Opiniões - 8

A- A A+
Pin It

Quarteto em Cy

Fiquei muito feliz ao ler o artigo sobre o Quarteto em Cy. Elas são de uma simpatia fora do comum; uma coisa muito familiar para as pessoas da minha geração, com um significado imenso. E é bom saber o que elas fazem pela nossa música, dando duro para divulgá-la mundo afora. Artista mesmo é isso aí. Espero que vocês voltem a conversar com elas, dessa vez retratando mais a parte poética, o trabalho de escolha do repertório, ensaio, etc. Elas e tantos outros artistas que vocês entrevistam.

Valeu.

Dinorah Pinheiro
São Paulo - SP


Operários e camponeses

O jornal A Nova Democracia é muito importante para o Brasil. Recebi um exemplar promocional na UFES (Universidade Federal do Espírito Santo) e entrei na página da internet para conhecer os números atrasados.

Nenhum jornal, hoje, aborda temas como movimento de massas brasileiro, que todos pensávamos estar morto. O exemplo das lutas de operários e camponeses me fez acreditar que essa história de o tempo de greve já passou é pura bobagem desses sindicalistas profissionais, que se encastelaram nas diretorias da maioria das entidades e pretendem levar as massas a negociações aviltantes com os patrões. A luta dos camponeses, tomando as terras do latifúndio sem esperar as decisões dos governos que se sucedem é encorajadora e demonstra a que grau chegou a miséria e a ânsia dos camponeses por terra, para trabalhar e sustentar seus filhos.

Parabéns pelo grande jornal.

José Mário Carneiro
Estudante, Vitória - ES


A UNE pior que a ONU

Os estudantes do mundo inteiro se levantam contra essa guerra no Iraque. No Brasil, a UNE, que se diz a vanguarda dos estudantes, mais preocupada em arrebanhar possíveis cargos no "governo do PT", não se movimenta. Enquanto os protestos são mais e mais veementes, aqui ainda estão soltando pombinhas brancas e pedindo a paz. Não enxergam que a paz que pedem é a paz entre opressores e oprimidos. Desse jeito, eles estão mais mortos do que a ONU, incompetentes. É necessário recuperamos a energia da nossa juventude, seu espírito de luta.

Artur Moreno
Estudante, Recife - PE


Fim de linha

Conheci o jornal A Nova Democracia em uma banca de Goiânia. Logo me surpreendeu a qualidade das matérias. Concordo com a análise feita sobre a quase certa guerra no Iraque. É, na verdade, uma guerra de rapina, sintoma claro de que o imperialismo está mais decrépito que nunca. Bush não vai atacar o Iraque porque é louco, ou idiota; ele (e quem o financia) percebe o fim de linha em que se acha o império, mas com uma nova partilha do mundo, pode dar uma sobrevida ao sistema.

O caderno reservado à cultura é muito bom. O Rui Guerra é mesmo um gênio. A matéria com o violeiro Téo Azevedo também me deixou feliz. É bom saber que existem pessoas que se preocupam com a verdadeira cultura popular, e que não querem saber apenas o quanto isso pode lhe render.

Finalizo desejando vida longa à A Nova Democracia, que vocês consigam melhorar a cada edição.

Raul Ribeiro
Professor, Goiânia - GO


Mãe gentil, pátria amada

...Contra quem foi o golpe de 64? Jânio ou Jango? E para quê? Nixon caiu. Aqui, só Collor caiu. Costa e Silva foi o autor do AI-5, apoiado pelos civis. Talvez também usado. Houve quem disse que ele já estava semi-morto e levando a culpa de tudo. Mais uma vez o ingênuo útil? Talvez. Médici, o do período mais sombrio, não foi julgado e nunca o será, porque aqui é o Brasil. Geisel, o artífice da anistia e da abertura política tinha a eminência parda, que detinha o poder real na penumbra, Golbery, assim como foi Richelieu, na França. Figueiredo disse aos quatro ventos que gostava do cheiro de cavalo e da truculência. Sobreviveu ao naufrágio.

Santo Al Capone, se você fosse brasileiro seria medíocre; nossa máfia é melhor, sutil como a sucuri. Com certeza, ninguém será julgado, nem os autores da explosão do Riocentro foram. Polila viu o indício do que poderia desembocar no assassinato de Baungarten da revista O Cruzeiro e da sua esposa, mas disseram que ele não era ninguém, que era uma escória. Herzog "se enforcou", foi só ele? Lamarca, "um traidor"; Marighela, "um bandido", mas receberam um julgamento?

Os outros, por conta da anistia, estão agora no poder, não querem julgar. Simples, para que também não sejam julgados. Muito conveniente e lucrativo também. O importante não é só condenar este ou aquele. O importante é fazer justiça igual para todos, não apenas aos ladrões de galinha. Estes são condenados até sem roubar. Como fundo musical. Ouvíamos "Eu te amo, meu Brasil", com Don e Ravel, e o refrão era nada poético: "Brasil, ame-o ou deixe."

Vilson Antônio Coletti
Itatiba - SP


O operário lê

Companheiros,

Gosto muito de ler e o jornal foi um achado.

Sua leitura exige um estudo mais aprofundado, pois tem muita informação e análise, diferente desses jornais de consumo fácil, que existem por aí, grandes e grossos, mas descartáveis, que não se aproveita depois do meio-dia.

As matérias teóricas, como as do professor Fausto Arruda, esclarecem muitas dúvidas que me assaltavam durante toda minha militância no movimento operário. Não podemos ter ilusões quanto à conquista do poder pelo proletariado. A formação de uma grande frente de luta e a Revolução me parece ser mesmo o caminho, e a ditadura do proletariado evitará que a burguesia usurpe novamente o poder das mãos de nossa classe.

A denúncia dos crimes dos governos, atual e passados, é importante para mostrar às pessoas que por mais que afirmem governar com, para, e pelo povo, não passam de gerentes que aceitam, sem ao menos regatear, tudo que os imperialistas da vez impõem.

José Mário S. Araújo
Metalúrgico, Santo André - SP


Basta, ianques!

Este é o jornal que faltava na praça. Gostei muito e espero que continue ampliando a tiragem para chegar aos quatro cantos do país. Vão em frente e sucesso. Olha, a mídia fala em guerra dos ianques contra o Iraque, mas na verdade o que vemos é um atentado terrorista dos EUA e da Inglaterra contra o sofrido Iraque. Quanta bandidagem disfarçada de guerra. É preciso dar um basta nos EUA e Inglaterra. Só com o aniquilamento desses dois bandidos-mor o mundo terá paz.

Juscemir
Goiânia - GO
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja