A escalada do imperialismo ianque

A- A A+

Alegre e verde, meus filhos, verde e alegre
será o mundo sobre nossas campas
(Poema de Ethel Rosemberg dedicado a seus filhos)

O USA foi o país que mais se beneficiou com a guerra. No processo de partilhas, coube ao USA a "parte do leão", acumulando capitais na venda de armas, beneficiando-se de tratados militares, conservando suas forças e tornando-se o maior e o mais equipado contingente. Cessado o conflito, passou a concentrar a maior parte das operações financeiras no mundo, a ser o maior aparato industrial, burocrático e militar. Sobram capitais e a reconstrução da Europa fica aos seus investimentos, tendo como primeiro impulso o Plano Marshall, e a recuperação dos trustes ingleses, franceses, alemães (inclusive corporações ligadas ao nazi-fascismo). Ainda em 1945, por sugestão do USA, surge o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial, desde então sob o controle imperialista. A Política de Boa Vizinhança, terceira estratégia de dominação ianque (precedida pela Doutrina Monroe e Big Stick), proclamada ainda nos anos 30 do século XX, empregou métodos sofisticados de infiltração e consolidação econômica na América Latina, aparentemente pacíficos, com emprego da chantagem, golpes de Estado, assassinatos e sabotagens diversas. Surgem aí as doutrinas Trumam, Eisenhower-Dulles, Nixon e Carter.

Também o USA passa a deter a hegemonia na espionagem contra-revolucionária, utilizando as técnicas dos fascistas. O FBI, setor do Ministério da Justiça do USA, criado em 1908, entre inúmeras reformulações, recebe em 45, sinistro departamento de intimidação, agentes secretos e provocadores, em virtude da "Lei de segurança nacional". A Guerra Fria é declarada, em março de 1946, por W. Churchill, que, no ano seguinte, proporia a criação de bloco militar na Europa a fim de agredir a URSS. Uma intensa perseguição aos comunistas e uma terrível contra-propaganda varreram as potências capitalistas, suas colônias e semicolônias.

Em 1947, o Estado "nacional" dos magnatas ianques funda a C.I.A. — a maior e a mais impiedosa organização terrorista do mundo. O Estado Sionista de Israel surge em novembro de 47, por decisão da ONU, que divide a Palestina em dois Estados, mas somente Israel é reconhecido. O espúrio Estado de Israel é proclamado oficialmente em 15 de maio de 1948, com o Tzahal, o exército sionista remodelado e armado pelas potências imperialistas.

Além da agressão aos coreanos, a ofensiva ianque iniciada em 50, não poupa sequer seu próprio povo. A campanha anticomunista no USA denominada Caça às Bruxas ou maccartismo, desencadeia uma sucessão de processos judiciais, espionagens, humilhação pública, interdição profissional, além de censura à arte e imprensa.

Apoiando o revisionismo

Em 1951, Tito, da Iugoslávia, conclui um tratado de "assistência militar" com o USA. Várias traições inauguram a era do revisionismo no poder. A Inglaterra trata de fundar uma nova versão da Internacional Socialista, organização dos partidos social-democratas de todo o mundo, substituindo a finada Internacional Trabalhista e Socialista. Na década de 80, no Brasil, PDT e PT filiam-se à internacional inglesa.

A administração Dwight D. Eisenhower traz em 1952 o Pacto de Bagdá contra o Comunismo, que previa a intervenção militar, a "pedido" dos governos interessados do Oriente Médio. Alguns anos depois, a chantagem nuclear fez com que a política de retaliação maciça fosse substituída pela "estratégia de conflito limitado". O maccartismo é marcado por uma sucessão de processos judiciais, perseguições políticas, assassinatos (oficiais e encobertos) desencadeados pela subcomissão senatorial para "atividades antiamericanas", presidida por J. McCarthy, voltadas particularmente contra os comunistas e democratas. O maccartismo se espalhou pelo mundo.

Em março de 1953, falece Stálin e uma junta governativa, chefiada por Nikita Kruschov, inicia a longa noite de traições ao povo soviético, com a restauração do capitalismo na URSS.

Em 19 de junho de 1953, a magistratura ianque autoriza o assassinato (execução legal) do casal Ethel e Julius Rosemberg, no USA, sob a falsa acusação de espionagem em favor da URSS.

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), principal bloco político/militar na Europa, aparece em 1949, fazendo com que o equilíbrio estratégico pendesse favoravelmente para o capitalismo, cujo papel dirigente era do USA. O imperialismo ianque retoma o processo de invasões e intervenções — a partir da Grécia, depois a Coréia -; prepara o golpe contra Mossadegh no Irã, em 53; coordena a criação da Escola das Américas, no Panamá — destinada a adestrar os militares latino-americanos na contra-insurgência; forma diversas academias de quadros contra-revolucionários, por intermédio dos quais estabelece governos títeres, "eleitos" ou não, em todo o mundo.

Em fins de março, o Japão anunciou o lançamento de satélites para espionar instalações militares da República Popular da Coréia. No mesmo período, a Coréia do Sul decretou estado de alerta e, sob o comando direto do USA — na península coreana, ao sul da RPC — 10 mil soldados coreanos e ianques, além de navios e aviões desses dois países, estão em frequentes manobras (veja em AND 7 — uma violação grosseira ao armistício de 1954).

Enfim, sua política expansionista, segue destruindo a América Latina, o Oriente Próximo e Médio, o Sudeste Asiático e outras regiões.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Matheus Magioli Cossa

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Matheus Magioli Cossa
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira