O poder do servilismo

A- A A+

Grande parte dos veículos de comunicação tem divulgado e apoiado o Programa Fome Zero. Toda a burguesia, inclusive a internacional, aplaude a medida. Vale destacar algumas das idéias básicas das campanhas de persuasão perpetradas contra o povo pelos monopólios que dirigem a imprensa de um modo geral. Sobre a revista Veja, é dispensado comentar, dado ao seu doentio e visceral anticomunismo capaz da proeza de ver comunismo no Partido dos Trabalhadores (PT) e no governo.

Destacamos o jornal Folha de São Paulo com seu ecletismo de conservador moderno (aliás, pós-moderno) que procura agradar gregos e troianos, criticando gregos e troianos; vai de "uma no cravo e outra na ferradura", expressando (identidade e rejeição) seu ranço histórico com o PT. As organizações Globo, sempre oficialistas, mais do que nunca, são a rede da propaganda governista, ademais agora, quando necessitam manter seu monopólio e precisam de socorro oficial às suas contas. É vergonhosa sua ética.

Já o Estadão, guardião-mor da reação tupiniquim e principal sucursal de suporte interno da reação internacional, tem se pautado por oferecer sinalizações claras e balizas bem definidas ao governo do que ele não deve fazer, para não perder sua "popularidade". Sempre bem recheado de densos editoriais e artigos da pena da direita esclarecida, vai municiando com reforços de argumentos toda a política econômica e social anunciada e posta em prática pelo governo. Mas, como em política quase tudo é possível, e como o papel aceita tudo, escalou o jornalista José Nêumanne para fazer a crítica às ações do governo, pela "esquerda".

O apetite de ocultar a verdade

No seu artigo de 12/02/2003, "Apetite de Poder", o articulista acusa o ministro José Graziano de ser duplamente preconceituoso por seu "deslize" - o de ligar a fome dos nordestinos e sua migração para o sul com a criminalidade desbragada no país. Logo, deslinda com o conceito do Programa de Fome Zero, "desmascarado pelo geógrafo Demétrio Magnoli, da USP, que garantiu não haver fome no Brasil, mas desnutrição crônica". Alinha-se com personalidades que julga competentes nessa matéria, que não teriam sido ouvidas pelo governo, destacando, dentre elas, a senhora Zilda Arns, da Pastoral da Fome, e o especialista em recursos hídricos Aldo Rebouças. A primeira, porque "condena o método de entregar diretamente às famílias carentes o dinheiro para comprar alimento, pois ele favorece a corrupção e manipulação política"; e a segunda, ao afirmar que "o problema secular do semi-árido nordestino é a escassez de água, causada não pela falta de precipitação, mas pelo excesso de evaporação". E o que se deve ensinar aos nordestinos é poupar a água "deixando de plantar arroz, que exige seu uso intensivo", adotando culturas de "flores e frutos" que se obtém pelo sistema de gotejamento.

O nome desse projeto deveria ser Apetite de Poder e não Fome Zero, segundo Nêumanne ao afirmar que são três os objetivos do PT: "mostrar que, apesar das aparências, o governo de Lula (...) não é apenas um clone barbudo do anterior; fazer da culpa arma de sedução política; e montar um sustentáculo eleitoral para o PT nos grotões, a fim de prorrogar sua permanência na presidência".

Na verdade, ao lançar suas críticas aos preconceitos de Graziano, Nêumanne não se dá conta dos seus. Ao taxá-lo de racista, "pois nem todo migrante é miserável e nem todo brasileiro pobre é ladrão", expôs todo seu asqueroso preconceito de classe, para o qual nenhum rico é ladrão e muitos pobres o são. Será que as declarações de Graziano se tratam apenas de um "deslize"? Não seria mais que um ato falho? A bajulação à burguesia como tática política, desperta, açula e traz à tona os elementos das entranhas ideológicas da conformação política pequeno-burguesa liberal do PT. Não esqueçamos que na campanha presidencial de 1989, contra Collor, Luiz Inácio declarou que a fome no Nordeste do Brasil tinha criado uma "sub-raça".

E quem desmascarou quem? Apologista da fome, Cardoso, lá da Europa, em seu muito confortável retiro espiritual custeado a peso de ouro, já tinha vociferado essa pérola do descaramento e do cinismo de que no Brasil não há fome, mas "desnutrição crônica". Nada mais a acrescentar.

Quanto à condenação de entrega de dinheiro e defesa do que considera "muito mais sensato", usar o sistema de cartão magnético, "adotado na gestão anterior", perguntamos: que diferença de fato há entre as duas formas de politicagem, a clientelista, coronelista de corrupção, e o tráfico de influência sobre a pobreza? Uma parece velha e a outra aparenta ser nova, nada mais. Sobra da crítica a defesa, uma vez mais, de Cardoso.

Pedagogias do moderno capataz

Sobre ensinar os nordestinos a poupar a água, nosso crítico torna-se seu próprio alvo preconceituoso. Pretender ensinar o povo nordestino a poupar água é de uma arrogância sem qualificativos. Senhores, por favor, o povo faminto come qualquer coisa; não faz parte de seu cardápio preferido comer flores, mas arroz, muito arroz, e todos os dias, de preferência. Ou será preciso demonstrar que estamos no Brasil e que os camponeses plantam, primeiro, para comer? Produzir, vender, onde? Com o quê? Mais uma vez, é a mistificação elitista do capitalismo no campo, existente apenas na cabeça de intelectualóides, na tecnocracia estatal e nos "sensos" do IBGE.

O assalariamento no campo vem decaindo em milhões por década. A cidade submete e explora o campo e a indústria se nutre da extorsão da economia camponesa semifeudal. Os camponeses pobres do semi-árido nordestino plantam para sua sobrevivência (nem de subsistência, em geral, pode ser classificado esse plantio), fora disto migram para as grandes cidades.

O problema, Nêumanne, é que o Brasil precisa de uma revolução agrária profunda, capaz de varrer o latifúndio, todo seu sistema e tentáculos, da face do país, soterrá-lo. No Nordeste, no semi-árido, principalmente, o problema da água é adicional, pois o de fundo é o do monopólio e a concentração da propriedade da terra. Aos "coronéis", velhos e novos, às suas propriedades sem fim, não falta a água, inclusive para irrigar pastagens e os belos jardins decorativos de suas mansões no campo. Aos camponeses, faltam a terra e a água. Portanto, o problema é quanto à propriedade da terra, enquanto que, obter água, depois de resolvida a questão da terra, é mera questão técnica. Sua crítica não está à esquerda do governo. Volta-se contra a transformação agrária e fundiária democrático-burguesa de novo tipo - isto é, sob a hegemonia do proletariado em aliança com o campesinato -, transformação esta, necessária e pendente no país.

Por fim, chamar de Apetite de Poder o Fome Zero, é tecer apenas uma crítica tola e preconceituosa. É achar que só os velhos e carcomidos políticos das classes dominantes reacionárias anseiam pelo direito a ter apetite de poder e que os novos não. Neste sistema - qualificado de democrático - todos, absolutamente todos, que, através dele, se apossem do seu aparato estatal, com muita ou pouca popularidade, estão fadados ao "apetite" voraz de poder e pela sua obtenção e manutenção são capazes de tudo. Só não podem é impedir para sempre que o povo, inclusive o dos "grotões", alvo dos preconceitos, zombarias e discriminações, e principalmente ele, lance ao chão a cangalha da exploração e da opressão, desmantelando com elas toda a demagogia e tapeação de que hoje, ainda, são vítimas.

Muitos crêem que isto não passa de balela. Outros tantos pensavam que tão cedo o PT não ganharia as eleições para a presidência no país. De uma forma ou de outra, as coisas mudam, mais do que nunca, nestes tempos agitados. O mundo está tremendo e tremerá muito mais. Quem teme os tremores, os terremotos e as tempestades? Certamente, não são aqueles cuja vida toda tem sido feita de tremores da opressão incessante, de terremotos de miséria e de tempestades da fome.

A crítica de Nêumanne, só aparentemente, é de esquerda. Na verdade, ela se resume numa defesa envergonhada de Cardoso. Definitivamente, não fica bem para o Estadão fazer críticas à esquerda, ainda que o objeto seja o direitista PT e sua "frente popular", eleitoreira e medrosa. O Estadão entende mesmo é de direita e deve desincumbir-se do que lhe compete.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja