e composições, difundindo a música e o sentimento do cancioneiro regional, e acaba de lançar seu primeiro disco solo, com músicas de sua autoria tocadas no mais genuíno instrumento musical mato-grossense.

http://www.anovademocracia.com.br/79/12-a-.jpg
A viola de cocho é esculpida e o tronco é escavado por dentro

— Comecei a me interessar por música aos onze anos de idade, ouvindo meu pai e meu tio tocarem violão. Mais tarde, cursei educação artística com habilidade em música, na universidade federal daqui e dentro do curso passei a gostar da viola de cocho. No término, fiz uma especialização na área de antropologia cultural, usando o instrumento como objeto de pesquisa. A partir desse estudo, ela passou da pesquisa para o meu campo de trabalho mesmo, profissional — conta Daniel.

— Minhas composições começaram a nascer ao mesmo tempo que descobria os acordes da viola. E fui me apresentando por aqui e fora do estado, participando de alguns festivais de nível nacional e fazendo amizade com grandes violeiros, personalidades.

— Esses grandes eventos atraem muitos músicos para o mundo da viola de cocho. Atualmente, tem muita gente estudando, pesquisando e querendo tocar esse instrumento legitimamente brasileiro. Ela, inclusive, foi tombada como "patrimônio artístico nacional" — continua.

Daniel diz que a viola de cocho é um instrumento pleno e predominantemente artesanal.

— Tem um toque de rústico, feita a mão, com utensílios totalmente manuais. Não tem acabamento de verniz e é única, na verdade, esculpida. O tronco, que vem a dar o formato da viola, é escavado por dentro. O nome é pelo fato de se assemelhar a um cocho de animal — explica.

— Um tempo atrás, as cordas eram confeccionadas a partir das vísceras de alguns animais, como tripas de macaco e do porco do mato. Com a lei de proteção ambiental, essas práticas deixaram de ser utilizadas, passando a utilizar a linha de pesca, do anzol. Como cola, na confecção da viola, o pantaneiro derretia a poca, como é chamada na linguagem daqui a bolsa pulmonar do peixe. Atualmente, já se usa cola industrializada — continua.

— Tive contato com algumas dessas violas rudimentares, o que é muito interessante do ponto de vista da pesquisa. Mas faço as minhas com características um tanto diferenciadas. Tenho quatro ao todo e, em algumas, coloco corda de violão e outras mantenho corda de pescar, dependendo da afinação que quero — acrescenta.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Potencializando a viola de cocho

— Gosto de interagir com vários estilos, que é pegar a viola de cocho e dar uma roupagem diferente, uma incrementada, uma leitura diferenciada do que é feito no cururu e no siriri, manifestações do folclore daqui, onde ela é bem presente. Ela sempre acompanhou essa vivência do homem na beira do rio, o pantaneiro, e isso é muito bom, mas quero mostrar outras vivências, apresentando assim a sua dinâmica, a versatilidade que a viola de cocho pode oferecer — comenta Daniel.

— O Mato Grosso foi dividido em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, ambos com ricas manifestações populares. Mas a região onde mais se encontra a viola de cocho é a do baixo pantanal, que chamamos de Baixada Cuiabana. São os municípios que fazem margem com os rios Paraguai e Cuiabá. Geograficamente falando, do pantanal para cima, passando por Cuiabá, Várzea Grande, subindo até a Chapada dos Guimarães, onde nasce o rio Cuiabá, aparece muito forte essa vivência do homem com a viola de cocho — relata.

Este ano Daniel se apresentou na oitava edição do Festival América do Sul, que tem por objetivo priorizar as manifestações dos povos do continente.

— Minha região faz fronteira com Bolívia, Paraguai, e isso tudo aparece de alguma forma no meu trabalho. Particularmente, gosto muito da harpa paraguaia e utilizo uma técnica bem próxima da desse instrumento. Minha interpretação em cima da viola de cocho, da música que componho, sofre uma influência de fronteira e de tudo que tem por aqui. O regionalismo acaba aparecendo em qualquer música que faço porque faz parte da minha vida — expõe.

Daniel lançou seu primeiro disco, Lufada em viola de cocho, no último 20 de maio, um reflexo de anos de pesquisa e trabalho.

— Lufada é um termo peculiar daqui, utilizado normalmente no baixo pantanal quando os peixes estão saindo das baías. Tem a lufada do lambari, do pial, do pacu. Significa o apogeu, a explosão de alguma coisa. É uma forma até de brincar e valorizar também o dito popular, o falar do homem pantaneiro — diz.

— O conteúdo é um registro musical mato-grossense, uma coletânea de algumas das músicas mais representativas do meu trabalho. São canções que já participaram de festivais, tendo a preocupação de mostrar um variante que se estende entre o rasqueado, a polca paraguaia, chamamé, valseado, choro, cateretê, guarânias e outras coisas do cancioneiro pantaneiro. Enfim, uma grande possibilidade de execução musical na viola de cocho — acrescenta.

— Como particularidade tem a inclusão da viola de cocho junto a outros instrumentos como a viola caipira, o baixo acústico e o violão. Levi Ramiro faz violão, baixo e, em uma faixa, cruzamos as duas violas, fazendo uma espécie de conversa entre a  viola de cocho com a viola caipira, o que chamamos de  'papo de viola' — finaliza.

No momento, Daniel de Paula está fazendo shows do disco pela região, e pretende levá-lo para outras partes do país. Para contatá-lo: (65) 9972-7948/8128-4844 ou Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.


NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro