Professores do Rio ampliam greve

A- A A+

Indignados com o piso salarial de 610 reais, professores da rede estadual do Rio aderiram à paralisação nacional da educação e entraram em greve no dia 7 de junho exigindo reajuste salarial de 26%, incorporação imediata da gratificação do Nova Escola e o imediato descongelamento do plano de carreira dos funcionários administrativos. Com 70% de adesão, segundo o SEPE — Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação —, no início de julho, a greve entra em sua quarta semana. Enquanto o gerente Sérgio Cabral, como de praxe, nega-se a negociar com a categoria, manifestações de professores, funcionários e estudantes tomaram as ruas da cidade nos primeiros dias de paralisação.

http://www.anovademocracia.com.br/79/10-b.jpg
Manifestação dos profissionais da educação no Centro do Rio

O auditório do Clube Municipal, na Tijuca, zona Norte da cidade, ficou pequeno no dia da segunda assembleia de greve dos profissionais da educação. Cerca de 2 mil trabalhadores participaram da reunião, no dia 21 de junho, que decidiu pela continuidade da greve. Enquanto os gerenciamentos de turno mantêm-se indiferentes às reivindicações do movimento, professores seguem sendo massacrados nas salas de aula pelas cansativas jornadas de trabalho, salas superlotadas, escolas caindo aos pedaços e um salário de fome. É o caso da professora de português Vera Egito. Moradora de Duque de Caxias, ela sai de casa para dar aulas, todos os dias, às 6h da manhã.

Para conseguir sobreviver, a gente precisa trabalhar em várias escolas. Isso faz com que a gente não tenha tempo de preparar um material de qualidade. Nós, professores do estado, estamos extremamente sobrecarregados. Eu não sei se o governador ou o secretário de educação aguentariam viver trabalhando como nós e, pior ainda, ganhando o que a gente ganha. Eu trabalho, em média, 15 horas por dia. Dou aula em quatro escolas e gasto 4 horas só me deslocando de ônibus de um lugar para o outro. Eu já calculei que dou 240 aulas por mês e o estado me paga 10 reais a hora/aula. Sendo que, quando eu chego em casa, tenho que arrumar tudo, alimentar meus filhos e preparar as aulas do dia seguinte. Durmo, em média, seis horas por dia. Isso é praticamente um regime de escravidão — diz a professora, que tem 15 anos de profissão.

Colega de trabalho de Vera no Colégio Estadual Guadalajara, a professora Edma Carvalho também denuncia as péssimas condições de trabalho dos profissionais da educação do Rio de Janeiro.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Não é só o salário. Têm várias outras questões. A estrutura das salas de aula, a alimentação dos alunos. É tudo de péssima qualidade. Consequentemente, é ruim para nós professores também, pois nós não temos dinheiro para almoçar fora. Esses alunos ficam super felizes quando tiram uma nota 5. Perguntam sorridentes: ‘passei professora?’. Quando vem o IDEB [Índice de Desenvolvimento da Educação Básica], a melhor média das escolas do Rio é 6,6. Esse é o futuro do nosso país.

No dia 17 de junho, profissionais da educação e estudantes fizeram uma manifestação que percorreu as principais ruas do Centro da cidade e terminou em frente a Secretaria Estadual de Planejamento e Gestão, onde o comando da greve tentou conversar com o secretário Sérgio Ruy, mas não foi atendido. Como se não fosse o bastante, dias depois, o gerenciamento estadual cortou o ponto dos profissionais em greve, o que revoltou ainda mais a categoria.

Estamos entrando com uma liminar preventiva para estes cortes, pois aprovamos estado de greve há mais de um mês. O governo nos ignorou solenemente, quando pedimos o reajuste. Entramos com ação na justiça para garantir que não haverá corte. Queremos sensibilizar os juízes. Sérgio Cabral gosta de falar que a mãe é professora. Dona Magali, conversa com seu filho para ele respeitar o professor — diz a coordenadora do SEPE, Vera Nepomucemo, ao programa Repórter Rio, da TV Brasil.

Estudantes de várias escolas também estiveram na manifestação apoiando os profissionais da educação.

Apoiamos o movimento porque o salário do professor é uma falta de respeito com ele e com os alunos. O governador aluga aparelhos de ar condicionado e computadores. Se comprasse o material, o custo seria menor — disse o presidente do grêmio estudantil do Ciep 175, de São João de Meriti, na Baixada Fluminense, Sérgio Cardoso.

No dia 26, em um ato unificado de bombeiros e professores no Aterro do Flamengo, trabalhadores deram mais uma demonstração de força diante da postura tirana do gerenciamento estadual.

Essa manifestação é para chamar a atenção da população para o projeto de escola que o governo está propondo para o Rio de Janeiro. Uma escola precária, uma escola que paga mal os seus professores e funcionários e dá as costas para as suas crianças — protesta a coordenadora do SEPE, Beatriz Lugão.


LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja